A festa de despedida no quintal de Sally Buzbee, editora executiva recentemente falecida do The Washington Post, estava começando a terminar na noite de domingo, quando o jornal publicou uma investigação crítica sobre seu sucessor permanente.

A manchete: “Editor do Incoming Post vinculado ao autodenominado ‘ladrão’ que reivindicou papel em sua reportagem.”

O artigo focava Robert Winnett, o jornalista britânico prestes a assumir a redação do Post em novembro, e revelava suas ligações com um detetive particular que usava práticas antiéticas da mídia para conseguir grandes exclusividades. Ele observou que Winnett se recusou a comentar com os repórteres do Post – os mesmos que ele administrará em alguns meses.

A festa foi um gesto de despedida de Patty Stonesifer, que foi temporariamente presidente-executiva do Post no ano passado e é aliada próxima de Jeff Bezos, fundador da Amazon e proprietário do jornal. Como parte de seu trabalho, Stonesifer ajudou a recrutar o novo presidente-executivo permanente, Will Lewis, cuja reorganização da redação levou à renúncia de Buzbee.

Mas o próximo artigo contribuiu para um clima ocasionalmente estranho na festa, realizada na casa de Stonesifer, no bairro nobre de Cleveland Park, em Washington, e com a presença de editores seniores e executivos, de acordo com duas pessoas com conhecimento da festa.

Foi apenas o último momento desconfortável para o pessoal do The Post. Os funcionários têm sofrido nas últimas semanas com as sucessivas revelações sobre Lewis e Winnett, encarregados de transformar uma das principais organizações de notícias dos Estados Unidos. Um dia antes da festa, The New York Times relatado que o Sr. Lewis e o Sr. Winnett usaram registros roubados para artigos de jornais no início de suas carreiras na Grã-Bretanha. O Post se recusou a comentar esse artigo.

Na festa, Buzbee se levantou para fazer comentários depois que Stonesifer a encorajou a falar, disseram três pessoas presentes.

Buzbee disse que o Post representava responsabilizar pessoas e instituições poderosas – especialmente quando isso era difícil de fazer. Esse comentário, disseram as pessoas na festa, pareceu a alguns uma nota de elogio à cobertura agressiva do Post sobre Lewis e Winnett nas últimas duas semanas.

A edição da investigação de quase 3.000 palavras de domingo foi auxiliada por Cameron Barr, um ex-editor-chefe sênior que foi trazido de volta como consultor para ajudar a orientar a cobertura do Post sobre si mesmo. Matt Murray, que supervisiona temporariamente a redação do Post, disse aos editores na semana passada que se recusou a se envolver em um dos artigos do Post que o mencionava diretamente.

Uma porta-voz do Post disse que o jornal se cobriu “de forma independente, rigorosa e justa”, acrescentando que Lewis não teve nenhum papel na cobertura.

“Dados os conflitos percebidos e potenciais, pedimos ao ex-editor-chefe sênior Cameron Barr, que deixou esse cargo em 2023 e agora tem uma relação contratual como editor associado sênior, para supervisionar esta cobertura”, disse a porta-voz.

A turbulência no The Post começou no início deste mês, quando a Sra. Buzbee abruptamente resignado e Lewis anunciou que ela seria substituída temporariamente por Murray, ex-editor principal do The Wall Street Journal. Ao mesmo tempo, Lewis anunciou uma grande reestruturação da hierarquia editorial do Post, incluindo uma chamada terceira redação que se concentraria nas mídias sociais, inovação e jornalismo de serviços. De acordo com o plano, Murray comandaria a nova divisão após as eleições de novembro, quando Winnett assumiria o cargo de editor da principal cobertura noticiosa.

Lewis, que assumiu o cargo principal em janeiro, foi encarregado de tornar a publicação lucrativa novamente após vários anos de grandes perdas. Ele tem sido franco com a equipe sobre as dificuldades comerciais da empresa, incluindo uma queda de 50% na audiência desde 2020.

Dias após a saída da Sra. Buzbee, o The Times informou que ela e o Sr. entrou em conflito nas semanas que antecederam sua renúncia, sobre se o Post deveria cobrir o desenvolvimento de um caso judicial de escuta telefônica envolvendo o Sr. Lewis negou ter pressionado a Sra. Buzbee. Em seus comentários na festa de domingo, Buzbee disse que estava orgulhosa de sua conduta nas últimas semanas no jornal.

Além disso, um repórter da NPR divulgado que o Sr. Lewis já havia lhe oferecido uma entrevista exclusiva se ele parasse de cobrir o caso de escutas telefônicas. Lewis disse que teve uma conversa não oficial com o repórter, a quem descreveu como “um ativista, não um jornalista”.

A controvérsia que se desenrola perturbou muitos jornalistas do Post. Alguns discutiram entre si se Lewis e Winnett compartilham sua ética, disseram três pessoas familiarizadas com o assunto.

Na segunda-feira, Murray tentou reunir os editores do Post durante uma reunião matinal. Ele elogiou o artigo do jornal sobre Winnett e os incentivou a permanecerem focados no jornalismo, segundo duas pessoas familiarizadas com seus comentários.

Lewis já mudou alguns de seus planos. Esta semana ele deveria participar do Festival Internacional de Criatividade Cannes Lions, uma confusão brilhante no sul da França, onde anunciantes e grandes nomes da mídia se misturam tomando taças de rosé.

Lewis disse aos participantes selecionados que, como parte de sua visita, ele estava organizando um “jantar realmente glamoroso” em um restaurante sofisticado, La Colombe d’Or, que seria o melhor convite do ano e “daria o tom para o próxima semana.”

Na noite de domingo, os convidados receberam um e-mail conciso: O jantar estava cancelado.