O secretário de Estado, Antony J. Blinken, reúne-se com autoridades na China esta semana, enquanto as disputas sobre guerras, comércio, tecnologia e segurança testam os esforços dos dois países para estabilizar a relação.

Os Estados Unidos caminham para um ano eleitoral em que o Presidente Biden enfrentará intensa pressão para confrontar o governo autoritário da China e oferecer novas proteções às empresas e trabalhadores americanos contra as importações chinesas de baixo preço.

A China está cortejando o investimento estrangeiro para ajudar a sua lenta economia. Ao mesmo tempo, o seu líder, Xi Jinping, tem reforçado a segurança nacional e expandido a presença militar da China em torno de Taiwan e do Mar da China Meridional de uma forma que alarmou os seus vizinhos.

Biden e Xi mantiveram conversações para evitar que as disputas de seus países se transformassem em conflito, depois que as relações atingiram o ponto mais baixo em décadas no ano passado. Mas uma série de desafios pode dificultar o estabelecimento do relacionamento.

Os Estados Unidos têm estado a reagir às reivindicações cada vez mais assertivas da China sobre áreas do Mar da China Meridional e da ilha autónoma de Taiwan, construindo alianças de segurança na Ásia.

Esse esforço motivou há mais preocupações em Pequim de que os Estados Unidos estejam a liderar uma campanha para cercar a China e conter a sua ascensão.

Em reuniões no início deste mês, Biden reuniu-se com os líderes do Japão e das Filipinas. Eles discutiram conflitos territoriais no Mar da China Meridional, incluindo o “repetido assédio da China às operações legais nas Filipinas”, disse o governo dos EUA.

Os encontros entre navios e aviões militares chineses e americanos no Estreito de Taiwan e nos mares do Sul da China e do Leste da China continuaram, levantando preocupações de que um acidente possa desencadear um confronto entre as duas potências. É por isso que as autoridades dos EUA têm insistido em manter uma comunicação militar estreita. Os contactos de alto nível entre os dois exércitos foram restaurados no início deste ano, depois de a China ter congelado a comunicação em resposta à visita da ex-presidente da Câmara, Nancy Pelosi, a Taiwan em agosto de 2022.

A China afirma que os Estados Unidos e os seus aliados estão a alimentar o confronto e não devem interferir nos assuntos da região. Já se irritou com o facto de os Estados Unidos e as Filipinas lançarem exercícios militares conjuntos anuais esta semana. O Exército dos EUA também implantado pela primeira vezcomo parte de um exercício, um sistema de mísseis de médio alcance nas Filipinas que poderia atingir alvos na China.

Para contrariar os esforços de Washington, a China tem tentado reforçar os laços com os países não alinhados da região. O principal diplomata do país, Wang Yi, visitou a Indonésia, o Camboja e a Papua Nova Guiné na semana passada, mais ou menos na mesma altura em que Blinken se reuniu com ministros dos Negócios Estrangeiros do Grupo dos 7, um grupo que Pequim considera um rival na influência global.

Autoridades dos EUA dizem que a China tem desempenhado um papel preocupante no fornecimento de produtos químicos e precursores usados ​​para fabricar a poderosa droga fentanil.

Numa reunião em São Francisco, em Novembro, o Presidente Biden e o Sr. Xi decidiram cooperar no rastreio e redução desses fluxos. Autoridades dos EUA dizem que a China começou a fazer alguns progressos nesse sentido, mas é provável que exortem a novas ações.

Num relatório divulgado na semana passada, uma comissão do Congresso da Câmara centrada na China alegou que a China tinha promovido activamente o fornecimento de precursores de fentanilo aos Estados Unidos, inclusive através de subsídios aos exportadores. Um funcionário do Departamento de Estado disse que as autoridades chinesas começaram a tomar medidas contra os fornecedores chineses de drogas sintéticas e precursores químicos, mas que os EUA queriam ver progressos.

A China há muito nega ter desempenhado um papel importante na crise do fentanil nos Estados Unidos e desviou a culpa ao dizer que foi vítima das potências ocidentais durante a Guerra do Ópio.

Os Estados Unidos e a China ainda mantêm uma das relações comerciais mais extensas do mundo, mas esta tornou-se ainda mais controversa nos últimos meses.

