Meses de tensões entre as grandes petrolíferas e os investidores activistas poderão atingir um ponto de ebulição nas reuniões anuais da Exxon Mobil e da Chevron na quarta-feira, à medida que os gigantes dos EUA bombeiam níveis recorde de petróleo e sentar-se em lucros abundantes.

Enfrentando outra derrota, os grupos climáticos que compraram ações para tentar influenciar o comportamento empresarial estão agora a repensar as suas estratégias, relata Vivienne Walt para o DealBook.

Os esforços dos activistas para pressionar as grandes petrolíferas a limparem as suas formas poluentes estão a falhar. Na semana passada, os protestos contra as alterações climáticas abalaram a reunião anual da Shell em Londres. Mas a empresa serrar facilmente uma medida apresentado por Follow This, um grupo ativista de acionistas holandês, e outros investidores, exigindo que o gigante petrolífera reforça drasticamente as suas metas climáticas.

A Exxon pode enfrentar uma batalha ainda mais acirrada esta semana – não só contra os investidores activistas que está a processar, mas também contra poderosos investidores institucionais. Eles incluem O enorme fundo soberano da Noruegae CalPERSo fundo de pensões da Califórnia, que se opõem fortemente à tentativa da Exxon acalmar alguns de seus críticos climáticos mais veementes.

Uma recapitulação: Em Janeiro, a Exxon processou dois grupos de investidores activistas, Arjuna Capital e Follow This, num tribunal do Texas, dizendo que a sua resolução de incluir as chamadas metas de emissões de Âmbito 3 reflectia “uma agenda extrema” que era prejudicial para os accionistas.

Os grupos retiraram a sua resolução, temendo que uma vitória legal da Exxon pudesse essencialmente silenciar todos os activistas e debates entre accionistas. Na semana passada, um juiz do Texas governou que o processo da Exxon poderia prosseguir contra Arjuna, com sede em Massachusetts, mas disse que o tribunal não tinha jurisdição sobre a Follow This, com sede em Amsterdã. A Exxon ainda está processando.

Os ativistas estão se reagrupando. Temem que o objectivo final da Exxon seja acabar com a prática estabelecida de resoluções accionistas activistas para além do clima. Essas votações também abordam a remuneração dos executivos, os direitos de voto e outras questões de governança corporativa.

Uma ideia nova: aumentar a pressão sobre Wall Street. “Em geral, deveríamos nos concentrar muito mais nos investidores” do que nas grandes empresas petrolíferas que “simplesmente não querem mudar”, disse Mark van Baal, fundador da Follow This, ao DealBook. Ele disse que conquistar fundos de pensões e empresas como BlackRock, Vanguard e State Street, que têm participações significativas em empresas petrolíferas, daria mais influência aos activistas.

Mas essas empresas enfrentam uma reação adversa separada. Muitos foram criticados por abraçarem o investimento ESG ou por priorizarem princípios ambientais, sociais e de governação. De acordo com um relatório da RBC Capital publicado na semana passada, os think tanks conservadores aprovaram um recorde de 83 resoluções de “propostas anti-despertar/anti-ESG” este ano.

Outra complicação: Van Baal disse que as grandes empresas de investimento preferem ter um diálogo privado com as empresas petrolíferas sobre a crise climática, em vez de apoiar resoluções activistas. “A indústria petrolífera fez um excelente trabalho ao convencer os investidores de que tinham de escolher entre o clima e os lucros”, disse ele.

  • Em outras notícias sobre energia: a Arábia Saudita espera supostamente arrecadar até US$ 10 bilhões já no próximo mês, vendendo ações da gigante petrolífera Saudi Aramco. E, Irfaan Ali, presidente da Guiana, disse ao Financial Times que estava aberto à possibilidade de a Chevron perfurar petróleo ao lado da Exxon nas lucrativas, mas disputadas, reservas do país.

