Depois de duas viagens à plataforma de lançamento que não terminaram no espaço, dois astronautas da NASA finalmente foram para a órbita na quarta-feira em um veículo construído pela Boeing, gigante aeroespacial.

A primeira viagem da Starliner, uma cápsula de 15 pés de largura, com astronautas a bordo ocorre quatro anos e seis dias depois da SpaceX, a outra empresa que a NASA contratou para fornecer passeios de astronautas, lançou sua primeira missão com astronautas para a Estação Espacial Internacional. A Boeing agora também deve fornecer esse serviço, mas uma série de atrasos dispendiosos impediu repetidamente os astronautas de pilotar o veículo da empresa mais cedo. A SpaceX, antes vista como uma novata, levou 13 tripulações para a órbita no total.

O tão esperado voo do veículo Boeing é o mais recente passo nos esforços da NASA para confiar mais fortemente no setor privado para o seu programa de voos espaciais tripulados.

“Este é outro marco nesta história extraordinária da NASA”, disse Bill Nelson, o administrador da NASA, durante uma entrevista coletiva após o lançamento.

Quando o Starliner chegar à estação espacial na quinta-feira, ele se juntará a uma cápsula SpaceX Crew Dragon já ancorada lá. Funcionários da NASA afirmaram firmemente que desejam ter duas espaçonaves americanas diferentes, capazes de levar astronautas à órbita.

“Sempre gostamos de ter um backup”, disse Nelson. “Isso torna mais seguro para nossos astronautas.”

Se a missão do veículo correr bem, também trará boas notícias para a Boeing, cujo histórico de segurança da aviação está sob forte escrutínio depois que um painel lateral de um jato da Alaska Airlines explodiu durante um voo no início deste ano.

A divisão espacial da Boeing também tem estado sob pressão, com o trabalho no Starliner se estendendo por anos a mais do que a empresa ou a NASA esperavam. As armadilhas técnicas incluíam testes de software inadequados, válvulas de propulsão corroídas, fita inflamável e um componente-chave do sistema de pára-quedas que se revelou mais fraco do que o esperado.

Poucos minutos antes do lançamento, Butch Wilmore, o comandante da missão, disse: “Vamos colocar fogo neste foguete. Vamos empurrá-lo para os céus.”

Suni Williams, o outro tripulante que atua como piloto, acrescentou: “Vamos, Calypso, leve-nos ao espaço e de volta”, referindo-se ao nome que deu à cápsula, em homenagem à nave usada pelo oceanógrafo Jacques Cousteau.

Às 10h52, horário do leste, os motores de um foguete Atlas V foram acionados, elevando a espaçonave Starliner em um caminho em arco para o espaço. O lançamento e as primeiras partes do voo de hoje em órbita proporcionaram um alívio bem-vindo, desenrolando-se sem problemas.

“Estou sorrindo, acredite”, disse Mark Nappi, funcionário da Boeing responsável pela Starliner. “Mas é um pouco de emoção controlada, porque há muitas fases nesta missão. E acabamos de concluir o primeiro.”

Uma pequena falha envolveu um sistema que fornece resfriamento durante a viagem até a órbita. O sistema de refrigeração, conhecido como sublimador, consumiu um pouco mais de água do que o esperado. Uma vez em órbita, a espaçonave mudou para um sistema de resfriamento diferente, um radiador, e embora os engenheiros investiguem o que aconteceu, isso não afetará a missão.

Wilmore e Sra. Williams estão programados para atracar na estação às 12h15 de quinta-feira.

Ao longo do caminho, Wilmore e Williams reservarão um tempo para testar o vôo manual da espaçonave, algo que normalmente não é necessário, exceto em emergências. Os sistemas de suporte de vida também serão totalmente verificados.

Os astronautas passarão então pelo menos oito dias na estação espacial antes de retornar à Terra. A missão tem 87 objetivos de teste ao todo. “Existem muitos tipos ergonômicos de objetivos de testes de voo”, disse Nappi. “Como os assentos se encaixam? Como funcionam os trajes? Como estão as telas?

Após a missão, a NASA e a Boeing revisarão os dados do voo para concluir a certificação do Starliner. A espaçonave estaria então pronta para iniciar voos operacionais anuais para transportar tripulações da NASA para estadias de seis meses na estação espacial. Cada cápsula Starliner – a Boeing tem duas para missões orbitais – é projetada para 10 missões.

O caminho para o voo de quarta-feira levou anos para ser preparado.

Em 2014, NASA concedeu contratos à Boeing e SpaceXa empresa de foguetes dirigida por Elon Musk, para construir substitutos para os ônibus espaciais que levavam astronautas de e para a estação espacial antes de serem aposentados em 2011. A NASA começou a pagar à Rússia para levar seus astronautas à órbita em foguetes Soyuz.

O Congresso estava cético, cortando repetidamente o dinheiro que a NASA buscava para o programa de tripulação comercial. Na época, a SpaceX estava em ascensão, mas não era a força dominante que se tornou hoje na indústria de lançamento de foguetes. A escolha da Boeing ajudou a tranquilizar os legisladores de que a NASA estava fazendo um investimento sólido.

A NASA disse originalmente que o Starliner e o Crew Dragon da SpaceX poderiam estar prontos em 2017.

Ambas as empresas demoraram mais do que o planejado, uma ocorrência comum na indústria aeroespacial.

Mas em dezembro de 2019, a Boeing parecia estar na reta final. Em seguida, um teste do Starliner sem astronautas a bordo deu errado devido a problemas de software, e um acoplamento planejado foi cancelado. A NASA classificou o voo como “um perigo de alta visibilidade”, porque as falhas de software poderiam ter levado à destruição da espaçonave se não tivessem sido corrigidas antes da reentrada.

A Boeing e a NASA decidiram repetir o teste desenroscado, mas esse teste foi atrasado por válvulas propulsoras corroídas e o Starliner não foi lançado novamente até maio de 2022.

Mais questões surgiram então. A fita protetora enrolada no isolamento da fiação revelou-se inflamável, e um componente importante, mas fraco, do sistema de pára-quedas poderia ter quebrado se os três pára-quedas do Starliner não fossem acionados corretamente.

Esses atrasos custaram à Boeing US$ 1,4 bilhão e, enquanto o Starliner permaneceu no solo, a SpaceX lançou nove missões tripuladas para a NASA (uma, Crew-8, está atualmente atracada na estação) e quatro missões comerciais adicionais com passageiros não pertencentes à NASA a bordo.

A rodada de tentativas de lançamento deste ano começou em 6 de maio. Esse vôo foi afundado por uma válvula com mau comportamento no foguete Atlas V. Um pequeno vazamento de hélio foi então descoberto no sistema de propulsão do Starliner, levando a várias semanas de investigação.

Uma segunda tentativa de lançamento no sábado foi reduzida para 3 minutos e 50 segundos antes da decolagem, até que os computadores que controlam autonomamente as partes finais da sequência de lançamento encontraram um problema e interromperam a contagem regressiva.

Nos dias seguintes, os técnicos substituíram um componente de energia defeituoso, preparando o terreno para o lançamento bem-sucedido na quarta-feira.

Niraj Chokshi relatórios contribuídos.