Na semana desde que os militares e aliados dos EUA anexaram um cais temporário à costa de Gaza, os planeadores do Pentágono ficaram cara a cara com o pesadelo logístico que os críticos tinham avisado que acompanharia o esforço.

O Departamento de Defesa previu que um fluxo constante de ajuda humanitária já chegaria a Gaza através do cais, mas pouca ajuda chegou aos palestinos na faixa sitiada, reconheceram as autoridades esta semana. Vários camiões foram saqueados quando se dirigiam para um armazém, disse o Programa Alimentar Mundial da ONU, e a complexidade de operar o projecto do cais numa zona de guerra continua a abrandar a distribuição.

Os problemas, como esperado, estão no back-end da operação. A pilhagem de camiões de ajuda humanitária continuou, disseram as autoridades, e forçou o Programa Alimentar Mundial a suspender as operações por dois dias. A agência da ONU para os refugiados palestinos, UNRWA, suspendeu a distribuição de alimentos em Rafah na terça-feira, alegando falta de segurança. Acrescentou que não recebeu quaisquer suprimentos médicos durante 10 dias devido aos encerramentos e interrupções nas passagens de fronteira de Rafah e Kerem Shalom.

Sempre se esperou que o projeto fosse difícil. Por um lado, a política da Casa Branca não permite que tropas dos EUA estejam no terreno em Gaza. Assim, o Pentágono tem a capacidade de iniciar mas não terminar a missão, uma situação que um analista militar comparou a ter o motor de um carro, mas não as rodas.

À medida que o projecto do cais luta para avançar, a situação em Gaza torna-se mais terrível a cada dia. Mais de 34 mil pessoas morreram e mais de 77 mil ficaram feridas, segundo autoridades de saúde do território. O número de vítimas só aumentará à medida que Israel expande sua operação em Rafahno sul de Gaza.

Karim Khanprocurador-chefe do Tribunal Penal Internacional, acusou o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu de Israel e o ministro da Defesa, Yoav Gallant, na segunda-feira, por causarem “a fome como método de guerra, incluindo a negação de fornecimentos de ajuda humanitária, visando deliberadamente civis em conflito”. Os israelenses negaram veementemente as acusações.

Mas muitos habitantes de Gaza estão a passar uma fome imensa, dizem grupos de ajuda humanitária. Os palestinos retiraram ajuda à força de caminhões, o que, segundo autoridades da ONU, reflete o desespero das pessoas que tentam alimentar a si mesmas e às suas famílias. Os grupos de ajuda humanitária e as Nações Unidas também atribuíram a culpa da crise da fome aos comerciantes do mercado negro, que apreenderam os fornecimentos para vender a preços inflacionados.

É extremamente difícil distribuir ajuda sem escolta policial para proteger os comboios de enxames de pessoas, dizem a UNRWA e responsáveis ​​dos EUA.

O projecto do cais é a tentativa da administração Biden de aliviar parte do sofrimento humanitário em Gaza. O major-general Patrick S. Ryder, porta-voz do Pentágono, descreveu o processo na terça-feira como uma “abordagem crawl-walk-run”.

Presidente Biden anunciou o projeto durante o seu discurso sobre o Estado da União em Março, entre avisos de que Gaza estava à beira da fome. O Pentágono construiu e montou o cais ao lado de um navio do Exército ao largo da costa, com o envolvimento de cerca de 1.000 soldados americanos, disseram autoridades norte-americanas. Está ligado ao centro de Gaza. Na sexta-feira, os caminhões de primeiros socorros começaram a desembarcar.

Até agora, porém, a operação ficou aquém do seu objectivo de trazer 90 camiões por dia e, eventualmente, aumentar para 150 camiões. Dez camiões entraram no armazém do Programa Alimentar Mundial na sexta-feira, disse a agência, mas no sábado, 11 dos 16 camiões foram saqueados. As operações foram suspensas por dois dias. Na terça chegaram 17 caminhões e na quarta 27.

