A medida cria um possível confronto entre o tribunal internacional e Israel com o seu maior aliado, os Estados Unidos.