O secretário de Estado, Antony J. Blinken, reuniu-se com o líder da China, Xi Jinping, em Pequim, na sexta-feira, numa tentativa de manter uma relação turbulenta, apesar das disputas sobre a economia, segurança nacional e fricções geopolíticas no Leste Asiático, no Médio Oriente e na Ucrânia.

Tanto a China como os Estados Unidos afirmaram esperar progressos em algumas frentes mais pequenas e pragmáticas, incluindo a melhoria das comunicações. Mas permanecem paralisados ​​em questões estratégicas fundamentais, incluindo políticas comerciais e conflitos territoriais no Mar do Sul da China e sobre Taiwan. . Ambos os lados reconhecem o perigo de a relação evoluir para mais conflitos.

A administração Biden está profundamente preocupada com o facto de as exportações chinesas baratas estarem a ameaçar os empregos nos EUA e está preocupada com o apoio da China à Rússia na guerra da Ucrânia. E a China acusou os Estados Unidos de trabalharem para cercar os interesses chineses no Pacífico.

No início do dia, Blinken passou mais de cinco horas com o ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, em reuniões e em um almoço de trabalho na Diaoyutai State Guesthouse, em Pequim.

Nas suas observações, Wang adoptou um tom um pouco mais conciliatório do que no passado, dizendo a Blinken que “a relação China-EUA está a começar a estabilizar” e que o seu futuro dependeria das decisões de ambos os países. Durante a visita do Sr. Blinken no ano passado, o Sr. colocou a culpa pela deterioração dos laços com os Estados Unidos, que, segundo ele, precisavam “refletir sobre si mesmos”.

Mas Wang também alertou na sexta-feira que os fatores negativos no relacionamento ainda estavam “aumentando e crescendo”.

“O relacionamento está enfrentando todos os tipos de interrupções”, disse Wang na sexta-feira. “Os legítimos direitos de desenvolvimento da China foram injustificadamente suprimidos e os nossos interesses fundamentais enfrentam desafios.”

“Espero que possamos fazer algum progresso nas questões nas quais os nossos presidentes concordaram que deveríamos cooperar, mas também esclarecer as nossas diferenças, a nossa intenção, e deixar bem claro uns aos outros a nossa posição”, respondeu Blinken.

Entre outros objectivos, as autoridades norte-americanas querem que a China faça progressos na contenção do fluxo para os Estados Unidos de produtos químicos usados ​​para produzir fentanil e reforce a comunicação entre os militares dos respectivos países para tentar evitar acidentes e mal-entendidos. As autoridades chinesas disseram que promoveriam mais intercâmbios culturais entre os países e pressionariam os Estados Unidos a encerrar os interrogatórios de estudantes chineses na fronteira.

Nas últimas semanas, as autoridades norte-americanas começaram a levantar preocupações com maior urgência sobre a assistência económica da China à Rússia. A China negou ter fornecido armas para o esforço de guerra da Rússia, o que, segundo Washington, seria uma linha vermelha, mas as autoridades norte-americanas dizem que o país ainda está a impulsionar a indústria de defesa da Rússia através da venda de componentes que podem ser utilizados para fins civis ou militares.



Source link