A Estação Espacial Internacional (ISS) tem sido a casa dos humanos no espaço há mais de 20 anos. Astronautas de diversas nacionalidades, incluindo russos, utilizam o laboratório espacial para estudar temas relacionados ao ambiente espacial. Assim como todas as coisas na vida, a ISS também tem previsão de acabar e, infelizmente, não deve demorar muito até que suas operações sejam finalizadas por completo.

Recentemente, a Administração Nacional da Aeronáutica e Espaço dos Estados Unidos (NASA) anunciou que a SpaceX, do bilionário Elon Musk, foi escolhida para desenvolver a tecnologia que levará à destruição da ISS. Nomeado Deorbit, o veículo desenvolvido pela companhia de Musk será acoplado à estação para movê-la em direção à Terra — mas calma, o laboratório espacial não cairá na cabeça das pessoas.

A nova missão destruirá a Estação Espacial Internacional, levando-a a cair na órbita do planeta; o objetivo é trazê-la com segurança para o ‘cemitério’ de naves espaciais localizado no Oceano Pacífico. O veículo construído pela SpaceX empurrará todo o peso de mais de 400 toneladas da ISS. Provavelmente, a maioria da estrutura será desintegrada durante a reentrada na atmosfera, mas o restante dos destroços deve cair no oceano.

“A seleção de um veículo de órbita dos EUA para a Estação Espacial Internacional ajudará a NASA e seus parceiros internacionais a garantir uma transição segura e responsável na órbita baixa da Terra no final das operações da estação. Esta decisão também apoia os planos da NASA para futuros destinos comerciais e permite o uso contínuo do espaço perto da Terra. O laboratório orbital continua a ser um modelo para a ciência, exploração e parcerias no espaço para o benefício de todos”, disse o administrador associado da NASA, Ken Bowersox, em um comunicado oficial.

A intenção da NASA é manter as atividades da ISS até meados de 2030, pois após esse período, a estação não estará mais segura para continuar suas operações na órbita da Terra. Os especialistas explicam que grande parte da tecnologia pode ser reparada ou substituída, mas a estrutura primária da ISS não permite reparos ou substituições. Por isso, ela será completamente substituída após a data limite.

A História da Estação Espacial Internacional

O design da estação foi desenvolvido entre 1984 e 1993, mas a construção iniciou-se apenas em 1998. Embora a NASA seja a maior agência responsável pelo laboratório espacial, o desenvolvimento foi realizado em parceria com os governos dos Estados Unidos, Rússia, Canadá, Japão e Europa. Foi somente no final dos anos 2000, em 2 de novembro, que os primeiros astronautas embarcaram na estação, sendo eles: Yuri Gidzenko, Sergei Krikalev e William ‘Bill’ McMichael Shepherd.

A NASA pagará US$ 843 milhões (cerca de R$ 4,6 bilhões na cotação atual) à SpaceX para trazer a Estação Espacial Internacional (imagem) de volta à Terra.A NASA pagará US$ 843 milhões (cerca de R$ 4,6 bilhões na cotação atual) à SpaceX para trazer a Estação Espacial Internacional (imagem) de volta à Terra.Fonte:  NASA 

A NASA está há mais de 20 anos realizando expedições contínuas na ISS e, apesar de ter começado muito pequena, o laboratório já tem o tamanho de um campo de futebol. Até o momento, foram realizadas cerca de 60 expedições com a participação de mais de 240 astronautas de 21 países, incluindo o Brasil.

Linha de tempo da ISS

  • Em 1998, a NASA lança o primeiro instrumento da ISS ao espaço: o módulo de controle Zarya. O envio foi realizado em uma nave russa;
  • Em 2000, os três primeiros astronautas pisam no chão da estação; dois russos e um norte-americano;
  • Em 2001, os Estados Unidos enviam o módulo de laboratório a ISS;
  • Em 2008, os laboratórios da Agência Espacial Europeia (ESA) e da Agência Japonesa de Exploração Aeroespacial (JAXA) são acoplados na ISS;
  • Em 2009, a Estação Espacial Internacional se tornou completamente funcional;
  • Em 2010, as agenciais espaciais comemoraram 10 anos desde que os primeiros astronautas pisaram na estação;
  • Em 2028, a SpaceX deve iniciar o processo de desativação;
  • A previsão é que, até 2030, a ISS seja totalmente desativada;
  • Em 2031, a Estação Espacial, será ‘derrubada’ no Oceano Pacífico.

Ao reentrar na atmosfera da Terra, a ISS poderá ser parcial ou totalmente destruída pelo impacto.

A jornada no espaço continua

Até 2030, a NASA ainda realizará diversas missões que incluem visitas a ISS. Mas o que os entusiastas da área mais esperam é o retorno da civilização humana ao nosso satélite natural. Em setembro de 2025, a agência espacial planeja enviar a nave tripulada Artemis II para uma missão ao redor da Lua.

Originalmente, a missão tripulada de retorno à superfície da Lua seria realizada em 2025, mas a missão foi adiada para 2026.Originalmente, a missão tripulada de retorno à superfície da Lua seria realizada em 2025, mas a missão foi adiada para 2026.Fonte:  NASA 

Pouco depois, em setembro de 2026, a missão Artemis III será lançada para retornar com astronautas à superfície lunar. Em 2028, a Artemis IV pode se tornar a primeira missão a estabelecer uma estação na Lua.

Atualmente, a NASA utiliza o ambiente apenas para pesquisas científicas, mas a próxima estação espacial também será utilizada para fins comerciais. Nomeada de Axiom, a ‘próxima ISS’ promete dobrar o espaço utilizável da atual; o primeiro módulo está previsto para ser enviado em 2026 e o segundo em 2027 — o projeto está sendo desenvolvido pela empresa privada Axiom Space.

Provavelmente, a Axiom Station não será a única estação comercial a ser construída nos próximos anos. Talvez, ela seja a primeira após a dissolução da ISS, mas ainda não há previsão para o término da sua construção.

Fique por dentro de mais curiosidades sobre espaço e astronomia aqui TecMundo. Se desejar, aproveite para entender como a NASA produziu gás quântico na Estação Espacial Internacional pela primeira vez. Até a próxima!



Source link