Os argumentos finais estão programados para começar no julgamento secreto de Donald Trump na terça-feira. O júri pode iniciar as deliberações já na quarta-feira. Os promotores dizem que o ex-presidente fechou um acordo de US$ 130 mil para silenciar a estrela pornô Stormy Daniels, em um esforço para proteger sua campanha presidencial de 2016. Em outros lugares, à medida que os custos legais aumentam, a Organização Trump supostamente vendeu um dos jatos particulares de Trump para um megadoador republicano.

As ações da Apple sobem com o relatório otimista de vendas na China. As ações da gigante da tecnologia ganharam mais de 2 por cento nas negociações de pré-mercado, após um relatório da Bloomberg que As remessas de iPhone se recuperaram no segundo maior mercado da Apple no mês passado. Os consumidores chineses têm vindo a reduzir os gastos nos últimos meses e as marcas locais têm vindo a consumir a posição de liderança de mercado da Apple. Os dados mais recentes oferecem esperança de que a queda nas vendas da Apple na China possa estar chegando ao fim.

Melinda French Gates revela sua última promessa de doação. A cofundadora da Fundação Bill & Melinda Gates anunciou que iria gastar US$ 1 bilhão para apoiar os direitos das mulheres nos EUA e no exterior. A divulgação é a primeira de French Gates desde que ela anunciado que ela deixaria a fundação que fundou com Bill Gates, seu ex-marido.

A start-up de inteligência artificial de Elon Musk arrecada bilhões. O magnata da tecnologia anunciou em sua plataforma de mídia social neste fim de semana que xAI arrecadou US$ 6 bilhões de investidores como Andreessen Horowitz e Sequoia Capital, juntamente com o príncipe Alwaleed bin Talal da Arábia Saudita, avaliando a empresa em US$ 18 bilhões. Musk está tentando alcançar empresas como OpenAI, Anthropic e outras que arrecadaram enormes somas no ano passado para ajudar a comercializar seus sistemas de IA.

Adam Neumann admitiu oficialmente a derrota em seu sonho de recomprar a WeWork. DealBook é o primeiro a relatar que Neumann encerrou sua oferta para adquirir a empresa de coworking que ele co-fundou em 2010 e transformou em uma empresa global avaliada em US$ 47 bilhões antes de entrar em falência no ano passado.

Aqui está sua declaração ao DealBook: “Durante vários meses, tentamos trabalhar de forma construtiva com a WeWork para criar uma estratégia que lhe permitisse prosperar. Em vez disso, a empresa parece estar emergindo da falência com um plano que parece irrealista e com pouca probabilidade de sucesso.”

A escrita ficou na parede por semanas. Neumann deixou o cargo de CEO da WeWork em 2019, depois que a empresa não conseguiu abrir o capital em meio a dúvidas sobre seu modelo de negócios e governança corporativa. Mas em fevereiro, DealBook relatado que Neumann estava planejando uma ação audaciosa para recomprar a empresa.

Sua nova empresa imobiliária, Flow, que é apoiada por empresas como Andreessen Horowitz, a empresa de capital de risco, ofereceu mais de US$ 500 milhões. O plano era comprar a WeWork ou seus ativos e injetar financiamento para falência para mantê-la funcionando.

A WeWork encontrou uma tábua de salvação diferente, congelando Neumann. Um juiz de falências dos EUA no mês passado aprovou um acordo de reestruturação que essencialmente eliminou US$ 4 bilhões em dívidas da empresa. Também incluiu US$ 450 milhões em novos financiamentos do SoftBank, o investidor japonês em tecnologia que apoiou a WeWork desde seus primeiros dias, permitindo-lhe sair da falência do Capítulo 11.

A WeWork tem estado ocupada renegociando aluguéis em um esforço para se livrar US$ 11 bilhões em obrigações de aluguel. A ascensão do trabalho híbrido desde os primeiros dias da pandemia do coronavírus atingiu duramente o setor imobiliário comercial. Um aumento no número de vagas ajudou empresas como a WeWork a refazer acordos com proprietários, mas também está lançando dúvidas sobre o potencial de crescimento do modelo de negócios de espaço de trabalho compartilhado.


