Portugal enfrenta um desafio persistente em relação aos seus salários médios, que permanecem significativamente abaixo da média europeia e mundial. Recentemente divulgados dados da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) confirmam essa realidade preocupante, destacando a disparidade salarial entre Portugal e outras economias desenvolvidas.

Desde o início do século, Portugal tem visto sua posição relativa em termos de salários médios diminuir, com a progressão salarial ficando aquém da média da OCDE. Em 2000, Portugal estava à frente de 11 países membros da OCDE em termos de salários médios; no entanto, em 2022, essa posição foi reduzida para apenas cinco países. A situação é ainda mais preocupante quando comparada com países vizinhos como a Espanha, onde a diferença salarial permanece substancial.

Os salários médios em Portugal são notavelmente inferiores aos de outros países europeus, como a Polônia, o que destaca a necessidade urgente de abordar as questões subjacentes que contribuem para essa disparidade. A falta de produtividade tem sido apontada como um dos principais fatores, com a produtividade portuguesa em 2022 representando apenas 72% da média da zona euro, colocando o país em desvantagem em comparação com seus pares europeus.

Para enfrentar esse desafio, é essencial um investimento significativo em melhorias na qualidade e quantidade dos fatores de produção, incluindo trabalho e capital. Isso requer uma abordagem abrangente que englobe não apenas a educação e o treinamento, mas também investimentos em infraestrutura moderna, redução da burocracia, melhoria da gestão de recursos humanos e materiais, e estímulo à concorrência.

É fundamental reconhecer que a melhoria dos salários médios não é apenas uma questão econômica, mas também uma questão de coesão social. Grandes disparidades salariais podem minar a coesão social e criar divisões significativas dentro da sociedade. Portanto, é imperativo que medidas sejam tomadas para promover uma distribuição mais equitativa da riqueza e dos rendimentos.

Em última análise, elevar os salários médios em Portugal requer um esforço conjunto do governo, do setor privado e da sociedade civil para enfrentar os desafios estruturais que impedem o crescimento econômico sustentável e a prosperidade para todos os portugueses. Apenas com um compromisso renovado com o investimento e a reforma estrutural pode Portugal aspirar a alcançar níveis salariais mais condizentes com os padrões europeus e globais.

Confira os salários nos principais países. Valores anuais.

EUA: € 72,816
Suíça: € 68,613
Austrália: € 55,843
Alemanha: € 55,404
Reino Unido: € 50,746
Noruega: € 50,531
OCDE: € 50,211
Espanha: € 40,288
Polónia: € 34,683
Portugal: € 30,006
Grécia: € 24,420
México: € 15,684

Fonte: OCDE, valores anuais em euros tendo em conta a paridade do poder de compra.