A Rússia e a Ucrânia atacaram o território um do outro no domingo com ataques de drones e ataques aéreos que atingiram centros urbanos e instalações energéticas, enquanto ambos os lados procuram formas de infligir danos fora do campo de batalha.

Os militares russos disse abateu quase 60 drones ucranianos sobre a região de Krasnodar, no sudoeste da Rússia, que a Ucrânia tem visado cada vez mais nas últimas semanas porque alberga instalações energéticas e militares que apoiam operações de combate.

Local Autoridades russas disseram uma refinaria de petróleo foi atingida no ataque. Um oficial de segurança ucraniano, falando sob condição de anonimato para discutir assuntos militares sensíveis, disse que drones ucranianos atingiram a refinaria, bem como um campo de aviação militar na região. As autoridades russas não comentaram o suposto ataque ao campo de aviação.

Autoridades ucranianas disse A Rússia atacou o nordeste da Ucrânia, incluindo a cidade de Kharkiv, matando pelo menos 10 civis e ferindo mais de 20 pessoas. A Rússia não comentou os ataques, que não puderam ser confirmados de forma independente. Kharkiv, a segunda maior cidade da Ucrânia, foi atingida por mísseis russos nos últimos meses, no que especialistas militares dizem ser uma tática russa destinada a criar pânico e forçar os residentes a fugir.

Os ataques a centros logísticos e concentrações de tropas atrás das linhas inimigas têm sido uma constante nesta guerra. Mas tornou-se ainda mais importante para a Ucrânia, à medida que procura aliviar as tropas que lutam para conter os avanços russos no terreno, interrompendo as operações militares de Moscovo.

Desde a queda, a Rússia tem estado em vantagem no campo de batalha, permitindo-lhe lançar ataques em diferentes partes da linha da frente de mais de 600 milhas para sondar e romper as defesas ucranianas. Mais recentemente, abriu uma nova frente no nordeste da Ucrânia, perto de Kharkiv, capturando rapidamente vários assentamentos e forçando o exército ucraniano a realocar unidades de outros pontos críticos do campo de batalha.

Agora, a Rússia procura tirar o máximo partido da situação, rompendo as estreitas linhas ucranianas.

O Estado-Maior da Ucrânia informou que mais de 80 ataques russos ocorreram no sábado. Muitas delas ocorreram na região sudeste de Donetsk, que a Rússia anexou em 2022, mas não controla totalmente. Em particular, os militares ucranianos afirmaram ter repelido um grande ataque russo envolvendo tanques em Chasiv Yar, um reduto ucraniano que é um dos principais alvos da Rússia na região de Donetsk.

Ao longo de meses de ataques sangrentos, a Rússia gradualmente recuperou o território ucraniano. Pasi Paroinen, analista do grupo finlandês Black Bird, que analisa imagens de satélite e imagens de combate do campo de batalha, disse que a Rússia ganhou mais território até agora neste ano do que perdeu durante a contra-ofensiva de verão da Ucrânia no ano passado.

Parte da estratégia da Ucrânia para interromper este avanço lento mas constante tem sido uma campanha aérea sustentada contra instalações russas que fornecem combustível e outros produtos petrolíferos refinados a tanques, navios e aviões de combate.

No domingo, seis drones ucranianos atingiram uma refinaria de petróleo em Slavyansk, na região russa de Krasnodar, forçando a usina a interromper as operações. de acordo com TASSa agência de notícias estatal da Rússia.

A campanha também parece ter como objectivo minar a indústria energética russa, que está no centro da economia e do esforço de guerra da Rússia. Os Estados Unidos disseram em um relatório divulgou na semana passada que as greves tinham “perturbado cerca de 14 por cento da capacidade de refinação de petróleo da Rússia” e que, em meados de Março, os preços domésticos da gasolina e do gasóleo tinham subido entre 20 a 30 por cento na Rússia. O relatório cobriu apenas um período de dois meses, do final de janeiro ao final de março.

A Rússia também disse no domingo que interceptou nove mísseis ucranianos em direção à Crimeia, a península ucraniana que Moscou anexou ilegalmente em 2014. Moscou transformou a península em um centro de logística militar para canalizar tropas e munições para o campo de batalha no sul. Também tem sido usado como plataforma de lançamento para ataques de drones e mísseis.