Um pilar da ascensão meteórica da NFL nas últimas seis décadas tem sido sua estratégia de disponibilizar quase todos os jogos, em sua maioria gratuitos, para os fãs nas redes nacionais. A liga manteve essa abordagem mesmo quando a Liga Principal de Beisebol, a NBA e outras ligas transferiram mais jogos para emissoras de cabo e satélite e serviços de streaming por assinatura.

A estratégia valeu a pena: Noventa e três dos 100 programas mais assistidos na televisão no ano passado foram jogos da NFL, de acordo com a Nielsen.

Mesmo assim, os jogos da NFL não são baratos e onipresentes o suficiente para todos os fãs. Este mês, a liga esteve no tribunal federal de Los Angeles rechaçando uma ação coletiva movida por milhões de clientes que pagaram pelo Sunday Ticket, o serviço de assinatura da DirecTV que exibia todos os jogos fora do mercado aos domingos.

Os demandantes alegam que a NFL conspirou com a CBS e a Fox para inflacionar artificialmente o preço do serviço, que custava cerca de US$ 300 por temporada, porque as redes viam o Sunday Ticket como uma competição. Os demandantes argumentam que a NFL rejeitou ofertas para criar serviços mais baratos que permitiriam aos torcedores comprar jogos baseados em times. Eles pedem uma indenização de US$ 7 bilhões, que poderia ser triplicada de acordo com as leis antitruste. Isso poderia prejudicar significativamente os direitos anuais de mídia da liga, que agora valem mais de US$ 10 bilhões por ano.

Algumas empresas poderiam ter se contentado com muito menos para evitar o risco de ir a julgamento e enfrentar um júri imprevisível. Mas a NFL arriscou-se no tribunal porque quer – na verdade precisa – preservar o direito de fechar acordos exclusivos com a mídia em nome de todos os seus 32 times. O Congresso concedeu à NFL uma isenção para fazê-lo em 1961, e isso tem alimentado o crescimento da liga desde então.

A NFL é hoje um negócio de US$ 20 bilhões, e seu sucesso se deve em parte ao compartilhamento de seus acordos de direitos, que são divididos igualmente entre todos os 32 times. Essa fórmula ajuda times de pequenos mercados de mídia, como o Kansas City Chiefs, a competir por jogadores com times de Nova York.

“Este caso atinge o centro do esporte”, disse Robert Boland, professor de direito esportivo na Universidade Seton Hall. “A NFL se saiu tão bem sob sua proteção antitruste que o caso é uma prova de quão poderosa a NFL se tornou.”

O caso, que contou com depoimentos do comissário Roger Goodell e do proprietário do Dallas Cowboys, Jerry Jones, provavelmente será entregue ao júri esta semana. Repetidamente, o caso não correu bem para os demandantes. Na semana passada, o juiz Philip Gutierrez, numa rara exibição, advertiu-os por perderem tempo e complicarem o que ele disse que deveria ter sido um caso simples.

“A maneira como você tentou isso está longe de ser simples”, disse Gutierrez na última terça-feira. “Este caso se transformou em 25 horas de depoimentos e gobbledygook.”

O júri, é claro, pode ver as coisas de forma diferente. Se a NFL perder o caso, é provável que recorra, o que apenas prolongaria um caso que começou há quase uma década. Na época, o Sunday Ticket foi ao ar pela DirecTV, que transmite o serviço há quase 30 anos. Isto mudou para o YouTube TV no ano passado.

Seja como for, a sua existência diz muito não apenas sobre o domínio da NFL – de longe a maior liga desportiva em receitas anuais – mas também sobre como as expectativas dos fãs mudaram. Vivemos em um mundo de gratificação instantânea, onde os espectadores procuram assistir o que quiserem, quando quiserem, e muitas vezes por pouco ou nada.

À medida que milhões de telespectadores abandonaram a TV a cabo e via satélite e assinaram Netflix e Hulu ad hoc, a liga tentou encontrar os fãs onde eles estivessem, algo que os serviços de streaming também desejam. Vários jogos agora aparecem exclusivamente no Peacock, Amazon Prime e outras plataformas a cada temporada. O a resposta foi amplamente negativaem parte porque os fãs não querem ter que assinar tantos serviços de streaming apenas para obter jogos.

“Esta é uma época em que todo mundo diz: ‘Quero minhas coisas na hora certa, quando eu quiser’”, disse Phil de Picciotto, presidente e fundador da Octagon, uma empresa de marketing esportivo. “Mas isso é impossível para as empresas cumprirem”, disse ele. “O baixo custo vem com produtos de massa.”

A NFL não teve vergonha de defender o preço premium do Sunday Ticket no tribunal. A liga, disse Goodell, não queria prejudicar a CBS e a Fox, que pagavam bilhões de dólares cada uma pelos direitos de exibição dos jogos de domingo, que também eram transmitidos à DirecTV.

“Bem, acho que é um produto premium, principalmente porque você tem acesso a jogos adicionais”, disse Goodell no estande na semana passada. “E esse acesso – você sabe, pode impactar negativamente em nossas redes de transmissão, então as redes de transmissão estão muito preocupadas com o impacto sobre elas no alcance de um público mais amplo. Mas acho que é um produto premium porque acho que é um conteúdo incrível.”

Os demandantes apresentaram evidências de que a ESPN havia proposto reduzir o preço do Sunday Ticket para US$ 70 e vender pacotes para um único time. Goodell disse no depoimento que a liga rejeitou a oferta porque a ESPN teria combinado seu próprio conteúdo com os jogos da NFL, e não simplesmente mostrado os jogos como a DirecTV fez.

De certa forma, o negócio de transmissão de jogos evoluiu em relação aos detalhes em questão neste caso. O YouTube TV é totalmente online e as redes ainda podem transmitir seus jogos pelo ar.

Por outro lado, o YouTube também precisa recuperar seu investimento, para que os consumidores não obtenham necessariamente assinaturas superbaratas. O plano agora custa US$ 350 por ano, além da assinatura do YouTube TV.