Autoridades dos EUA pediram A China deverá reduzir as suas exportações de veículos eléctricos baratos e outros produtos energéticos verdes, afirmando que são uma ameaça aos empregos americanos. Estão a ponderar se devem aumentar as tarifas sobre automóveis e painéis solares fabricados na China, a fim de bloquear mais importações chinesas provenientes dos Estados Unidos.

Na semana passada, a administração Biden anunciou que iria triplicar algumas tarifas sobre produtos de aço e alumínio provenientes da China e iniciar uma investigação sobre práticas desleais por parte dos setores da construção naval, marítima e logística chineses.

A administração Biden também continua a adicionar mais restrições à venda de chips avançados e do maquinário usado para fabricá-los para a China, devido à preocupação de que a IA possa ajudar os militares chineses.

E na terça-feira, o Senado dos EUA aprovou um projeto de lei que poderia forçar o proprietário chinês do TikTok a vender o aplicativo ou ser banido dos Estados Unidos. A proibição provavelmente será contestada em tribunal.

Pequim opôs-se às restrições, que Xi disse serem uma tentativa de negar o “direito legítimo ao desenvolvimento” da China. Em resposta, apelou à China para promover “novas forças produtivas” – um mantra governamental que visa reforçar a economia do país através da tecnologia e da inovação, na esperança de se tornar mais autossuficiente.

Autoridades dos EUA expressaram preocupações que a China possa tentar influenciar o resultado das próximas eleições presidenciais dos EUA, inclusive orquestrando campanhas nas redes sociais para influenciar a opinião pública americana.

A Agência de Segurança Nacional disse na semana passada que havia também mais sinais de que a China estava a tentar obter acesso a infra-estruturas americanas críticas, a fim de ameaçar esses sistemas em caso de conflito. No ano passado, a Microsoft disse isso código malicioso descoberto espalhado por hackers do governo chinês incorporados em sistemas de telecomunicações em Guam e em outros lugares dos Estados Unidos.

Embora Pequim tenha negado envolvimento em ataques cibernéticos e interferência eleitoral, documentos vazados recentemente mostram que a China desenvolveu uma rede sofisticada de hackers patrocinados pelo Estado para contratar, que têm como alvo bancos de dados em todo o mundo.

As autoridades americanas deixaram claro que consideram a venda da China à Rússia de chips, máquinas-ferramentas, drones e outros materiais utilizados na guerra na Ucrânia como um dos maiores obstáculos na relação entre Pequim e Washington.

E acreditam que fazer com que a China retire esse apoio poderá determinar o resultado da guerra.

A China tem tentado seguir uma linha cuidadosa de não fornecer à Rússia “apoio letal”, como armas, ao mesmo tempo que apoia Moscovo. No início de Abril, o líder chinês Xi Jinping reuniu-se com o ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia e reafirmou a parceria da China com a Rússia.

Mesmo com a diminuição das tensões entre a China e os Estados Unidos, o Sr. Xi e o Presidente Vladimir V. Putin da Rússia permaneceram estreitamente alinhados. Os dois líderes procuraram enfraquecer o domínio global de Washington, culpando a “hegemonia dos EUA” por restringir as suas ambições nacionais.

Autoridades dos EUA, incluindo Blinken, na esperança de evitar uma guerra mais ampla no Médio Oriente, pediram à China que usasse a sua influência sobre o Irão para persuadi-lo a não intensificar o seu confronto com Israel.

Como críticos do Ocidente que pensam da mesma forma, a China e o Irão mantêm laços diplomáticos estreitos há mais de 50 anos. Essa relação cresceu economicamente, uma vez que a China se comprometeu a investir milhares de milhões no Irão em troca de petróleo e combustível.

Pequim descreveu os ataques iranianos com mísseis e drones dirigidos a Israel no início deste mês como um “ato de autodefesa”, depois do que se acreditava ser um ataque israelense que matou sete autoridades iranianas.

Desde o início da guerra de Israel em Gaza, a China tem cortejado a solidariedade com o mundo muçulmano, culpando os Estados Unidos por décadas de instabilidade no Médio Oriente. Pequim também não condenou o Hamas pelos seus ataques terroristas contra Israel em 7 de Outubro.



Source link