O Pentágono chama o projecto JLOTS, para logística conjunta ao longo da costa, uma capacidade que tem utilizado para ajuda humanitária na Somália, Kuwait e Haiti.

Oficiais militares que trabalharam em esforços anteriores dizem que distribuir ajuda humanitária aos necessitados é mais difícil do que criar infra-estruturas.

“Construir um cais e levar suprimentos para o cais e para a costa é uma coisa”, disse Rabih Torbay, presidente da organização humanitária Project Hope, numa entrevista. “Colocar a logística em prática para levar a ajuda aos locais que mais precisam dela é um jogo completamente diferente, e é aí que entra em jogo a falta de planeamento e coordenação.”

Paul D. Eaton, um major-general reformado, estava na Somália em 1993, quando os militares dos EUA construíram um cais para entregar ajuda humanitária aos civis apanhados na guerra naquele país. Cerca de quatro batalhões de infantaria leve do Exército – 2.000 soldados – estavam no terreno para ajudar na passagem da ajuda, disse o general Eaton em uma entrevista.

“Os navios com ajuda humanitária entregavam no porto, que controlávamos absolutamente, e depois os camiões eram carregados”, disse. “E então colocamos forças armadas – tropas armadas americanas – nos veículos para proteger os motoristas.”

Ele acrescentou: “Os suprimentos chegaram em um ambiente protegido, foram carregados em um ambiente protegido e transportados em um ambiente protegido até o local de uso final”.

Isso não está acontecendo em Gaza.

O Programa Alimentar Mundial alertou na terça-feira que o projecto do cais poderia falhar se Israel não fizesse mais para garantir a distribuição segura da ajuda. A agência suspendeu as entregas no cais depois que os caminhões de ajuda foram saqueados e um homem palestino foi morto.

Embora alguns alimentos e bens comerciais tenham entrado em Gaza nos últimos dias, poucas pessoas no enclave devastado pela guerra podem comprá-los depois de meses de guerra sem rendimentos regulares. A crise monetária aumentou a importância da ajuda aos empobrecidos habitantes de Gaza.

Abeer Etefa, porta-voz do Programa Alimentar Mundial, disse que a chave para superar o impasse da ajuda era receber a permissão de Israel para entregar mercadorias em rotas alternativas. Novas rotas foram utilizadas na terça e quarta-feira e os comboios chegaram aos seus destinos sem incidentes, disse ela.

Os fracassos iniciais do projecto do cais reforçaram as críticas de alguns diplomatas, que afirmaram que a iniciativa era demasiado cara e ineficiente.

Funcionários do Pentágono queixaram-se privadamente de que a administração Biden apresentou o projecto do cais com pouca consulta aos militares, que tiveram de construir e operar o empreendimento no Mediterrâneo. As autoridades de defesa se esforçaram para colocar o plano em prática depois de estimar que levaria dois meses para ser concluído.

Mesmo que todos os problemas sejam resolvidos, a operação marítima ainda seria menos eficiente do que uma rota terrestre, dizem as organizações humanitárias. Se o projecto atingir o seu objectivo de transportar 150 camiões por dia, as remessas de alimentos e outros fornecimentos ainda ficariam aquém do que os grupos de ajuda dizem ser necessário para uma população devastada pela guerra.

Os trabalhadores humanitários descreveram gargalos nas remessas nas passagens de fronteira causados ​​por longas inspeções de caminhões, horários de funcionamento limitados e protestos de israelenses. As autoridades israelitas negam que estejam a dificultar o fluxo de ajuda, culpando as Nações Unidas pelos atrasos.

“Ainda não existe um processo e uma arquitectura estabelecidos para a entrega de ajuda em Gaza”, disse o General Joseph Votel, antigo comandante do Comando Central dos EUA.

“Esta é responsabilidade da comunidade de ajuda internacional e das FDI”, disse ele, referindo-se às Forças de Defesa de Israel. “Esta ainda é uma zona de combate.”