A Boeing disse na segunda-feira que concordou em comprar um grande fornecedor, a Spirit AeroSystems, encerrando uma experiência de quase duas décadas na terceirização da produção dos principais componentes de seus aviões comerciais, incluindo a carroceria do 737 Max e peças do 767, 777 e 787.

Ao comprar a Spirit, a Boeing espera conter os problemas de qualidade que têm atormentado o fornecedor nos últimos anos. Embora já tenha influência significativa sobre a Spirit, a Boeing será mais facilmente capaz de monitorar e alterar as práticas de produção ao ser proprietária total do negócio. A Boeing também tomou medidas internas para melhorar a qualidade, após um incidente angustiante em que um painel de um de seus aviões explodiu durante um voo em janeiro.

“Ao reintegrar a Spirit”, disse o presidente-executivo da Boeing, Dave Calhoun, em comunicado, a empresa “pode alinhar totalmente” seus sistemas de produção e segurança com sua força de trabalho.

O negócio, que era amplamente esperado, foi avaliado em US$ 4,7 bilhões em ações ou US$ 8,3 bilhões incluindo a dívida da Spirit. Deve ser aprovado pelos reguladores e acionistas da Spirit para ser concluído. A Boeing também irá transferir partes da Spirit para a Airbus, sua rival europeia, como parte da transação. A Boeing disse que a aquisição da Spirit deverá ser concluída em meados do próximo ano.

A compra representa uma reversão estratégica para a Boeing, que começou a depender mais amplamente de fornecedores independentes na década de 2000 para cortar custos e aumentar os lucros. A Spirit foi criada durante a campanha de terceirização em 2005, quando a Boeing vendeu uma divisão em Wichita, Kansas, e operações em Oklahoma.

Além de seu trabalho para a Boeing, a Spirit fabrica componentes para empresas aeroespaciais, incluindo Airbus, Bombardier, Lockheed Martin, Northrop Grumman e Rolls-Royce. A Boeing foi responsável por 64% da receita líquida da Spirit no ano passado, enquanto a Airbus foi responsável por 19%. A Boeing se ofereceu para comprar a Spirit por US$ 37,25 por ação, uma 30 por cento prêmio sobre o preço das ações da Spirit no final de fevereiro, antes que as duas empresas anunciassem que estavam em negociações.

Os problemas de qualidade da Spirit levaram a uma mudança de liderança no outono passado, na qual Patrick Shanahan, ex-executivo da Boeing e ex-funcionário sênior do Departamento de Defesa, tornou-se executivo-chefe. Na Boeing, Shanahan era considerado um executivo talentoso, capaz de reverter rapidamente programas ou unidades problemáticos. Ele é agora um candidato líder para substituir Calhoun, que planeja deixar o cargo até o final deste ano.

Mas a Boeing tem seu próprios problemas de qualidade. A empresa tem enfrentado intenso escrutínio desde o incidente de 5 de janeiro, no qual um painel de um 737 Max 9 explodiu durante um voo da Alaska Airlines logo após a decolagem. O painel, conhecido como tampão de porta, cobre a lacuna deixada por uma saída de emergência desnecessária.

A notícia do acordo Spirit veio horas depois de uma reportagem de que autoridades federais planejava oferecer à Boeing um acordo judicial num caso de fraude relacionado com dois acidentes fatais há mais de cinco anos, nos quais 346 pessoas morreram.

Embora nenhum ferimento grave tenha sido relatado no episódio de janeiro, as consequências poderiam ter sido muito mais graves se o painel tivesse explodido em uma altitude mais elevada, quando os passageiros pudessem estar se movimentando pela cabine. O Conselho Nacional de Segurança nos Transportes disse que o avião parecia ter saído de uma fábrica da Boeing sem os parafusos necessários para prender o plugue, e a empresa disse que não consegue encontrar documentação desse trabalho. O plugue foi removido para que os trabalhadores da Spirit pudessem realizar reparos nas proximidades.

Em resposta, a Boeing fez diversas mudanças nos últimos meses. Afirmou que ampliou o treinamento, simplificou planos e processos e aumentou as inspeções em sua fábrica 737 em Renton, Washington, bem como na Spirit. Desde março, também parou de aceitar carrocerias, ou fuselagens, de 737 da Spirit que não atendem integralmente aos padrões da Boeing. Anteriormente, havia tolerado algumas falhas que poderiam ser corrigidas posteriormente, no interesse de manter a produção em movimento.

Essa mudança rendeu benefícios significativos, disse Elizabeth Lund, uma importante executiva de qualidade da Boeing, a repórteres na fábrica na semana passada. Um número significativamente menor de defeitos graves precisam ser corrigidos pela Boeing agora, disse ela, e a empresa será capaz de montar o Max muito mais rapidamente quando as carrocerias chegarem a Renton.

A Boeing também disse que pretende reduzir sua prática de realizar tarefas de fabricação fora de sequência, também conhecido como trabalho percorrido. Algum trabalho percorrido é considerado necessário, mas muito pode atrapalhar o complicado processo de fabricação de aviões, possivelmente contribuindo para defeitos e mão de obra deficiente.

No briefing com os repórteres, a Sra. Lund também compartilhou novos detalhes sobre como o avião envolvido no voo de janeiro saiu da fábrica sem o plugue da porta totalmente travado. Depois que o plugue foi removido para fazer os reparos nas proximidades, uma equipe preparou o avião para ser levado para fora, colocando o plugue de volta no lugar sem os parafusos, o que não era responsabilidade da equipe, disse ela.

A divulgação de novas informações pela Sra. Lund, juntamente com outros comentários naquele briefing, provocou a fúria do NTSBque repreendeu duramente a Boeing por violar as regras sobre falar sobre uma investigação em andamento.

A Boeing pediu desculpas ao conselho de segurança, reconhecendo que “ultrapassou o papel do NTSB como fonte de informações investigativas”.