O presidente Biden condenou veementemente na segunda-feira como antissemita uma manifestação pró-Palestina que ocorreu um dia antes em uma sinagoga em uma área judaica de Los Angeles.

A situação tornou-se violenta quando manifestantes pró-palestinos e apoiadores de Israel entraram em confronto na tarde de domingo em frente à Adas Torá, uma sinagoga no bairro de Pico-Robertson, em Los Angeles. Imagens de vídeo postadas nas redes sociais mostraram brigas estourando, socos sendo dados e pessoas perseguindo outras pessoas pela rua.

O presidente Biden, assim como o governador Gavin Newsom da Califórnia e a prefeita Karen Bass de Los Angeles, discordaram do fato de os manifestantes terem optado por se manifestar fora de uma sinagoga em primeiro lugar.

“Intimidar os congregados judeus é perigoso, injusto, anti-semita e antiamericano”, disse o presidente Biden em um comunicado publicado na segunda-feira nas redes sociais. “Os americanos têm direito ao protesto pacífico. Mas bloquear o acesso a um local de culto – e praticar violência – nunca é aceitável.”

O Departamento de Polícia de Los Angeles enviou policiais ao local em resposta a ligações sobre diversas altercações físicas, que terminaram com dois relatos de agressão. Uma pessoa foi presa sob a acusação de ter um poste espetado no protesto. A pessoa, que as autoridades não identificaram, foi citada e libertada. O departamento disse na segunda-feira que ainda estava investigando os relatos de agressão.

A prefeita Bass disse em comunicado na noite de domingo que planejava se encontrar com o chefe Dominic Choi, do Departamento de Polícia de Los Angeles, na segunda-feira. Ela pediu ao departamento que fornecesse patrulhas extras na vizinhança, bem como fora dos locais de culto.

“Quero deixar claro que Los Angeles não será um porto para o antissemitismo e a violência”, disse ela no comunicado. “Os responsáveis ​​​​por qualquer um deles serão encontrados e responsabilizados.”

Bass disse que também planeava convocar uma reunião comunitária com líderes religiosos, autoridades responsáveis ​​pela aplicação da lei e outros “enquanto conversamos sobre os passos a seguir, juntos”.

O episódio na sinagoga atraiu a condenação de outros líderes estaduais e locais na Califórnia.

“Os violentos confrontos fora da sinagoga Adas Torá em Los Angeles são terríveis”, disse o Governador Newsom num comunicado. “Não há desculpa para atacar uma casa de culto. Esse ódio antissemita não tem lugar na Califórnia.”