O presidente do Malawi disse na terça-feira que o vice-presidente do país morreu num acidente de avião no dia anterior, o que motivou um grande esforço de busca.

O avião desapareceu na manhã de segunda-feira, provocando uma enorme operação de busca e resgate do vice-presidente, Saulos Chilima, e das outras nove pessoas a bordo.

Num discurso à nação na terça-feira, o presidente Lazarus Chakwera disse que os destroços foram encontrados e não houve sobreviventes.

“Algo terrível deu errado naquele voo”, disse Chakwera.

Ele chamou Chilima, 51 anos, de “bom homem” que “serviu seu país com distinção”.

Detalhes sobre as outras vítimas não estavam disponíveis imediatamente.

O avião militar do Malawi que transportava o Sr. Chilima e outras nove pessoas descolou às 9h17 de segunda-feira da capital, Lilongwe. O destino era Mzuzu, a menos de uma hora de voo, segundo o governo.

O avião não conseguiu pousar devido à pouca visibilidade causada pelo mau tempo, disse Chakwera em um discurso televisionado na noite de segunda-feira. O piloto foi instruído a voltar, mas em poucos minutos a aeronave desapareceu do radar.

As autoridades do Malawi iniciaram uma operação de resgate massiva que continuou durante a noite na floresta de Chikangawa, uma reserva desabitada que cobre cerca de 443 milhas quadradas.

Na manhã de terça-feira, o general Paul Phiri, das Forças de Defesa do Malawi, disse que quase 200 soldados estiveram envolvidos na busca, que foi dificultada por um nevoeiro espesso. Policiais, guardas florestais e funcionários da Autoridade de Aviação Civil também participaram do esforço, disse ele em entrevista coletiva.

As autoridades do Malawi também recorreram a outros governos em busca de assistência. A Embaixada dos EUA em Lilongwe disse que emprestou uma aeronave C-12 para ajudar na busca, enquanto Chakwera disse que pediu apoio tecnológico aos países vizinhos, juntamente com a Grã-Bretanha, Noruega e Israel. Na terça-feira de manhã, a Cruz Vermelha do Malawi juntou-se ao esforço de busca.

Esperava-se que Chilima concorresse à presidência nas eleições de 2025.

Entrou na cena política do Malawi há uma década, deixando o seu papel como chefe de uma das maiores empresas de telecomunicações do país numa campanha bem sucedida para o cargo nas eleições presidenciais como companheiro de chapa de Peter Mutharika em 2014.

Os dois tiveram um desentendimento em 2019, com Chilima acusando Mutharika de corrupção e iniciando o seu próprio partido político, o Movimento de Transformação Unida.

Outrora rivais políticos, Chakwera e Chilima formaram uma coligação nesse ano, depois de perderem uma eleição marcada por irregularidades. Os dois candidatos contestaram com sucesso o resultado e, depois de um painel judicial ter decidido a seu favor, os dois homens venceram uma segunda votação realizada em 2020 na mesma chapa.

No final de 2022, o Sr. Chilima foi preso pelo Gabinete Anticorrupção do país sob acusações de ter recebido propinas de um empresário em troca de contratos governamentais. Ele negou qualquer irregularidade.

As autoridades do Malawi abandonaram o caso e retiraram todas as acusações contra Chilima no mês passado, mas o escândalo manchou a sua imagem como um político que jurou acabar com a corrupção.

O Sr. Chilima nasceu no distrito central de Ntcheu, no Malawi. Estudou economia na Universidade do Malawi e obteve o doutoramento em gestão do conhecimento pela Universidade de Bolton, na Grã-Bretanha, de acordo com o seu perfil oficial. Ele deixa sua esposa, Mary Chilima, e seus dois filhos.