Alguns jatos Boeing e Airbus fabricados recentemente têm componentes feitos de titânio que foram vendidos com base em documentação falsa que verifica a autenticidade do material, segundo um fornecedor dos fabricantes de aviões, levantando preocupações sobre a integridade estrutural desses aviões.

Os documentos falsificados estão sendo investigados pela Spirit AeroSystems, que fornece fuselagens para a Boeing e asas para a Airbus, bem como pela Administração Federal de Aviação. A investigação ocorre depois que um fornecedor de peças encontrou pequenos buracos no material devido à corrosão.

Em comunicado, a FAA disse que estava investigando a extensão do problema e tentando determinar as implicações de segurança de curto e longo prazo para os aviões fabricados com essas peças. Não está claro quantos aviões possuem peças feitas com material questionável.

“A Boeing relatou uma divulgação voluntária à FAA sobre a aquisição de material através de um distribuidor que pode ter falsificado ou fornecido registros incorretos”, disse o comunicado. “A Boeing emitiu um boletim descrevendo maneiras pelas quais os fornecedores devem permanecer alertas ao potencial de registros falsificados.”

A revelação surge num momento de intenso escrutínio da Boeing e da indústria da aviação em geral, que está a sofrer uma série de acidentes e questões de segurança. Em janeiro, um painel de porta explodiu um jato Boeing 737 Max 9 durante o voo, gerando diversas investigações federais. Em abril, a Boeing informou à FAA sobre um episódio separado envolvendo registros de inspeção potencialmente falsificados relacionados às asas dos aviões 787 Dreamliner. A Boeing informou à FAA que poderia ter ignorado as inspeções exigidas envolvendo as asas do jato e que precisaria reinspecionar alguns dos Dreamliners ainda em produção.

Em 30 de maio, Boeing submetido um plano para a FAA descrevendo as melhorias de segurança que planejava fazer e comprometeu-se com reuniões semanais com a agência. Dave Calhoun, presidente-executivo da Boeing, deve testemunhar na terça-feira perante um painel do Senado sobre questões de segurança da empresa.

A utilização de titânio potencialmente falso, que não foi reportada anteriormente, ameaça alargar os problemas da indústria para além da Boeing e abranger a Airbus, o seu concorrente europeu. Os aviões que incluíam componentes feitos com o material foram construídos entre 2019 e 2023, entre eles alguns aviões Boeing 737 Max e 787 Dreamliner, além de jatos Airbus A220, segundo três pessoas familiarizadas com o assunto que falaram sob condição de anonimato porque não estavam autorizados a falar publicamente. Não está claro quantos desses aviões estão em serviço ou quais companhias aéreas os possuem.

A Spirit está tentando determinar de onde veio o titânio, se ele atende aos padrões adequados, apesar de sua documentação falsa, e se as peças feitas com o material são estruturalmente sólidas o suficiente para resistir durante a vida útil projetada dos jatos, disseram funcionários da empresa. A Spirit disse que estava tentando determinar a maneira mais eficiente de remover e substituir as peças afetadas, caso isso fosse necessário.

“Trata-se de documentos que foram falsificados, falsificados e falsificados”, disse Joe Buccino, porta-voz do Spirit. “Assim que percebemos que o titânio falsificado havia entrado na cadeia de abastecimento, imediatamente contivemos todas as peças suspeitas para determinar a extensão dos problemas.”

O titânio em questão tem sido usado em diversas peças de aeronaves, segundo funcionários da Spirit. Para o 787 Dreamliner, isso inclui a porta de entrada dos passageiros, as portas de carga e um componente que conecta os motores à fuselagem do avião. Para o 737 Max e o A220, as peças afetadas incluem um escudo térmico que protege um componente, que conecta o motor do jato à estrutura, do calor extremo.

A Boeing e a Airbus disseram que os testes dos materiais afetados até agora não mostraram sinais de problemas.

A Boeing disse que comprou diretamente a maior parte do titânio usado na produção de seus aviões, portanto a maior parte de seu fornecimento não foi afetada.

“Este problema em toda a indústria afeta algumas remessas de titânio recebidas por um conjunto limitado de fornecedores, e os testes realizados até o momento indicaram que foi usada a liga de titânio correta”, disse a Boeing em comunicado. “Para garantir a conformidade, estamos removendo todas as peças afetadas dos aviões antes da entrega. Nossa análise mostra que a frota em serviço pode continuar a voar com segurança.”

A Airbus também afirmou que “a aeronavegabilidade do A220 permanece intacta”.

“Numerosos testes foram realizados em peças provenientes da mesma fonte de fornecimento”, disse uma porta-voz da Airbus num comunicado, acrescentando: “A segurança e a qualidade das nossas aeronaves são as nossas prioridades mais importantes, e estamos a trabalhar em estreita colaboração com os nossos fornecedor.”

