A visita de Estado do Presidente Vladimir V. Putin à Coreia do Norte pareceu ter um enfoque singular em questões militares: os dois lados reviveram dramaticamente um acordo de defesa mútua da era da Guerra Fria. Um dia depois, no Vietname, o líder russo foi muito menos provocador, pelo menos no início da sua visita.

O Vietname valoriza as suas relações com os Estados Unidos, que ficariam comprometidas se Putin fizesse declarações inflamadas sobre Washington estar ao lado das autoridades vietnamitas. Assim, embora o Vietname e a Rússia tenham relações militares profundas e uma história comunista partilhada, os líderes em Hanói concentraram as conversações com Putin no reforço dos laços em áreas como o comércio, a educação, a energia e a ciência e tecnologia. O líder russo manteve seus comentários formais em silêncio, embora tenha se soltado mais tarde, quando respondeu a perguntas da imprensa antes de partir. A maioria das perguntas era sobre a Coreia do Norte.

Não houve grandes avanços, mas a demonstração de unidade com o Vietname foi concebida para dar ao Sr. Putin uma aparência de legitimidade internacional numa altura de crescente isolamento no Ocidente.

Aqui estão três conclusões principais de sua visita.

Ao contrário da Coreia do Norte, que é um pária no Ocidente, o Vietname tem sido cortejado pelos Estados Unidos no seu esforço para conter a crescente influência global da China. Só no ano passado, Hanói também recebeu o presidente Biden e o principal líder da China, Xi Jinping.

A visita de Putin ao Vietname faz parte de um esforço do líder russo para mostrar que, apesar das tentativas ocidentais de isolá-lo devido à invasão da Ucrânia, ele ainda é aceite pelos líderes mundiais. A sua viagem no final do ano passado aos Emirados Árabes Unidos e à Arábia Saudita, dois importantes parceiros americanos no Médio Oriente, sublinhou este ponto.

Ele recebeu uma saudação de 21 tiros na Cidadela Imperial de Thang Long, um importante local histórico no centro da capital. Seguindo o típico roteiro, crianças vietnamitas – agitando bandeiras russas e vietnamitas – alinharam-se nas ruas de Hanói enquanto a carreata de Putin passava. Foi a quinta viagem de Putin ao país desde 2001, mas a primeira desde a invasão em grande escala da Ucrânia.

O Vietname e a Rússia partilham uma longa história ligada pela ideologia. Em 1950, a União Soviética foi um dos primeiros países a dar reconhecimento diplomático ao que era então a República Democrática do Vietname, ou Vietname do Norte.

Nguyen Phu Trong, o poderoso chefe do Partido Comunista Vietnamita, disse a Putin que, como alguém que viveu e estudou na Rússia, ele ainda se lembra com carinho “este grande e belo país da Rússia com sentimentos calorosos”, de acordo com Tuoi Tre do Vietnã. jornal.

Durante décadas, Moscovo tornou-se o maior doador do Vietname, fornecendo ajuda militar quando Hanói travava as suas guerras contra a França e os Estados Unidos – um facto que Putin se esforçou por lembrar aos vietnamitas na quinta-feira.

“A União Soviética, como observou, prestou assistência eficaz na luta heróica do povo vietnamita contra os invasores franceses e depois americanos, e posteriormente contribuiu para a construção pacífica da República Socialista do Vietname”, disse Putin, como representante do Vietname. O primeiro-ministro Pham Minh Chinh ficou ao seu lado.

O Vietname não chegou a expressar apoio à guerra da Rússia contra a Ucrânia, mas também teve o cuidado de não alienar Moscovo.

No fim de semana passado, Hanói faltou à cimeira de paz da Ucrânia, na Suíça. Também se absteve em quatro resoluções das Nações Unidas que condenavam o ataque da Rússia à Ucrânia e votou contra a moção para retirar a Rússia do Conselho dos Direitos Humanos da ONU.

Ao contrário do encontro do dia anterior com o líder norte-coreano, Kim Jong-un, Putin, em público, conteve a retórica inflamada contra os Estados Unidos durante a maior parte do dia, quando apareceu em eventos formais com homólogos vietnamitas.

Na quarta-feira, sentado em frente a Kim, ele criticou Washington como uma potência hegemónica e imperial que tenta impor a sua vontade ao mundo através dos seus países satélites. Ele assinou um pacto de defesa prometendo ajudar a Coreia do Norte em caso de guerra e ameaçou uma cooperação mais profunda com os militares de Kim.

No Vietname, o líder russo manteve declarações incontroversas sobre relações comerciais e históricas. A mensagem parecia estar calibrada tendo em mente os seus homólogos vietnamitas.

O Vietname, que melhorou os laços com os Estados Unidos no ano passado, foi cuidadoso com a ótica da visita de Putin. Antes da sua viagem, responsáveis ​​em Washington deixaram claro que não estavam satisfeitos, dizendo que nenhum país “deveria dar a Putin uma plataforma para promover a sua guerra de agressão e permitir-lhe normalizar as suas atrocidades”.

A mídia vietnamita concentrou a visita no relacionamento bilateral e no seu longo passado histórico como amigos durante a era da Guerra Fria.

“Independentemente do que a Rússia possa oferecer, não creio que o Vietname se agarre a isso e dê qualquer impressão ou aparência de que estamos alinhados com a Rússia numa frente antiocidental”, disse Hoang Thi Ha, membro sénior do ISEAS-Yusof Ishak. Instituto em Singapura.

Embora a Rússia forneça há muito tempo armas ao Vietname, houve pouco debate público sobre aquisição de armas ou defesa. O novo ministro da Defesa de Putin, Andrei R. Belousov, acompanhou o líder russo na Coreia do Norte, mas depois pareceu desistir da viagem, com o Ministério da Defesa da Rússia publicando imagens dele visitando um complexo militar de saúde na Rússia na quinta-feira.

Hanói afirma que o seu nível mais elevado de laços bilaterais é com sete países: Rússia, China, Estados Unidos, Índia, Coreia do Sul e Austrália. Manter laços com um permite contrabalançar os outros.

Tanto a Rússia como o Vietname lucraram enormemente com a exploração dos depósitos de petróleo e gás do Vietname no Mar da China Meridional. Putin comprometeu-se a fornecer produtos de petróleo e gás ao Vietname a longo prazo.

Huong Le Thu, vice-diretor para a Ásia do Grupo de Crise Internacional, disse que a visita de Putin foi uma vitrine da capacidade do Vietnã de “sustentar um relacionamento com todos os atores, apesar da rivalidade e competição mútua entre grandes potências”.

Trong, o chefe do partido, chama esta abordagem de “diplomacia do bambu”, na qual, exibindo a flexibilidade dos ramos de bambu, o país é capaz de equilibrar múltiplas relações com grandes potências.

“Está centrado nos interesses de Hanói, e não nos de qualquer outra pessoa”, disse Huong.