Quando o presidente Biden chega à França na quarta-feirareunirá os líderes europeus para o seu lado e demonstrará a determinação que ajudou a promover em nome da Ucrânia.

Mas também desafiará os mesmos líderes e permanecerá praticamente sozinho entre as democracias ocidentais, ainda apoiando firmemente Israel enquanto este trava a guerra em Gaza.

Quando Biden chegar à França para o 80º aniversário da invasão do Dia D, será a primeira vez que estará na Europa desde o ataque terrorista de 7 de outubro liderado pelo Hamas, que matou 1.200 pessoas em Israel e desencadeou uma retaliação militar que tem matou cerca de 36.000 pessoas em Gaza. Na próxima semana, regressará à Europa para uma cimeira em Itália com os líderes do Grupo dos 7 e, três semanas depois, será o anfitrião da cimeira do 75º aniversário das nações da NATO, em Washington.

A série de reuniões colocará Biden em uma posição que não experimentava desde que se tornou presidente: ele será abraçado e isolado ao mesmo tempo pelo mesmo grupo de aliados que cortejou por quase quatro anos. Para um presidente que enfatizou o seu apoio às alianças tradicionais da América, representa um desafio que testará as suas capacidades diplomáticas de formas desconhecidas.

“Gaza mina a clareza moral do argumento que pretendem apresentar sobre a Ucrânia”, disse Peter Beinart, professor de jornalismo e política na Universidade da Cidade de Nova Iorque e analista de longa data de assuntos do Médio Oriente que tem criticado o governo de Israel. “A guerra de Gaza torna essa história muito menos convincente para muitas pessoas.”

Ivo Daalder, que foi embaixador na OTAN no governo do presidente Barack Obama, reconheceu a tensão na abordagem de Biden.

“Sim, parece ser ligeiramente contraditório apresentar um argumento sobre a Rússia e outro sobre Israel”, disse Daalder, que actualmente exerce o cargo de presidente do Conselho de Assuntos Globais de Chicago. “Mas as situações são diferentes. Um foi atacado e o outro atacou. É bem grande.”

Os aliados europeus, com algumas notáveis ​​excepções, têm estado fortemente alinhados com Washington durante mais de dois anos na campanha multinacional para derrotar a Rússia após a invasão da Ucrânia, combinando amplamente os investimentos americanos na guerra com os seus próprios compromissos para com Kiev. Mas os europeus têm-se tornado cada vez mais críticos sobre a forma como Israel está a conduzir a sua operação em Gaza nos últimos nove meses, mesmo que a administração Biden tenha rejeitado os esforços do procurador-chefe do Tribunal Penal Internacional para solicitar mandados de prisão para líderes israelenses sobre acusações de crimes de guerra.

As prioridades díspares irão decorrer num evento que pretende mostrar a unidade e a determinação do Ocidente. O desembarque do Dia D na Normandia, em 6 de junho de 1944, será celebrado como o ponto alto da aliança que derrotou a Alemanha nazista. O presidente Emmanuel Macron da França receberá líderes dos países parceiros da Segunda Guerra Mundial, incluindo o rei Charles, a rainha Camilla, o príncipe William e o primeiro-ministro Rishi Sunak da Grã-Bretanha e o primeiro-ministro Justin Trudeau do Canadá, representando as duas nações que se juntaram aos Estados Unidos em encenando a invasão anfíbia climática.

O Chanceler Olaf Scholz da Alemanha, representando o inimigo vencido, também estará presente numa demonstração da reconciliação da Europa. Não estará presente, porém, o presidente Vladimir V. Putin da Rússia, apesar da aliança da União Soviética com o Ocidente durante a guerra. O governo de Macron convidou inicialmente representantes russos de baixo nível para participar, mas rescindiu a oferta após objecções decorrentes da agressão de Moscovo na Ucrânia. Em contraste, o Presidente Volodymyr Zelensky da Ucrânia participará na cerimónia, uma oportunidade para pressionar os líderes ocidentais por mais ajuda.

John F. Kirby, porta-voz da Casa Branca, disse que o presidente Biden sabia que nem todas as nações concordam com as suas políticas. “Desentendimentos com aliados e parceiros não são algo novo para o presidente Biden”, disse Kirby, “assim como a unidade, a cooperação e a colaboração, que ele também promove numa série de questões”.

