O Sistema Solar foi formado há aproximadamente 4,6 bilhões de anos, quando a principal estrela da região estava se desenvolvendo. Em seguida, a Terra e todos os outros planetas começaram a se formar. A região mais estudada do espaço é justamente o Sistema Solar, afinal, é aqui que o nosso planeta habita, e existem diversos objetos cósmicos que podem ser minuciosamente pesquisados nessa região.

Ao todo, existem oito planetas no Sistema Solar, incluindo a Terra, além de centenas de luas e milhares de outros objetos cósmicos. Mas essa estrutura astronômica não é o limite do universo. Na verdade, existem bilhões de corpos celestes em diversos lugares muito além das fronteiras do nosso sistema — somos apenas parte da Via Láctea, porém, existem muitas outras galáxias.

Apenas a nossa região é considerada um Sistema Solar como conhecemos, mas os cientistas apontam que existem milhares de outras sistemas de estrelas semelhantes ao Sol que ‘abrigam’ planetas ao seu redor. Os sistemas também são parcialmente semelhantes em outras galáxias, como em Andrômeda; por enquanto, os pesquisadores acreditam que existam mais de 100 bilhões de galáxias.

“Um exoplaneta é qualquer planeta além do nosso sistema solar. A maioria orbita outras estrelas, mas exoplanetas flutuantes, chamados de planetas errantes, não estão ligados a nenhuma estrela. Confirmamos mais de 5.200 entre os bilhões de exoplanetas que acreditamos existir. A maioria dos exoplanetas descobertos até agora está em uma região relativamente pequena de nossa galáxia, a Via Láctea. Mesmo o exoplaneta mais próximo conhecido da Terra, Proxima Centauri b, continua a cerca de 4 anos-luz de distância”, a Administração Nacional da Aeronáutica e Espaço dos EUA (NASA) explica.

Há muito mais do que podemos imaginar além do Sistema Solar, afinal, o universo é considerado ‘infinito’ porque está em constante expansão. Para explicar um pouco mais sobre o que há depois do sistema, reunimos informações de artigos científicos e de especialistas da área.

As fronteiras do Sistema Solar

Os exoplanetas, ou planetas extrassolares, são quaisquer corpos celestes da categoria descobertos fora do Sistema Solar. Em 1995, o primeiro exoplaneta foi descoberto pelos cientistas Michel Mayor e Didier Queloz da Universidade de Genebra, na Suíça. Nomeado como 51 Peg b, ele está localizado na constelação de Pegasus, a aproximadamente 50 anos-luz de distância da Terra.

Além de planetas fora do Sistema Solar, há muitos asteroides, estrelas, luas e outros corpos celestes; tudo isso apenas na Via Láctea. Como já foi citado, podem existir bilhões de galáxias no cosmos; ou seja, há muito mais coisas que desconhecemos do que podemos evidenciar. Cada uma dessas galáxias possui diversos sistemas estelares que se estendem por medidas que também desconhecemos.

Além do nosso Sistema Solar, há uma imensidão novos planetas e objetos celestes para serem descobertos e estudados pela ciência.Além do nosso Sistema Solar, há uma imensidão novos planetas e objetos celestes para serem descobertos e estudados pela ciência.Fonte:  Getty Images 

Os astrônomos apontam que entre as galáxias há o meio intergaláctico, uma região permeada por gás e poeira cósmica; por vezes, também podem existir aglomerados de estrelas. O meio interestelar é semelhante, mas contém poeira, partículas, raios cósmicos e campos magnéticos no espaço entre os sistemas estelares de uma galáxia.

“Como os planetas são muito mais fracos do que as estrelas que orbitam, os planetas extrassolares são extremamente difíceis de detectar diretamente. De longe, a técnica mais bem sucedida para encontrar e estudar planetas extrassolares tem sido o método da velocidade radial, que mede o movimento das estrelas hospedeiras em resposta aos puxões gravitacionais dos seus planetas. Os astrônomos suíços Michel Mayor e Didier Queloz descobriram o primeiro planeta usando esta técnica, 51 Pegasi b, em 1995”, é descrito na enciclopédia Britannica.

A Nuvem de Oort é uma região no limite do Sistema Solar, localizada a aproximadamente um ano-luz do Sol.A Nuvem de Oort é uma região no limite do Sistema Solar, localizada a aproximadamente um ano-luz do Sol.Fonte:  Getty Images 

Desde que o primeiro exoplaneta foi descoberto em 1992, diversos astrônomos em todo o mundo detectaram mais de 5 mil outros corpos celestes fora do Sistema Solar. Com a evolução e o aumento da tecnologia espacial, é possível que os telescópios detectem mais objetos com características semelhantes nos próximos anos.

Alguns dos planetas encontrados apresentam características semelhantes às da Terra. Inclusiveos pesquisadores estão ativamente buscando qualquer tipo de vida extraterrestre, desde formas bacterianas até formas mais complexas — e a resposta pode estar justamente na busca por exoplanetas rochosos. De qualquer forma, a ciência ainda tem muito a aprender, pois há muito mais do que podemos imaginar além das fronteiras do Sistema Solar.

Gostou do conteúdo? Então, fique por dentro de mais curiosidades astronômicas aqui TecMundo. Se desejar, aproveite para entender como o primeiro cinturão de radiação foi descoberto além do Sistema Solar.



Source link