Um tribunal britânico deverá tomar uma decisão final após uma audiência na segunda-feira sobre se Julian Assange, o fundador do WikiLeaks, terá o direito de recorrer de uma ordem de extradição para os Estados Unidos, onde enfrenta acusações ao abrigo da Lei de Espionagem.

Assange está detido numa prisão de Londres desde 2019, acusado pelos Estados Unidos de violações relacionadas com a obtenção e publicação de documentos governamentais confidenciais no WikiLeaks em 2010.

Seu caso foi lentamente tramitando nos tribunais desde que sua extradição foi encomendado por um tribunal de Londres em abril de 2022. Priti Patel, então secretária do Interior da Grã-Bretanha, aprovou a extradição dois meses depois.

Em Fevereiro, o Supremo Tribunal ouviu a proposta final de recurso do Sr. Assange e, em Março, os juízes pediram às autoridades dos EUA que fornecer garantias específicas sobre o seu tratamento em caso de extradição.

Após a audiência de segunda-feira, o tribunal decidirá se essas garantias – que o Sr. Assange não enfrentaria a pena de morte ou seria perseguido pela sua nacionalidade e que poderia procurar as mesmas protecções da Primeira Emenda que um cidadão dos EUA – são satisfatórios, e se o Sr. Assange pode recorrer da sua extradição.

Embora o momento do julgamento ainda não esteja claro, ele poderá ocorrer já na tarde de segunda-feira, após o término da audiência. Aqui estão os resultados possíveis:

Numa conferência de imprensa realizada na semana passada, membros da equipa jurídica de Assange e a sua esposa disseram que ele poderia ser colocado num avião com destino aos Estados Unidos dentro de 24 horas se o tribunal decidisse que ele não pode recorrer, potencialmente encerrando a sua batalha de anos.

Mas a equipa jurídica de Assange prometeu contestar a sua extradição recorrendo ao Tribunal Europeu dos Direitos Humanos em Estrasburgo, França. A Grã-Bretanha é obrigada a cumprir a decisão do tribunal como membro do tribunal e signatária do Convenção Europeia dos Direitos Humanos. Uma contestação no tribunal poderia potencialmente suspender a sua extradição até que o caso seja ouvido em Estrasburgo.

Se a CEDH não intervir, o Sr. Assange poderá ser extraditado para enfrentar acusações nos Estados Unidos, incluindo 17 acusações de violação da Lei de Espionagempor seu papel na obtenção e publicação de documentos militares e diplomáticos secretos, e por uma acusação federal de conspiração para invadir uma rede de computadores do Pentágono.

Se for condenado pelas acusações, poderá enfrentar uma pena de até 175 anos de prisão, segundo os seus advogados, que descreveram as acusações como tendo motivação política. Mas os advogados do governo dos EUA, que afirmaram que as fugas de informação colocam vidas em risco, afirmaram que é mais provável que Assange receba uma pena mais curta, de quatro a seis anos.

Na sua decisão de Março, o tribunal negou os pedidos de recurso do Sr. Assange em seis dos nove fundamentos que levantou, dizendo que “não tinham qualquer mérito”. Mas disseram que Assange tinha “um caso discutível” nos restantes três motivos de recurso: que nos Estados Unidos ele poderia enfrentar a pena de morte, ser perseguido pela sua nacionalidade ou não ter acesso às protecções da Primeira Emenda.

Se o tribunal determinar que as garantias que recebeu dos Estados Unidos sobre estas três questões não são suficientes, um recurso poderá avançar, o que poderá abrir a porta a uma nova decisão sobre a sua extradição.

Isto significaria que o caso jurídico, que chamou a atenção do mundo e mobilizou os defensores da liberdade de imprensa, continuará a ser contestado, e que a remoção do Sr. Assange para os Estados Unidos será pelo menos adiada.

A equipa jurídica de Assange disse na semana passada que continuava a pressionar por uma resolução política para a sua extradição, na esperança de que ele pudesse finalmente ser autorizado a regressar à Austrália, o seu país natal.

Jennifer Robinson, advogada de direitos humanos, disse que a equipa está a trabalhar em estreita colaboração com o primeiro-ministro australiano e o procurador-geral “para tentar encontrar uma resolução para este caso”.

“Isto poderá ser resolvido a qualquer momento quando os Estados Unidos tomarem a decisão, que consideramos ser a correcta, de abandonar este caso e retirar uma acusação que foi universalmente condenada por grupos de liberdade de expressão”, disse ela.

Mês passado, Presidente Biden disse que a administração estava a considerar um pedido da Austrália para que o Sr. Assange fosse autorizado a regressar ao país, o que levou especulação de que os Estados Unidos poderiam estar repensando seu caso. O Departamento de Justiça se recusou a comentar na época.

A equipa de Assange sugeriu que os juízes também poderiam exercer o seu poder judicial e decidir encerrar totalmente o caso de extradição, mas não há indicação de que isto esteja em cima da mesa.

“Tenho a sensação de que tudo pode acontecer nesta fase”, disse Stella Assange, esposa de Assange.