As reuniões entre Biden e os aliados ocorrem num momento crítico tanto na Europa como no Médio Oriente. A Ucrânia está a tentar defender-se de uma crescente ofensiva russa que ameaça romper as suas defesas orientais de forma decisiva, após dois anos de combates intensos. A centenas de quilómetros de distância, Israel e o Hamas estão ambos sob pressão para chegarem a acordo sobre um acordo de cessar-fogo que poderá ser a última oportunidade para um caminho rumo a uma paz mais sustentável na região.

Sr. Biden na sexta-feira delineou tal acordo de cessar-fogo isso acabaria por levar à libertação de todos os reféns detidos pelo Hamas, à retirada das forças israelitas de Gaza e ao fim “permanente” da guerra. Ao promover um acordo que os europeus possam apoiar, o presidente pode ter encontrado uma forma de minimizar as diferenças quando chegar a Paris.

O Grupo dos 7 países, incluindo os Estados Unidos, Grã-Bretanha, Canadá, França, Alemanha, Itália e Japão, emitiu um comunicado na segunda-feira endossando o acordo que Biden delineou e apelando ao Hamas que o aceite.

Ao mesmo tempo, Biden abordou outra questão difícil antes da viagem, autorizando pela primeira vez a Ucrânia a usar armas fornecidas pelos EUA contra alvos dentro da Rússia para autodefesa em circunstâncias limitadas, algo França, Grã-Bretanha, Alemanha, Polónia e outros aliados já tinham abraçado.

“A única maneira de sair deste dilema é avançar em ambos os problemas – ajudar a Ucrânia a fazer melhor ou vencer e colocar Israel no caminho da paz”, disse Dan Fried, um diplomata reformado que agora trabalha no Conselho do Atlântico em Washington. “Daí a decisão de levantar algumas restrições ao uso de armas dos EUA pela Ucrânia e de promover um plano de paz complexo e ambicioso” em Gaza.

Ainda assim, as diferenças permanecem reais e gritantes. Espanha, Irlanda e Noruega reconheceu formalmente um estado palestino independente na semana passada, poucos dias depois do Tribunal Internacional de Justiça ordenou a Israel que suspendesse a sua ofensiva militar na cidade de Rafah, no sul de Gaza. A maioria dos governos europeus endossou a acção por crimes de guerra contra Israel no Tribunal Penal Internacional. “A França apoia o Tribunal Penal Internacional, a sua independência e a luta contra a impunidade em todas as situações”, disse o Ministério dos Negócios Estrangeiros do país. disse em um comunicado.

A França não agiu para reconhecer um Estado palestiniano, mas votou nas Nações Unidas em Maio para apoiar a inclusão da Palestina como membro de pleno direito da organização. A Grã-Bretanha, que já não faz parte da União Europeia, absteve-se nessa votação.

Os críticos de Biden dizem que ele não tem ninguém para culpar pelos seus desafios diplomáticos na Europa, mas sim a si mesmo por uma abordagem inconsistente às crises internacionais.

“A contradição, creio eu, está na política americana”, disse Peter Rough, diretor do Centro para a Europa e Eurásia do Instituto Hudson e ex-assessor do presidente George W. Bush. “Na Ucrânia, ele está a apoiar a Ucrânia contra a aliança russo-iraniana, enquanto em Gaza ele está a gerir Israel, até mesmo a limitá-lo, enquanto confronta um representante iraniano.”

Do outro lado do espectro, alguns veteranos da política externa disseram que Biden trouxe problemas para si mesmo por apoiar demais Israel.

“Não tenho a certeza de que Biden tenha feito as escolhas certas em relação a Israel-Gaza, embora reconheça que ele se encontra numa situação difícil, tal como o nosso país”, disse Eric Rubin, diplomata norte-americano de longa data e ex-presidente da União Americana. Associação de Serviço Estrangeiro. “Israel perdeu a simpatia da maioria dos outros países e dos seus cidadãos, e temo que não a veremos recuperá-la durante as nossas vidas.”

Mas no final das contas, disseram alguns diplomatas, a França e os outros aliados acabam por ceder aos Estados Unidos quando se trata de tais questões. E mesmo que os encontre em páginas diferentes, Biden desfruta de uma relação construtiva com os seus pares, ao contrário do seu antecessor e possível sucessor, Donald J. Trump, que repreendeu os aliados europeus pelas suas divergências e os deixou temendo o seu potencial regresso ao poder. escritório.

“Os Estados Unidos ainda desempenham um papel indispensável”, disse Daalder. “Todos nos procuram para descobrir como lidaremos com a Rússia, como lidaremos com a China e, francamente, até mesmo como lidaremos com Israel. Ainda somos vistos pelos nossos amigos e pelos nossos adversários como aqueles que determinarão o resultado.”