Quando o julgamento criminal de Donald J. Trump começou na sua sétima semana, a acusação e a defesa fizeram as suas propostas finais aos jurados, enviando o caso histórico para deliberações na quarta-feira.

Um advogado de defesa, Todd Blanche, passou três horas na terça-feira criticando Michael D. Cohen, a principal testemunha da acusação, inclusive acusando-o de perjúrio. Ele atacou Stormy Daniels, a estrela pornô cujo relato de um encontro amoroso com Trump em 2006 desencadeou as acusações que o ex-presidente enfrenta.

A promotoria respondeu com um resumo ainda mais longo e detalhado, avançando noite adentro. Um promotor, Joshua Steinglass, orientou os jurados através de resmas de evidências que eles apresentaram e obtiveram, incluindo depoimentos, e-mails, mensagens de texto e gravações.

Trump, 77 anos, é acusado de falsificando 34 registros comerciais para esconder o reembolso do Sr. Cohen por um pagamento secreto de US$ 130.000 que ele fez à Sra. Trump negou as acusações e o encontro sexual.

Assim que as deliberações começarem na quarta-feira, ninguém sabe quanto tempo levarão. Se for condenado, Trump – o presumível candidato presidencial republicano – poderá enfrentar prisão ou liberdade condicional.

Aqui estão cinco conclusões dos argumentos finais e do 21º dia de julgamento do Sr. Trump.

“A personificação humana da dúvida razoável.”

“Um MVP dos mentirosos”

“O maior mentiroso de todos os tempos.”

Essas foram as palavras que Blanche usou para descrever Cohen, dizendo que o ex-consertador e advogado de Trump tinha “um machado para moer” depois de ser preterido para um cargo na Casa Branca e se declarar culpado de acusações federais relacionadas ao pagamento de dinheiro secreto. .

O cálculo de Blanche foi simples: Cohen vinculou Trump ao pagamento de Daniels, dizendo que o ex-presidente o orientou a “apenas fazer”.

“O que o Sr. Trump sabia em 2016, você só sabe de uma fonte”, disse ele. “E esse é Michael Cohen.”

Se os jurados não acreditarem em Cohen, poderão ter dificuldade em considerar Trump culpado.

O Sr. Blanche procurou retratar a conduta no caso como sendo, em grande parte, um negócio como de costume e não um crime, incluindo o uso de um acordo de confidencialidade para silenciar a Sra. Daniels.

Blanche também sugeriu que não havia nenhuma evidência concreta de qualquer esforço indevido para influenciar a eleição.

“Não importa se houve uma conspiração para tentar ganhar uma eleição”, disse Blanche. “Toda campanha neste país é uma conspiração”, acrescentou, para eleger um candidato.

Na verdade, ele sugeriu que Trump foi vítima de comportamento equivalente a extorsão, inclusive por parte da Sra. Ele disse que a recompensa “terminou muito bem para a Sra. Daniels, financeiramente falando”.

Blanche chegou em 24 de outubro de 2016, telefonema que durou cerca de um minuto e meio. Nele, disse Cohen, ele discutiu a recompensa com Trump. Blanche sugeriu que Cohen cometeu perjúrio, sugerindo que a ligação era na verdade para o guarda-costas de Trump sobre pegadinhas que um adolescente havia pregado nele.

Steinglass, o promotor, teve uma resposta dramática: fingindo ser Cohen, Steinglass fingiu uma conversa na qual foi capaz de contar ao guarda-costas sobre a pegadinha e atualizar Trump. Demorou menos tempo do que o telefonema real.

Foi uma refutação contundente ao que foi um ponto alto para a defesa.

Steinglass abordou diretamente o foco da defesa nas falhas de Cohen, chamando-o de “insider definitivo” que tinha “informações úteis e confiáveis”.

“Eles querem defender Michael Cohen: não é”, disse Steinglass. “É sobre Donald Trump.”

No argumento final de Steinglass, ele se concentrou em contar uma história abrangente sobre fraude contra os eleitores americanos.

Ele argumentou que um acordo que Trump firmou com o The National Enquirer para comprar e enterrar histórias pouco lisonjeiras era uma “subversão da democracia” perpetuada por um “braço secreto” da campanha de Trump de 2016. Ele acrescentou que a fraude enganou os eleitores “de forma coordenada”, impedindo o povo americano de decidir por si mesmo se se importava com o fato de Trump dormir com uma estrela pornô ou não.

Os seus argumentos, destinados a refutar a minimização das alegações de fraude eleitoral por parte do Sr. Blanche, podem ser cruciais. Os promotores precisam demonstrar que os registros comerciais foram falsificados para esconder uma conspiração para influenciar as eleições de 2016.

O júri receberá instruções do juiz do caso, Juan M. Merchan, na manhã de quarta-feira.

Trump permanecerá no tribunal, ou nos arredores, assim como a enorme imprensa que invadiu o Edifício dos Tribunais Criminais de Manhattan. O júri se retirará para discutir o caso, talvez enviando notas pedindo ajuda do juiz ou pedindo a revisão das provas.

Então – salvo um júri empatado – um veredicto virá, trazendo uma celebração para Trump ou para os promotores de Manhattan. De qualquer forma, porém, o primeiro julgamento criminal de um presidente americano estará concluído.