As mortes de mais de mil peregrinos na Arábia Saudita durante o hajj colocaram em evidência um submundo de operadores turísticos ilícitos, contrabandistas e vigaristas que lucram com os muçulmanos desesperados para cumprir o seu dever religioso de viajar para Meca.

Enquanto os peregrinos registados são transportados pelos santuários em autocarros com ar condicionado e descansam em tendas com ar condicionado, os indocumentados ficam frequentemente expostos aos elementos, tornando-os mais vulneráveis ​​ao calor extremo. Alguns peregrinos deste ano descreveram ter visto pessoas desmaiando e passando por corpos na rua quando as temperaturas atingiram 120 graus ou mais.

No domingo, numa entrevista à televisão estatal, o ministro da saúde saudita, Fahd al-Jalajel, disse que 83 por cento das mais de 1.300 mortes ocorreram entre peregrinos que não tinham autorização oficial.

“O aumento das temperaturas durante a época do hajj representou um grande desafio este ano”, disse ele. “Infelizmente – e isso é doloroso para todos nós – aqueles que não tinham permissão para o hajj caminharam longas distâncias sob o sol.”

As observações de al-Jalajel ocorreram após dias de silêncio das autoridades sauditas sobre as mortes, durante o hajj, um ritual árduo e profundamente espiritual que os muçulmanos capazes são encorajados a realizar durante as suas vidas.

Com a participação de quase dois milhões de peregrinos todos os anos, muitos deles idosos ou doentes, não é invulgar que pessoas morram de stress térmico, doenças ou doenças crónicas, e a Arábia Saudita não divulga regularmente essas estatísticas. Portanto, não está claro se o número de mortes este ano foi incomum. No ano passado, 774 peregrinos morreram só da Indonésiae em 1985, mais de 1.700 pessoas morreram nos arredores dos locais sagrados, a maioria delas devido ao estresse térmico, um estudar na época encontrada.

Mas como muitos dos peregrinos que morreram este ano realizavam a peregrinação sem documentação oficial, as suas mortes expuseram o submundo dos operadores turísticos não licenciados, contrabandistas e vigaristas que se aproveitam dos peregrinos desesperados para realizar o hajj, ajudando-os a fugir aos regulamentos.

“Há muita ganância em torno deste negócio”, disse Iman Ahmed, coproprietário da El-Iman Tours no Cairo.

Ahmed disse que se recusou a enviar peregrinos não registrados em pacotes de hajj, mas que outros operadores turísticos egípcios e corretores sauditas ganharam muito dinheiro com isso.

Mais de 1,8 milhão de peregrinos registraram-se oficialmente para o hajj este ano. Mas cerca de 400 mil pessoas tentaram fazer a viagem sem os documentos exigidos, disse um alto funcionário saudita. contado a agência de notícias Agence France-Presse, falando sob condição de anonimato. Isso significaria que quase um em cada cinco peregrinos deste ano contornou as restrições do reino, incluindo um cordão de segurança em torno de Meca que é fechado semanas antes do hajj.

Vários países que registaram um grande número de mortes de peregrinos agiram rapidamente para resolver as consequências nos últimos dias.

No Egipto, as autoridades disseram que iriam revogar as licenças de 16 empresas que emitiram vistos “não oficiais” a peregrinos esperançosos, sem lhes fornecerem serviços adequados.

Na Tunísia, que contabilizou mais de 50 pessoas entre os mortos, o presidente demitiu na sexta-feira o ministro de assuntos religiosos do país.

E na Jordânia, que registou a morte de pelo menos 99 peregrinos, o Ministério Público abriu uma investigação sobre as rotas ilegais do hajj e as pessoas que lucram com elas.

Em entrevistas ao The New York Times, operadores turísticos de hajj, peregrinos e familiares dos mortos disseram que o número de peregrinos indocumentados parece ter sido impulsionado pelo crescente desespero económico em países como o Egipto e a Jordânia. Um pacote oficial de hajj pode custar mais de US$ 5.000 ou US$ 10.000, dependendo do país de origem do peregrino – muito além das possibilidades de muitos que desejam fazer a viagem.

Mas também descreveram lacunas facilmente exploradas nas regulamentações da Arábia Saudita que permitiam que peregrinos indocumentados viajassem para o reino com um visto de turista ou visitante várias semanas antes do hajj. Assim que chegam, encontram uma rede de corretores e contrabandistas ilegais que oferecem os seus serviços, pegam o seu dinheiro e por vezes abandonam-no à própria sorte, disseram.

As autoridades sauditas não responderam a um pedido de comentário.

Entre os que caíram nessa armadilha estava Safaa al-Tawab, da cidade egípcia de Luxor.

Al-Tawab, 55 anos, não conseguiu obter uma autorização de hajj, mas encontrou uma empresa de turismo egípcia que se ofereceu para levá-la por cerca de US$ 3 mil, disse seu irmão, Ahmed al-Tawab.

Ele disse que ela não entendeu que estava violando as regras quando viajou para a Arábia Saudita no mês passado.

Depois de chegar, ela contou aos familiares que tinha sido colocada em alojamentos inadequados e impedida de sair de casa pelo operador turístico. Embora a empresa tenha prometido fornecer ônibus com ar-condicionado para transportar os peregrinos ao redor de Meca, ela se viu caminhando quilômetros ao sol para chegar aos locais sagrados, disse al-Tawab.

Sua irmã morreu no meio da peregrinação, mas quando ele contatou a empresa de turismo, ela lhe garantiu que ela estava bem. Quando o representante da empresa soube que seus parentes sabiam de sua morte, ele desligou o telefone, disse al-Tawab.

“Os peregrinos foram enganados”, disse Mahmoud Qassem, membro do Parlamento egípcio, num pedido de informações a funcionários do governo.

“Eles os deixaram sozinhos para enfrentar seu próprio destino”, disse Qassem sobre as empresas de turismo.

O relatório foi contribuído por Hager ElHakeem, Rana F. Sweis, Zia ur-Rehman, Saif Hasnat, Mujib Mashal, Safak Timur, Aida Alami e Muktita Suhartono.