O avanço da inteligência artificial (IA) tem transformado radicalmente o mercado de trabalho, levantando questões cruciais sobre seu impacto nas práticas laborais. Uma geração que está na vanguarda dessas mudanças é a Geração Z, que, ao incorporar a IA em suas rotinas profissionais, se depara com dilemas éticos e práticos.

Um estudo recente conduzido pela EduBirdie revelou que muitos profissionais da Geração Z estão adotando o ChatGPT, um modelo de linguagem baseado em IA, para otimizar suas tarefas diárias. Essa decisão, embora promova eficiência e criatividade, não está isenta de repercussões emocionais.

A pesquisa destacou que 36% dos entrevistados sentem-se culpados por recorrer à IA no trabalho. A dependência do ChatGPT é uma preocupação expressa por 1 em cada 3 entrevistados, temendo o impacto negativo sobre suas habilidades de pensamento crítico. Esse comportamento reflete a consciência ética inerente à Geração Z, mais sensível às implicações sociais e éticas da IA.

Entretanto, além das questões éticas, há também obstáculos práticos a serem superados. Cerca de 20% dos entrevistados relataram dificuldades no manuseio da IA no ambiente profissional, resultando, em alguns casos, em demissões. Essa realidade ressalta a urgência de uma educação mais abrangente sobre o uso responsável da IA como ferramenta de trabalho.

Apesar dos desafios, a IA proporciona benefícios consideráveis para a Geração Z. A pesquisa indicou que metade dos entrevistados sentiu-se mais criativa com o auxílio da IA, enquanto aproximadamente 1 em cada 7 relatou um aumento salarial associado ao seu uso.

As áreas de aplicação da IA abrangem desde pesquisas até a escrita de conteúdo, passando pela geração de ideias e melhoria de currículos para processos de contratação. Contudo, à medida que a tecnologia avança, crescem as preocupações sobre sua substituição de profissionais em diversas áreas. Embora apenas 9% dos entrevistados acreditem que a IA possa substituí-los no trabalho no presente, 61% temem essa possibilidade nos próximos 10 anos.

É fundamental reconhecer que, apesar de suas capacidades, a IA ainda carece do discernimento e da experiência humanos para lidar com situações complexas. Portanto, encontrar um equilíbrio entre a utilização eficaz da IA e a preservação das habilidades humanas é essencial para o futuro do mercado de trabalho.

A Geração Z encontra-se diante de um desafio significativo ao adotar a inteligência artificial em suas atividades profissionais. Contudo, com a educação adequada e uma abordagem consciente, essa geração pode moldar um futuro promissor, onde a IA é uma aliada, não uma substituta, no local de trabalho.