A guerra de lances pela Vista Outdoor está prestes a entrar em outra rodada. A empresa-mãe por trás de marcas de munição como as garrafas de água Remington e CamelBak deve anunciar na terça-feira que o Grupo Checoslovaco, uma empresa de defesa com sede em Praga, aumentou sua oferta para US$ 1,96 bilhão.

Vista espera que isso seja suficiente para evitar uma oferta separada da MNC Capital, uma empresa de investimentos associada a Mark Gottfredson.

Espera-se que Vista diga que a nova proposta do CSG é melhor para os acionistas. A CSG adicionou cerca de US$ 50 milhões à sua oferta, e a Vista também deve anunciar que retornará US$ 130 milhões aos investidores, além disso, após um forte quarto trimestre.

Como chegamos aqui: A Vista concordou em vender seu negócio de munições para a CSG por US$ 1,9 bilhão, deixando a Revelyst, sua divisão não relacionada a armas de fogo, como uma empresa pública independente. Em março, a MNC ofereceu US$ 3 bilhões para toda a empresa. No mês passado, a Vista concordou em conversar com a empresa, mas disse que a oferta da MNC Revelyst subvalorizadoe pressionou por uma oferta mais alta.

Espera-se agora que o Vista rejeite a oferta da MNC. A empresa deverá dizer que ainda não recebeu uma oferta melhor ou compromisso de financiamento, embora tenha compartilhado material confidencial com a multinacional depois de concordar em conversar com a empresa.

A oferta revisada do CSG não resolve a nuvem de segurança nacional que paira sobre qualquer acordo. O acordo CSG está a ser analisado pelo Comité de Investimento Estrangeiro nos Estados Unidos, o órgão interagências que analisa as implicações para a segurança nacional dos investimentos estrangeiros em empresas norte-americanas.

A MNC não está sujeita a tal revisão porque é uma empresa americana. Mas destacou essas preocupações em correspondência com o CFIUS, dizendo que o acordo CSG daria a uma empresa estrangeira o controlo do fornecimento ocidental de um ingrediente-chave em munições. A MNC também argumentou que a sua oferta atribui à Revelyst 1,1 mil milhões de dólares em valor empresarial, quase o dobro dos 570 milhões de dólares implícitos no acordo original da CSG.


Ransom Hub, um grupo de hackers, disse na segunda-feira que estava por trás de um grande ataque cibernético ao site da Christie’s dias antes de o leiloeiro iniciar suas vendas de primavera. O grupo também alegou ter obtido informações confidenciais sobre ricos colecionadores de arte que divulgaria até o final de maio.


Os dados de inflação voltarão a aparecer esta semana. Aqui está o que observar.

Terça-feira: O Conference Board divulga o seu índice mensal de confiança do consumidor e a cadeia de restaurantes Cava divulga os resultados do primeiro trimestre no meio de uma forte recuperação das suas ações.

Os acionistas da Hess devem votar a aquisição da empresa petrolífera pela Chevron por US$ 53 bilhões.

Quarta-feira: O livro bege do Fed, que detalha a atividade económica em 12 distritos, está pronto para ser divulgado. HP e Salesforce reportam lucros trimestrais.

E chegou o prazo final para o Grupo BHP fazer uma oferta formal para comprar a Anglo American, uma gigante mineradora rival.

Quinta-feira: Dell, Dollar General e Marvell Technology divulgam resultados trimestrais.

Sexta-feira: Wall Street estará a acompanhar atentamente a publicação do relatório de Despesas de Consumo Pessoal, a medida de inflação preferida da Fed. Da mesma forma, os investidores receberão dados do Índice de Preços ao Consumidor da zona euro, o último grande relatório de inflação antes da reunião de fixação de taxas do Banco Central Europeu, na próxima semana.

Ofertas

Política

O melhor do resto

Gostaríamos de receber seu feedback! Por favor, envie pensamentos e sugestões para dealbook@nytimes.com.