Os serviços de segurança da Ucrânia disseram na terça-feira que frustraram uma conspiração russa para assassinar o presidente Volodymyr Zelensky e outras importantes figuras militares e políticas. Dois coronéis ucranianos acusados ​​de participar na conspiração foram presos sob suspeita de traição.

A agência de inteligência interna ucraniana, a SBU, disse em um comunicado que a conspiração envolvia uma rede de agentes – incluindo os dois coronéis – dirigida pelo Serviço Federal de Segurança da Rússia, ou FSB, a principal agência sucessora da KGB. De acordo com a agência ucraniana, os agentes que trabalhavam sob as ordens da Rússia foram encarregados de identificar pessoas próximas à equipe de segurança do Sr. Zelensky que poderiam levá-lo como refém e depois matá-lo.

O comunicado da agência disse que os outros altos funcionários ucranianos visados ​​no complô incluíam Vasyl Malyuk, chefe da SBU, e o general Kyrylo Budanov, chefe da agência de inteligência militar da Ucrânia. As alegações ucranianas não puderam ser verificadas de forma independente.

Não é a primeira vez que a Ucrânia denuncia uma potencial tentativa de assassinato dirigida aos seus principais líderes. O próprio Zelensky disse em um entrevista com um canal de televisão italiano no início deste ano que os seus serviços de segurança lhe tinham informado de mais de 10 tentativas deste tipo.

Os serviços de segurança da Ucrânia ofereceram poucos detalhes sobre planos de assassinato anteriores. Mas desta vez, a agência foi um pouco exaustiva na sua declaração para descrever como os responsáveis ​​ucranianos seriam mortos.

Os serviços afirmaram que os dois coronéis acusados ​​no complô pertenciam à Administração de Segurança do Estado, que protege altos funcionários. Eles foram recrutados antes da invasão em grande escala da Ucrânia pela Rússia em fevereiro de 2022, de acordo com o comunicado, que identificou três membros do FSB – Maxim Mishustin, Dmytro Perlin e Oleksiy Kornev – como comandando a operação a partir de Moscou.

O assassinato do general Budanov, disseram os serviços, estava planejado para ocorrer antes da Páscoa Ortodoxa, que foi celebrada em 5 de maio. A rede de agentes do FSB na Ucrânia foi encarregada de observar e transmitir informações sobre o paradeiro do general Budanov, os serviços de segurança ucranianos disse. Assim que sua localização fosse confirmada e comunicada, ele teria sido alvo de um ataque de foguetes e drones.

As armas para o ataque foram fornecidas a um dos coronéis, incluindo drones de ataque, munições para um lançador de foguetes e minas antipessoal, segundo os serviços de segurança e o procurador-geral da Ucrânia. O coronel deveria passar as armas a outros agentes para realizar o ataque, disse o comunicado ucraniano.

A esposa do general Budanov foi envenenada no final do ano passadode acordo com a agência de inteligência militar ucraniana, num incidente que levou a especulações generalizadas de que a Rússia estava a intensificar esforços para atingir a liderança sênior da Ucrânia.

A SBU também relatado no mês passado, tinha detido, em cooperação com os serviços de segurança polacos, um polaco que, segundo ele, se tinha oferecido para espionar para a Rússia como parte de uma conspiração para assassinar Zelensky.

A Rússia não fez comentários imediatos sobre as alegações de terça-feira.