Nesta quinta-feira (23), a missão espacial Euclid, da Agência Espacial Europeia (ESA), divulgou novas imagens do projeto Early Release Observations. Ao todo, cinco novas imagens capturadas em diferentes regiões cósmicas apresentam um pouco do poder que a missão Euclid pretende oferecer no futuro; a agência também revelou que serão publicados 10 artigos sobre os novos dados coletados.

Além das imagens inéditas, os cientistas receberam os primeiros conjuntos de dados coletados pela missão. O telescópio Euclid foi lançado ao espaço em julho de 2023; as fotografias são aproximadamente quatro vezes mais nítidas do que seria possível capturar por meio de telescópios terrestres.

Segundo a diretora de ciência da ESA, Carole Mundell, os resultados apresentados pelo Euclid são sem precedentes. A primeira leva de imagens foi publicada em novembro de 2023, e a segunda continua mostrando que o Euclid é capaz de capturar detalhes em diferentes tipos de objetos celestes.

“Euclid é uma missão única e inovadora, e estes são os primeiros conjuntos de dados a serem tornados públicos – é um marco importante. As imagens e as descobertas científicas associadas são impressionantemente diversas em termos de objetos e distâncias observadas”, disse a cientista do Euclid, Valeria Pettorino, em um comunicado oficial.

Telescópio Espacial Euclid

“[Os dados] incluem uma variedade de aplicações científicas e ainda representam apenas 24 horas de observações. Eles dão apenas uma dica do que Euclides pode fazer. Estamos ansiosos por mais seis anos de dados. Este telescópio espacial pretende abordar as maiores questões em aberto na cosmologia. E as primeiras observações demonstram claramente que Euclides está mais do que à altura da tarefa”, Valeria acrescenta.

Galáxia Abell 2764A imagem apresenta uma visão única do aglomerado de galáxias Abell 2764.Fonte: ESA/Euclid/Euclid Consortium/NASA

Para os pesquisadores da missão, as novas imagens mostram que o telescópio Euclid pode oferecer dados impressionantes sobre as regiões cósmicas que ele observa. Por exemplo, o quadro do aglomerado de galáxias Abell 2390 apresenta aproximadamente 50 mil galáxias em apenas uma fotografia.

A imagem apresenta o aglomerado de galáxias Abell 2390.A imagem apresenta o aglomerado de galáxias Abell 2390.Fonte:  ESA / Euclid / Euclid Consortium /NASA / J.-C. Cuillandre / G. Anselmi 

Devido aos seus instrumentos, o Euclid pode coletar diferentes informações em um único quadro, como aglomerados de estrelas, núcleos de galáxias e caudas de maré. Atualmente, os cientistas estão utilizando esse conjunto de dados para estudar a evolução das galáxias e, assim, melhorar os modelos sobre a história cosmológica do universo.

A nova fotografia do Euclid mostra a região de formação estelar Messier 78.A nova fotografia do Euclid mostra a região de formação estelar Messier 78.Fonte:  ESA / Euclid / Euclid Consortium /NASA / J.-C. Cuillandre / G. Anselmi 

Saiba também:

A galáxia espiral NGC 6744 também foi uma das observações do Euclid.A galáxia espiral NGC 6744 também foi uma das observações do Euclid.Fonte:  ESA / Euclid / Euclid Consortium /NASA / J.-C. Cuillandre / G. Anselmi 

Os astrônomos apontam que o universo é composto por 68% de energia escura e 27% de matéria escura; apenas 5% de tudo o que conhecemos pode ser observado pelas faixas visíveis. A equipe da missão também afirma que o telescópio Euclid pode ser responsável por revelar mais características da matéria e energia escura.

A última imagem divulgada pelo Eluclid apresente o grupo de galáxias Dorado.A última imagem divulgada pelo Eluclid apresente o grupo de galáxias Dorado.Fonte:  ESA / Euclid / Euclid Consortium /NASA / J.-C. Cuillandre / G. Anselmi 

Gostou do conteúdo? Então, fique por dentro de mais notícias como essa aqui TecMundo. Se desejar, aproveite para descobrir como as lentes dos telescópios contribuíram para a evolução da astronomia.



Source link