A administração Biden anunciou uma série de novas sanções financeiras na quarta-feira com o objetivo de interromper os laços tecnológicos de rápido crescimento entre a China e a Rússia que as autoridades americanas acreditam estar por trás de um amplo esforço para reconstruir e modernizar as forças armadas da Rússia durante a guerra com a Ucrânia.

As ações foram anunciadas no momento em que o presidente Biden deixava o país para uma reunião em Itália do Grupo das 7 economias industrializadas, onde um esforço renovado para degradar a economia russa estará no topo da sua agenda.

O esforço tornou-se muito mais complicado nos últimos seis ou oito meses depois de a China, que anteriormente tinha estado em grande parte à margem, ter aumentado os seus envios de microchips, sistemas ópticos para drones e componentes para armamento avançado, disseram autoridades norte-americanas. Mas até agora Pequim parece ter acatado o aviso de Biden contra o envio de armas para a Rússia, mesmo enquanto os Estados Unidos e a NATO continuam a armar a Ucrânia.

Ao anunciar as novas sanções, a secretária do Tesouro, Janet L. Yellen, disse num comunicado que “a economia de guerra da Rússia está profundamente isolada do sistema financeiro internacional, deixando os militares do Kremlin desesperados por acesso ao mundo exterior”.

No centro das novas medidas está uma expansão das sanções “secundárias” que dão aos Estados Unidos o poder de colocar na lista negra qualquer banco em todo o mundo que faça negócios com instituições financeiras russas que já enfrentam sanções. Isto destina-se a dissuadir os bancos mais pequenos, especialmente em lugares como a China, de ajudar a Rússia a financiar o seu esforço de guerra.

O Departamento do Tesouro também impôs restrições à bolsa de valores de Moscovo na esperança de impedir que investidores estrangeiros apoiassem as empresas de defesa russas. As sanções atingiram várias empresas chinesas acusadas de ajudar a Rússia a obter acesso a equipamentos militares críticos, como eletrónica, lasers e componentes de drones.

Embora as medidas expandam o alcance do programa de sanções dos EUA, a administração Biden evitou até agora impor sanções aos bancos chineses ou europeus que acredita estarem a ajudar a Rússia. As novas medidas não impedem os bancos de facilitarem transações relacionadas com as exportações de energia da Rússia, que a administração Biden permitiu continuar devido à preocupação de que a sua restrição pudesse alimentar a inflação.

Biden já tentou antes sufocar o fornecimento e o financiamento à Rússia e sobrestimou os seus efeitos. Em Março de 2022, pouco depois do início da guerra, anunciou uma ronda inicial de acções financeiras e declarou: “Como resultado destas sanções sem precedentes, o rublo é quase imediatamente reduzido a escombros”. Não era. Após uma breve queda, recuperou e, embora hoje não esteja tão forte como há um ano, a economia russa tem vindo a crescer devido à força do crescimento relacionado com a guerra.

Muito disso se deve ao esforço da China. Tem comprado petróleo russo, muitas vezes com desconto em relação aos preços mundiais. E aumentou a sua venda de bens de dupla utilização, especialmente a microelectrónica e o software necessários para fabricar sistemas de armas, drones e defesas aéreas.

O resultado foi a ascensão de uma economia de guerra algo paralela envolvendo a Rússia, a China, o Irão e a Coreia do Norte. Muitas das empresas sujeitas a sanções estão em Hong Kong ou mesmo na fronteira com Shenzhen, o centro de produção de tecnologia da China. No entanto, os responsáveis ​​da administração insistem que desta vez poderão sufocar o que se tornou uma relação comercial cada vez mais profunda.

Os Estados Unidos já impuseram sanções a mais de 100 entidades chinesas que têm ajudado a Rússia, mas até agora pouco fizeram para dissuadir as empresas chinesas ou o governo.

Ao anunciar novas restrições às empresas chinesas, a administração Biden também espera estimular os governos europeus e possivelmente os aliados asiáticos a tomarem medidas semelhantes.

O Secretário de Estado Antony J. Blinken discutiu a questão com os seus homólogos europeus numa reunião no mês passado em Praga da Organização do Tratado do Atlântico Norte, e as autoridades dos EUA pretendem colocá-la na agenda de uma cimeira de líderes em Washington, em Julho. Espera-se que essa cimeira da NATO inclua não só os líderes dos países membros, mas também os chefes de estado do Japão, Coreia do Sul, Nova Zelândia e Austrália – aliados americanos na Ásia que fazem parte de uma coligação liderada por Washington que visa combater as forças militares da China. acumular.

Blinken também alertou o governo chinês de que não pode esperar ter uma relação amigável com as potências europeias se apoiar a indústria de defesa russa.

Numa conferência de imprensa em Praga, no dia 31 de Maio, Blinken disse que embora a China se tenha abstido de fornecer armas à Rússia, como fizeram a Coreia do Norte e o Irão, as empresas chinesas estão a exportar “insumos essenciais que permitiram à Rússia acelerar a sua própria produção de armas nucleares”. tanques, de mísseis, de granadas.”

Ele observou que 70% das máquinas-ferramentas que a Rússia importa vêm da China, assim como 90% da microeletrônica.

“Ouvi hoje aliado após aliado manifestar a sua profunda preocupação sobre isto, e isso apenas tornou ainda mais claro para mim o que partilhei com os seus homólogos chineses em Pequim: a China não pode esperar, por um lado, melhorar as relações com os países da Europa, enquanto, por outro, lado alimentando a maior ameaça à segurança europeia desde o fim da Guerra Fria”, disse ele.