Aviões militares dos EUA cheios de empreiteiros civis e suprimentos começaram a aterrar no Haiti, abrindo caminho para uma missão de segurança de sete nações, liderada pelo Quénia, a ser enviada para a problemática nação caribenha nas próximas semanas, dizem autoridades americanas.

Mas mesmo quando a situação de segurança piora e milhões de haitianos passam fome, um destacamento de estilo militar, estimado em 600 milhões de dólares, tem apenas uma fracção do financiamento necessário.

Funcionários do governo Biden não disseram se uma data precisa para a implantação foi definida. O governo queniano não respondeu aos pedidos de comentários.

Vários voos da Base Aérea de Charleston, na Carolina do Sul, pousaram no Aeroporto Internacional Toussaint Louverture, em Porto Príncipe, a capital, na semana passada, de acordo com o Comando Sul dos EUA.

Empreiteiros estavam sendo transportados para ajudar a proteger o aeroporto antes de construir ali uma base de operações para a força de segurança internacional. Mais aviões transportando empreiteiros e equipamentos de construção eram esperados nos próximos dias.

“O envio da missão multinacional de apoio à segurança no Haiti é urgente e estamos fazendo tudo o que podemos para alcançar esse objetivo”, disse Brian A. Nichols, secretário de Estado adjunto para assuntos do Hemisfério Ocidental, aos repórteres na semana passada. Cada dia que passa é uma oportunidade perdida de proporcionar maior segurança ao povo haitiano. E é por isso que estamos a fazer tudo o que podemos, juntamente com os nossos parceiros quenianos, para avançar nesse sentido..

As Nações Unidas aprovaram pela primeira vez a missão de segurança há sete meses para ajudar o Haiti, que tem sido devastado pela violência de gangues numa crise que, segundo a ONU, está a empurrar mais de um milhão de pessoas para a fome.

O destacamento foi prejudicado por uma série de atrasos, devido às objecções dos legisladores da oposição no Quénia e de um tribunal queniano. Agora, dizem as autoridades, os impedimentos legais foram eliminados para uma força de segurança de 2.500 membros, liderada por 1.000 agentes policiais do Quénia ao Haiti, onde vários gangues tomaram conta de grandes áreas da capital.

Mais de meia dúzia de outros países também se comprometeram a contribuir com pessoal por etapas. Entre eles estão Bahamas, Bangladesh, Barbados, Benin, Chade e Jamaica que também ofereceram pessoal voluntário para a força, segundo as Nações Unidas.

Benin, na África Ocidental, prometeu 1.500 a 2.000 pessoas, e a Jamaica ofereceu 200 policiais e soldados, segundo cartas enviadas à ONU As Bahamas ofereceram 150 policiais, que se concentrarão no policiamento comunitário, bem como na segurança marítima e portuária.

Em março, dezenas de membros das Forças Armadas Canadenses voaram para a Jamaica para treinar oficiais jamaicanos que se dirigiam ao Haiti em habilidades de manutenção da paz e combate aos primeiros socorros, o Militares canadenses disseram.

Outros países manifestaram publicamente interesse, mas não apresentaram cartas oficiais de compromisso.

Milhares de pessoas foram mortas no Haiti nos primeiros meses deste ano. No final de Fevereiro, gangues que durante anos entraram em conflito uns com os outros uniram forças para assumir grande parte da capital, bloqueando infra-estruturas essenciais, como portos, e dominando bairros inteiros.

Mais de 350 mil pessoas foram forçadas a abandonar as suas casas no ano passado e outros milhões não conseguem trabalhar face à violência desenfreada e aos tiros indiscriminados. Milhares de presos foram libertados no final de fevereiro, quando gangues atacaram diversas prisões.

Com os portos bloqueados durante várias semanas, os navios não conseguiam atracar e o abastecimento de alimentos diminuía. Depois de mais de dois meses, os voos comerciais deverão reiniciar na próxima semana.

Os líderes das gangues disseram que seu objetivo era forçar a renúncia do primeiro-ministro Ariel Henry e impedir o envio de segurança internacional. Henry deixou o cargo e um conselho de transição presidencial foi nomeado com o objetivo de nomear um novo governo interino e organizar eleições até o final de 2025.

A Polícia Nacional do Haiti já traçou planos com cronogramas para a tomada de todas as áreas atualmente ocupadas pelas gangues, segundo o delegado, Frantz Elbé.

“O nosso país, sendo membro da grande comunidade de nações, não pode pretender resolver os seus problemas sozinho, especialmente quando estes podem ter repercussões na segurança de outros estados”, disse Elbe num e-mail ao The New York Times.

O governo dos EUA prometeu 300 milhões de dólares para a missão de segurança, mas enfrentou obstáculos para conseguir que o Congresso aprovasse a libertação de fundos. Até agora, apenas US$ 10 milhões foram liberados.

Um fundo da ONU para pagar a missão tem apenas 18 milhões de dólares, grande parte dos quais prometidos pelo Canadá, de acordo com a ONU. Mas existem outras formas de financiar a missão, incluindo doações em espécie, como o fornecimento de 70 milhões de dólares em material e equipamento. autorizado pela administração Biden.

“Realmente esperamos que chegue ao solo o mais rápido possível”, disse Stephanie Tremblay, porta-voz da ONU. “Não podemos dizer isso com frequência suficiente.”

Embora as autoridades norte-americanas se tenham recusado a dizer quando a missão começaria a chegar ao Haiti, esperava-se que o momento coincidisse com uma visita de Estado do presidente do Quénia, William Ruto, em 23 de Maio.

“Não há dúvida de que estão a tentar tornar isto uma realidade nas próximas semanas”, disse Jake Johnston, especialista em Haiti do Centro de Investigação Económica e Política em Washington. “Neste ponto, com todos os aviões pousando, está muito claro que eles terão alguém em terra quando Ruto estiver em DC, mas será em grande parte simbólico. Isso não significa que haverá uma força operacional no terreno em duas semanas e meia.”