Membros das forças armadas da Bolívia reunidos na quarta-feira em frente ao palácio presidencial, o presidente do país, Luis Arce, disse na plataforma de mídia social Xno que parecia ser uma tentativa de um general de assumir o controle do prédio do governo.

Ex-presidente Evo Morales afirmou que um “golpe”, estava em andamento.

“Neste momento, pessoal das Forças Armadas e tanques estão estacionados na Plaza Murillo”, disse ele nas redes sociais. “Vamos convocar os movimentos sociais do campo e da cidade para defenderem a democracia.”

Parado na porta do palácio na tarde de quarta-feira e cercado por membros das forças armadas, o general Juan José Zúñiga afirmou que o Exército, a Aeronáutica e a Marinha bolivianos estavam “mobilizados”.

“A força policial também está conosco”, disse ele em La Paz, a capital administrativa do país.

Os ministros estavam realizando uma reunião lá dentro quando os militares chegaram. No X, Arce, um esquerdista e sucessor escolhido a dedo de Morales, denunciou o esforço.

“A democracia deve ser respeitada”, disse ele. Inicialmente não estava claro se Arce estava no palácio.

A mídia local informou que o general Zuñiga foi demitido de seu cargo esta semana, o que algumas pessoas no país acreditaram ser comentários relacionados que ele fez sobre Morales.