A cada dia que passa mais pessoas estão aderindo ao uso de VPN, seja por conta de uma viagem para outro país ou para acessar conteúdo disponível apenas em uma região do globo. Porém, para aproveitar ao máximo o que essas plataformas têm a oferecer, é preciso conhecer alguns dos principais termos associados à tecnologia.

Com o objetivo de te auxiliar nesta jornada, listamos abaixo alguns dos principais termos associados a uma VPN. Desde já, fica o convite para favoritar este conteúdo e ter acesso fácil a essas explicações sempre que possível. Acompanhe!

O uso de VPN é uma maneira de proteger a sua navegação na internet.O uso de VPN é uma maneira de proteger a sua navegação na internet.Fonte:  GettyImages 

1. VPN (Virtual Private Network)

Começando do básico. VPN é uma rede privada virtual que cria uma conexão segura e criptografada entre o dispositivo do usuário e a internet. Isso oculta o endereço IP real do usuário e protege os dados transmitidos.

2. IP (Internet Protocol)

Um endereço único que identifica um dispositivo na internet ou em uma rede local. Usar uma VPN pode mascarar o IP real do usuário, substituindo-o por um IP do servidor VPN.

3. Criptografia

Criptografia é o processo de codificar dados para que apenas as partes autorizadas possam decifrá-los e lê-los. VPNs utilizam criptografia para proteger a privacidade e a integridade dos dados transmitidos.

A criptografia é um dos elementos importantes ao se utilizar uma VPN. (Fonte: Getty Images/Reprodução)A criptografia é um dos elementos importantes ao se utilizar uma VPN. (Fonte: Getty Images/Reprodução)Fonte:  Getty Images/Reprodução 

4. Protocolo VPN

Conjunto de regras que determinam como a conexão entre o dispositivo do usuário e o servidor VPN é estabelecida. Dentre os principais exemplos, podemos citar:

  • OpenVPN;
  • IKEv2/IPsec;
  • L2TP/IPsec;
  • PPTP.

5. Servidor VPN

Um servidor operado pelo provedor de VPN que conecta o usuário à internet. Os dados do usuário passam pelo servidor VPN antes de chegar ao destino, ajudando a ocultar o endereço IP real.

6. Kill switch

Um recurso de segurança que desliga automaticamente a conexão com a internet se a conexão VPN cair. Esse elemento é muito importante, pois impede que os dados do usuário sejam expostos sem proteção. Uma maneira de manter-se seguro na web!

7. No-log policy

No-log policy é uma política de privacidade onde o provedor de VPN não armazena registros das atividades online do usuário, como histórico de navegação, endereços IP e dados de conexão.

8. DNS leak (Vazamento de DNS)

Um DNS Leak ocorre quando as solicitações de DNS do usuário são enviadas fora do túnel VPN, revelando o histórico de navegação. Caso use uma VPN eficaz, ficará protegido contra vazamentos de DNS.

9. Split tunneling

Uma funcionalidade que permite ao usuário escolher quais aplicativos ou tráfego da internet passam pela conexão VPN e quais usam a conexão normal do ISP (provedor de serviços de internet).

10. Proxy

O proxy é um servidor intermediário que redireciona as solicitações de internet, ocultando o endereço IP real do usuário. Diferente de VPNs, proxies geralmente não criptografam os dados.

11. Multihop (Double VPN)

Um recurso que encaminha a conexão do usuário por meio de dois ou mais servidores VPN em diferentes locais, aumentando a segurança e a privacidade.

12. Geo-restrição

Restrições impostas por serviços de internet com base na localização geográfica do usuário. É exatamente contra ela que muitos usuários de VPNs lutam, pois essa conexão simula que estão acessando o conteúdo de outra região.

13. Torrenting/P2P

Torrenting é o compartilhamento de arquivos entre pares (peer-to-peer) na internet. Algumas VPNs são otimizadas para atividades de torrenting, proporcionando maior anonimato e segurança.

