O presidente Vladimir V. Putin da Rússia chegou à Coreia do Norte, de acordo com a mídia estatal russa, visitando-a pela primeira vez em 24 anos depois de prometer levar os laços com Pyongyang a novos patamares e rejeitar conjuntamente o que chamou de “ditadura neocolonial global” de os Estados Unidos.

O líder do Norte, Kim Jong-un, encontrou-se com o presidente russo na pista do aeroporto na manhã de quarta-feira, horário local, informaram agências de notícias estatais russas.

A guerra contra a Ucrânia aproximou Putin de Kim, que conquistou um novo estatuto no Kremlin ao abrindo seus vastos depósitos de munições para Moscou.

Nove meses atrás, depois que o Sr. Kim chegou de trem blindado no Extremo Oriente russo, os dois homens encontraram-se num cosmódromo russo e brindaram à sua “luta sagrada” contra o Ocidente. O líder norte-coreano, entre visitas a instalações russas sensíveis de foguetes e aviões de combate, convidou Putin a fazer uma visita recíproca.

Agora, o presidente russo aceitou a oferta. E o aprofundamento da relação entre os dois líderes autoritários representa um desafio particular para Washington. Os Estados Unidos já confiaram na cooperação de Moscovo nas suas tentativas de conter o programa nuclear e de mísseis da Coreia do Norte. Agora, enfrenta uma intenção do Kremlin de estragar os interesses geopolíticos americanos em todo o mundo.

A mídia estatal russa divulgou imagens mostrando grandes bandeiras russas e retratos de um sorridente Putin nas ruas de Pyongyang enquanto a Coreia do Norte se preparava para receber o líder russo.

Antes da viagem, Putin emitiu uma ordem autorizando a conclusão de um novo acordo de “parceria estratégica abrangente” com a Coreia do Norte.

Ele também publicou um artigo no Rodong, o principal jornal do Norte, elogiando Kim por resistir à “pressão económica, provocações, chantagem e ameaças militares dos Estados Unidos” e agradecendo a Pyongyang pelo seu forte apoio às operações da Rússia na Ucrânia.

A vitória sobre a Ucrânia tem sido o princípio orientador da política externa russa há mais de dois anos, e a principal prioridade de Putin na viagem será garantir a cooperação contínua da Coreia do Norte para ajudá-lo a alcançar os seus objectivos no campo de batalha.

A Coreia do Norte é um dos países mais empobrecidos e isolados do mundo, mas tem um dos maiores exércitos.

O âmbito exacto da ajuda militar do Norte à guerra de Moscovo não é claro. Muitos analistas dizem que a contribuição tem sido significativa, porque os militares russos necessitam cada vez mais de munições na sua guerra de desgaste contra Kiev. As forças russas têm obtido recentemente ganhos territoriais contra a Ucrânia, em parte porque são capazes de gastar mais munições.

Em um entrevista com Bloomberg Na semana passada, o ministro da Defesa sul-coreano, Shin Won-sik, disse que Seul rastreou pelo menos 10 mil contêineres que poderiam conter até 4,8 milhões de projéteis de artilharia transportados da Coreia do Norte para a Rússia. O ministro previu que Putin pediria mais durante a sua viagem.

Antes da visita de Kim à Rússia no ano passado, a inteligência dos EUA relatado que Moscou comprou milhões de projéteis de artilharia da Coreia do Norte. Desde então, os Estados Unidos acusaram a Rússia nas Nações Unidas de disparar vários mísseis balísticos norte-coreanos contra a Ucrânia.

Mas surgiram questões sobre a qualidade dos abastecimentos do Norte. Autoridades em Kyiv disse que a Rússia disparou cerca de 50 mísseis balísticos norte-coreanos contra território ucraniano no inverno passado e que a taxa de falha das armas foi elevada.