A Agência da União Europeia para a Segurança da Aviação disse em comunicado que abriu uma investigação sobre o material depois de tomar conhecimento dos problemas de rastreabilidade através dos seus homólogos em Itália. Um porta-voz da agência disse que a investigação está em andamento e ainda não encontrou evidências de um problema de segurança imediato.

“No entanto, a agência investigará mais detalhadamente a causa raiz do problema de rastreabilidade dos documentos e continuará monitorando de perto quaisquer novos desenvolvimentos que possam levar a uma potencial condição insegura na frota”, disse o comunicado.

A Spirit sofreu com problemas de qualidade e problemas financeiros nos últimos anos, e foi alvo de novo escrutínio este ano, após o episódio de janeiro envolvendo o painel da porta do 737 Max, cuja fuselagem ela fabrica.

O problema ilustra a complexa cadeia de abastecimento global utilizada na produção de aviões modernos, e a história do que parece ter corrido mal envolve empresas na China, Itália, Turquia e Estados Unidos.

O problema parece remontar a 2019, quando um fornecedor turco de materiais, a Turkish Aerospace Industries, comprou um lote de titânio de um fornecedor na China, segundo pessoas familiarizadas com o assunto. A empresa turca vendeu então esse titânio para várias empresas que fabricam peças de aeronaves, e essas peças foram para a Spirit, que as utilizou em aviões Boeing e Airbus.

Em dezembro de 2023, uma empresa italiana que comprou o titânio da Turkish Aerospace Industries notou que o material parecia diferente do que a empresa normalmente recebia. A empresa Titanium International Group também descobriu que os certificados que acompanhavam o titânio pareciam inautênticos.

A Turkish Aerospace Industries não respondeu a um pedido de comentário.

A Spirit começou a investigar o assunto e a empresa notificou a Boeing e a Airbus em janeiro de que não conseguia verificar a origem do titânio usado na fabricação de certas peças. O Titanium International Group disse à Spirit que, quando comprou o material em 2019, não tinha ideia de que a papelada havia sido falsificada, segundo funcionários da Spirit.

Francesca Conti, gerente geral do Titanium International Group, disse que o episódio estava sob investigação e que não poderia fornecer detalhes adicionais. “Estamos cooperando com as autoridades relevantes para resolver qualquer problema eventualmente identificado”, disse ela por e-mail.

Os documentos em questão são conhecidos como certificados de conformidade. Eles servem como uma certidão de nascimento do titânio, detalhando sua qualidade, como foi feito e de onde veio, disseram autoridades da Spirit.

Pessoas familiarizadas com a situação disseram que aparentemente um funcionário da empresa chinesa que vendeu o titânio falsificou os detalhes dos certificados, escrevendo que o material veio de outra empresa chinesa, a Baoji Titanium Industry, uma empresa que frequentemente fornece titânio verificado. A Baoji Titanium confirmou posteriormente que não havia fornecido o titânio. A origem do titânio permanece obscura.

“A Baoji Titanium não sabe sobre a empresa e não tem negócios com ela”, disse a empresa em comunicado ao The New York Times.

Sem saber de onde veio o material ou como foi manuseado, é impossível verificar a aeronavegabilidade das peças, disse Gregg Brown, vice-presidente sênior de qualidade global da Spirit.

“Nosso processo de gestão de qualidade depende da rastreabilidade das matérias-primas desde as fábricas”, disse o Sr. Brown. “Houve uma perda de rastreabilidade nesse processo e um desafio de documentação.”

Autoridades da Spirit disseram que começaram a testar peças de titânio para garantir que material de qualidade para aviação fosse usado. A empresa está testando componentes que ainda estão em estoque e que estão em fuselagens não entregues.

Até agora, os testes da Spirit confirmaram que o titânio é o tipo apropriado para os fabricantes de aviões. Mas a empresa não conseguiu confirmar se o titânio foi tratado através do processo aprovado de fabricação de aviões. O material passou em alguns dos testes de materiais realizados, mas falhou em outros.

Buccino, porta-voz da Spirit, disse que a empresa está trabalhando com os clientes para identificar os aviões afetados. As aeronaves que já estão em serviço serão monitoradas pelas companhias aéreas e retiradas de serviço mais cedo do que o normal, se necessário, disse ele. O mais provável, disse ele, é que as peças afetadas sejam removidas durante as verificações de manutenção de rotina, independentemente de o titânio estar correto.

Olivia Wang contribuiu com reportagens de Hong Kong. Kitty Bennet contribuiu com pesquisas.