14. Bandwidth throttling (aceleramento de banda)

A prática de um ISP de limitar a velocidade da internet de certos tipos de tráfego. Usar uma VPN pode ajudar a evitar o throttling, criptografando o tráfego e ocultando a natureza dos dados transmitidos.

15. NAT Firewall

Um firewall que protege dispositivos conectados à internet contra conexões não solicitadas. Muitos provedores de VPN oferecem NAT firewall para aumentar a segurança.

O uso de VPN é algo seguro e recomendado por diversas pessoas. (Fonte: Getty Images/Reprodução)O uso de VPN é algo seguro e recomendado por diversas pessoas. (Fonte: Getty Images/Reprodução)Fonte:  Getty Images/Reprodução 

16. Onion Over VPN

Uma funcionalidade que combina as vantagens da rede Tor (The Onion Router) com uma VPN, oferecendo camadas adicionais de anonimato e segurança.

17. Obfuscation (ofuscação)

Tecnologia usada por VPNs para disfarçar o tráfego VPN como tráfego normal da internet, ajudando a contornar bloqueios e censuras de VPNs em países restritivos.

18. WireGuard

Um protocolo VPN moderno que promete maior velocidade, simplicidade e segurança em comparação com protocolos mais antigos como OpenVPN e IPsec.

19. Static IP (IP estático)

Um endereço IP que não muda a cada conexão. Alguns provedores de VPN oferecem IPs estáticos para usuários que precisam de um endereço IP consistente.

20. Dynamic IP (IP dinâmico)

Diferente do IP estático, um endereço IP dinâmico muda a cada conexão. A maioria dos provedores de VPN oferece IPs dinâmicos para aumentar a privacidade dos usuários.

21. Port forwarding (encaminhamento de portas)

Uma técnica que permite redirecionar tráfego de internet de uma porta para outra, melhorando o acesso a serviços e aplicativos específicos.

22. Latência

O tempo que leva para um dado ir do ponto de origem ao destino. Usar uma VPN pode aumentar a latência devido ao trajeto adicional que os dados precisam percorrer através dos servidores VPN.

23. ISP (Internet Service Provider)

O provedor de serviços de internet que fornece acesso à internet ao usuário. VPNs são usadas para ocultar atividades online do ISP, impedindo que monitorem e coletem dados sobre a navegação.

24. AES (Advanced Encryption Standard)

Um padrão de criptografia utilizado por muitas VPNs para proteger dados. Neste cenário, a AES-256 é uma das formas mais seguras e amplamente utilizadas.

25. UDP (User Datagram Protocol)

Um dos principais protocolos de internet usado para enviar pacotes de dados. A OpenVPN, por exemplo, pode usar UDP para proporcionar uma conexão mais rápida e eficiente.

26. TCP (Transmission Control Protocol)

Outro protocolo de internet que garante a entrega dos pacotes de dados. É mais lento que UDP, porém mais confiável.

27. Data Cap (Limite de Dados)

A quantidade máxima de dados que um usuário pode transferir por meio da VPN. Alguns serviços de VPN têm um limite de dados mensais ou diários, enquanto outros oferecem dados ilimitados.

28. Shared IP (IP compartilhado)

Um endereço IP usado por múltiplos usuários da VPN ao mesmo tempo, aumentando o anonimato, já que é difícil rastrear atividades de volta a um único usuário.

29. Dedicated IP (IP dedicado)

Um endereço IP exclusivo fornecido ao usuário pela VPN. Útil para acessar recursos que exigem um IP constante e para evitar captchas e bloqueios de sites.

30. NAT (Network Address Translation)

Um método usado para modificar os endereços de rede de pacotes de dados ao passarem por um roteador ou firewall. As VPNs com NAT ajudam a proteger dispositivos na rede privada contra acessos não autorizados.

Esperamos que este conteúdo tenha lhe ajudado Compartilhe com seus amigos, e aproveite para descobrir se vale a pena usar uma VPN no celular. Até a próxima!



Source link