A crescente relação com Moscovo já rendeu dividendos para Pyongyang. Em março, a Rússia vetado a renovação anual do painel de peritos da ONU que há 15 anos examina as violações das sanções norte-coreanas. A medida destacou a mudança drástica na posição de Moscovo em relação a Pyongyang, depois de anos a desempenhar um papel nos esforços de desarmamento da ONU naquele país.

Antes de o seu mandato expirar, os monitores da ONU verificaram que os destroços de um ataque de Janeiro à cidade ucraniana de Kharkiv tinham vindo de um míssil norte-coreano e disseram que a transferência de armas violou o embargo de armas da ONU a Pyongyang. de acordo com a Reuters. O embargo proíbe a exportação e importação de armas.

É improvável que Putin reconheça qualquer entrega de munição ou armas durante a viagem. A Rússia negou quaisquer transferências militares que violem o embargo da ONU.

O assessor de política externa do Kremlin, Yuri V. Ushakov, disse aos jornalistas num briefing na segunda-feira que os dois líderes discutiriam questões de energia, transporte, agricultura, economia e segurança durante a viagem.

Putin também visitará o Vietname no final desta semana, sublinhando a propensão do Kremlin para contestar os interesses americanos, mesmo em países onde Washington tem vindo a melhorar os seus laços. A viagem do líder russo até lá vem depois O presidente Biden visitou em setembro.

Kim, cujo avô chegou ao poder com o apoio de Moscovo em 1948 e fundou a Coreia do Norte, tem vindo a expandir constantemente o seu arsenal de armas de alta qualidade e a procurar cada vez mais a ajuda do Kremlin.

O aquecimento das relações entre Moscovo e Pyongyang levou a um colapso dos esforços internacionais visa conter as ambições nucleares e de mísseis da Coreia do Norte e levantou questões sobre a futura aplicação de sanções.

Desde que os dois líderes se reuniram no ano passado, persistem dúvidas sobre o que Kim recebeu em troca de fornecer a Moscovo mísseis balísticos e granadas de artilharia tão necessárias.

Entre outras coisas, o conflito deu a Pyongyang a rara oportunidade de avaliar o desempenho dos seus mísseis em combate real e potencialmente aperfeiçoar o seu design.

A Coreia do Norte também acolheria favoravelmente um maior acesso à sofisticada tecnologia militar da Rússia, incluindo o seu amplo conhecimento de satélites. Dois meses depois da visita de Kim à Rússia no ano passado, a Coreia do Norte colocou a sua primeiro satélite de reconhecimento militar em órbita, um lançamento que as autoridades sul-coreanas disseram ter sido auxiliado pela assistência tecnológica de Moscou.

A Rússia, que possui o maior arsenal mundial de armas nucleares e um dos seus programas de submarinos mais sofisticados, possui uma série de outras tecnologias de interesse para a Coreia do Norte. Apesar dos esforços de desarmamento realizados ao longo de muitos anos por Washington e pelas Nações Unidas, Pyongyang realizou seis testes nucleares e desenvolveu mísseis balísticos intercontinentais capazes de atingir os Estados Unidos.

Isolada do resto do mundo devido a sanções internacionais, a Coreia do Norte tem uma série de necessidades fora do sector militar que Moscovo também poderia ajudar a satisfazer. Autoridades sul-coreanas disseram que a Rússia, o maior exportador mundial de trigo, fornece alimentos e matérias-primas, bem como peças para a fabricação de armas.

No artigo publicado em Rodong antes da viagem, Putin disse que Moscovo apoiaria a luta da Coreia do Norte contra “o inimigo astuto, perigoso e agressivo”, aprofundando as relações económicas e estabelecendo um novo sistema de liquidação comercial livre da interferência americana.

Ushakov disse que o comércio da Rússia com a Coreia do Norte atingiu 34,4 milhões de dólares em 2023, nove vezes o valor do ano anterior. Ele disse que a cimeira incluiria uma discussão sobre o restabelecimento dos laços humanitários que foram suspensos durante a pandemia devido às regras estritas da Coreia do Norte.