Um paciente entra em um quarto de hospital, senta-se e começa a conversar com um médico. Só que neste caso o médico é um holograma.

Pode parecer ficção científica, mas é a realidade para alguns pacientes do Hospital Regional Crescent, em Lancaster, Texas.

Em maio, o grupo hospitalar começou a oferecer aos pacientes a possibilidade de consultar o seu médico remotamente como um holograma através de uma parceria com a Holoconnects, uma empresa de tecnologia digital sediada nos Países Baixos.

Cada Holobox – o nome da empresa para seu dispositivo de 440 libras e 2,10 metros de altura que exibe em uma tela um vídeo ao vivo em 3D altamente realista de uma pessoa – custa US$ 42 mil, com uma taxa de serviço anual adicional de US$ 1.900.

A imagem de alta qualidade dá ao paciente a sensação de que um médico está sentado dentro da caixa, quando na realidade o médico está a quilômetros de distância olhando para câmeras e displays que mostram o paciente.

O sistema permite que o paciente e o médico tenham uma consulta de telessaúde em tempo real, mais parecida com uma conversa pessoal. Por enquanto, o serviço é utilizado principalmente para consultas pré e pós-operatórias.

Os executivos da Crescent Regional, que têm planos de expandir o atendimento para consultas tradicionais, acreditam que isso melhora a experiência remota do paciente.

“Os médicos são capazes de ter um impacto muito diferente no paciente”, disse Raji Kumar, sócio-gerente e executivo-chefe da Crescent Regional. “Os pacientes sentem que o médico está ali.”

Mas os especialistas estão céticos sobre se uma visita com holograma é significativamente melhor do que opções de telessaúde 2-D, como Zoom ou FaceTime.

Na medicina, os avanços tecnológicos são avaliados pela sua capacidade de melhorar o acesso aos cuidados, diminuir o seu custo ou melhorar a sua qualidade, disse o Dr. Eric Bressman, professor assistente de medicina na Universidade da Pensilvânia.

“Não conheço quaisquer dados que apoiem a ideia de que isto melhoraria a qualidade da consulta para além de uma consulta habitual por telemedicina”, disse o Dr. Bressman, que tem experiência em medicina digital.

Kumar disse que uma das maneiras pelas quais um holograma melhora a experiência de telessaúde é a tela grande e a câmera sofisticada que permitem ao médico ver o corpo inteiro do paciente, o que é útil para avaliar características como marcha ou amplitude de movimento.

A câmera pode ser especialmente útil em um ambiente de fisioterapia, disse o Dr. Chad Ellimoottil, diretor médico de atendimento virtual do Sistema de Saúde da Universidade de Michigan.

Alguns dos benefícios do holograma são menos tangíveis, mas ainda melhoram significativamente a experiência do paciente, disse Steve Sterling, diretor administrativo da divisão norte-americana da Holoconnects.

“Não afetaremos os resultados dos pacientes”, disse Sterling. “Mas o que já estamos impactando é um sentimento de envolvimento entre médicos e pacientes.”

Embora o Sr. Sterling tenha dito que Crescent Regional é a primeira aplicação hospitalar para o Holobox, serviços de hospitalidade estão mais comumente usando a tecnologia.

Doze hotéis possuem um Holobox e há planos para instalar o sistema em mais 18 locais, disse Sterling.

O Dr. Ellimoottil acredita que esta tecnologia é mais adequada para um ambiente de hospitalidade do que para um ambiente médico. A telessaúde permite que os pacientes encontrem um médico em casa, mas os pacientes que usam o sistema Holobox ainda teriam que se deslocar até um consultório.

Além das preocupações sobre a falta de melhorias na qualidade e acessibilidade dos cuidados, o preço também é um problema.

Por enquanto, US$ 42 mil mais uma taxa anual de US$ 1.900 não são um serviço de redução de custos. Mas a Sra. Kumar disse que concorda com isso.

“Não é uma coisa de geração de receita”, disse ela. “É mais uma questão de qualidade do paciente, envolvimento e entrega de um melhor serviço ao paciente. Dando-lhes mais conforto.”