A Palma de Ouro do Festival de Cinema de Cannes foi concedida no sábado a “Anora”, um picaresco vertiginoso e obsceno do diretor americano Sean Baker sobre uma trabalhadora do sexo que se casa com o filho de um oligarca russo – e as coisas ficam muito complicadas.

Favorito da crítica, “Anora” adota uma atitude imparcial em relação ao seu protagonista, interpretado por Mikey Madison, em uma atuação inovadora e arriscada que os críticos elogiaram. George Lucas, que recebeu prêmio honorário na cerimônia, entregou a Palma de Ouro. Baker abraçou Lucas e agradeceu ao júri antes de deixar escapar: “Realmente não sei o que está acontecendo agora”. Ele dedicou seu prêmio às “trabalhadoras do sexo do passado, do presente e do futuro – isto é para você”.

A cerimônia, que aconteceu no Teatro Grand Lumière, na sede do festival, abriu com uma paródia da abertura do filme original “Star Wars”. Quando Lucas finalmente subiu ao palco, ele foi aplaudido de pé estrondosamente. Os aplausos ficaram ainda mais altos quando Francis Ford Coppola, amigo de longa data de Lucas, apareceu para presentear Lucas com uma Palma de Ouro honorária. Coppola, que se referia a Lucas como seu “irmão mais novo”, esteve no festival com seu épico “Megalópolis”, que foi exibido na competição principal e não ganhou nada.

O júri do concurso, liderado por Greta Gerwig, atribuiu um prémio especial à emocionante tragédia iraniana “A Semente do Figo Sagrado”, sobre uma pequena família que se desfaz violentamente no mesmo momento. o movimento de protesto Mulheres, Vida, Liberdade no Irã está pegando fogo. O diretor, Mohammad Rasoulof, que fugiu do país pouco antes da abertura do festival, recebeu o prêmio pessoalmente. Em 13 de maio, ele anunciou no Instagram que havia deixado o Irã após ser condenado a oito anos de prisão por seus filmes; ele também seria multado e chicoteado, e teria propriedades confiscadas.

O Grande Prêmio, a segunda maior homenagem do festival, foi concedido a “All We Imagine as Light”, do diretor indiano Payal Kapadia. Um drama suave sobre três mulheres que chegam a um acordo entre si e seus próprios desejos na Mumbai contemporânea, “All We Imagine as Light” foi outro favorito da crítica. No discurso de agradecimento de Kapadia, ela agradeceu às três atrizes protagonistas, que trouxe consigo ao palco, bem como a todos os trabalhadores que fazem o festival funcionar.

Jesse Plemons ganhou o prêmio de melhor ator por “Kinds of Kindness”, o mais recente filme de mestre-escravo do cineasta grego Yorgos Lanthimos. O diretor francês Jacques Audiard ganhou o prêmio do júri, o terceiro maior da noite, por sua participação no concurso, “Emilia Pérez”. Esse filme também ganhou o prêmio de melhor atriz. Num movimento incomum, o júri concedeu o prêmio a quatro atrizes do filme – sua “harmonia de irmandade”, como disse a membro do júri, Lily Gladstone. Quem recebeu o prêmio foi a atriz transgênero espanhola Karla Sofía Gascón, que interpreta a personagem-título, uma chefe do cartel mexicano que se transforma em mulher.

O prémio de melhor realizador foi atribuído ao cineasta português Miguel Gomes por “Grand Tour”, uma fantasia autenticamente sui generis sobre um funcionário público britânico em 1917 que, ao fugir da sua noiva, parte numa exploração temporal do pós-colonialismo (entre outras coisas). coisas). Depois de dar um sinal de positivo ao júri, Gomes disse em inglês: “Às vezes tenho sorte”.

Surpreendentemente, o prêmio de roteiro foi para “The Substance”, um filme de terror em inglês sobre uma atriz de Hollywood, interpretada por Demi Moore, que recorre a medidas extremas depois de ser considerada um produto obsoleto. A diretora francesa Coralie Fargeat agradeceu a Moore, que esteve presente.

O prêmio Câmera de Ouro de melhor filme de estreia foi para “Armand”, um thriller psicológico do diretor norueguês Halfdan Ullmann Tondel sobre um confronto entre os pais de duas crianças, uma das quais é acusada de agredir a outra. (Os avós de Tondel são Liv Ullmann e Ingmar Bergman.)

Na preparação para o festival, surgiram rumores sobre possíveis protestos contra a guerra em Gaza (nenhum surgiu) e revelações bombásticas sobre várias figuras da indústria. No dia da abertura do festival, 14 de maio, o The Guardian publicou uma reportagem em que fontes anônimas afirmavam que Coppola havia tentado beijar alguns figurantes enquanto fazia “Megalopolis”. Nada mais aconteceu sobre a história, e nenhum dos repórteres na coletiva de imprensa do filme sequer abordou as alegações com o diretor. Em geral, como organizadores do festival esperava, o foco durante todo o evento permaneceu principalmente no cinema.