A Rússia disse na segunda-feira que realizaria exercícios militares com tropas baseadas perto da Ucrânia para praticar o possível uso de armas nucleares no campo de batalha, aumentando as tensões com o Ocidente depois que dois líderes europeus levantaram a perspectiva de uma intervenção ocidental mais direta na guerra.

Essas armas, muitas vezes referidas como “táticas”, são concebidas para utilização no campo de batalha e têm ogivas mais pequenas do que as armas nucleares “estratégicas” destinadas a atingir cidades. O Ministério da Defesa da Rússia disse que o presidente Vladimir V. Putin ordenou um exercício para pessoal de mísseis, aviação e naval para “aumentar a prontidão das forças nucleares não estratégicas para realizar missões de combate”.

As autoridades russas alegaram que a ordem foi uma resposta aos comentários do Ocidente sobre a possibilidade de um envolvimento mais direto do Ocidente na guerra na Ucrânia. E aconteceu no início de uma semana de ampla publicidade ao líder russo, com a sua tomada de posse marcada para terça-feira, seguida na quinta-feira pela reunião anual Celebração do Dia da Vitóriaque comemora a derrota soviética da Alemanha nazista em 1945.

O anúncio do exercício foi o aviso mais explícito da Rússia na sua invasão da Ucrânia, que durou mais de dois anos, de que poderia usar armas nucleares tácticas naquele país.

As autoridades ocidentais há muito que se preocupam com a possibilidade de a Rússia utilizar tais armas, especialmente se enfrentar sérios reveses no campo de batalha. Mas o Sr. Putin negado tão recentemente, em Março, que alguma vez tinha considerado isso, ao mesmo tempo que lembra regularmente ao mundo o vasto arsenal nuclear da Rússia como forma de manter sob controlo o apoio militar do Ocidente à Ucrânia.

O Ministério da Defesa disse que o exercício seria realizado “para garantir incondicionalmente a integridade territorial e a soberania do Estado russo em resposta a declarações provocativas e ameaças de autoridades ocidentais individuais contra a Federação Russa”.

O exercício, disse o Ministério da Defesa, envolveria forças do Distrito Militar do Sul, uma área que cobre a Ucrânia ocupada pela Rússia e parte da região fronteiriça da Rússia com a Ucrânia. Ele disse que o exercício ocorreria “em um futuro próximo”.

Dmitri S. Peskov, porta-voz do Kremlin, disse que as “ameaças” ocidentais em questão incluíam uma recente entrevista com o presidente Emmanuel Macron da França publicado pelo The Economist, no qual o líder francês repetiu seu recusa em descartar o envio de tropas terrestres para a Ucrânia.

Peskov também aludiu a um comentário feito na semana passada por David Cameron, o principal diplomata britânico, no qual afirmou que a Ucrânia era livre para usar armas britânicas para atacar dentro da Rússia – um afastamento da política típica dos governos ocidentais de desencorajar tais ataques, a fim de para evitar ser arrastado ainda mais para a guerra.

“Esta é uma rodada completamente nova de escalada de tensões – sem precedentes”, disse Peskov aos repórteres na segunda-feira. “E, claro, requer atenção especial e medidas especiais.”

Pavel Podvig, um estudioso das forças nucleares russas, disse numa entrevista que a Rússia já conduziu tais exercícios antes, embora raramente os tenha tornado públicos. Desta vez, porém, o objetivo é enviar uma mensagem forte, disse ele.

“Esta é uma reação a declarações específicas, um sinal de que a Rússia possui armas nucleares”, disse Podvig numa entrevista por telefone.

Ao contrário das armas nucleares estratégicas, que estão sempre em estado de prontidão para o combate, as não estratégicas são armazenadas em armazéns longe dos bombardeiros, mísseis ou navios que deveriam entregá-las, disse Podvig. Durante o exercício, as formações do exército russo provavelmente praticarão como poderiam ser mobilizadas, disse ele. Mas faria pouco sentido utilizá-los no contexto da guerra em curso na Ucrânia, acrescentou Podvig.

“Este sistema de armas existe para enviar um sinal”, disse ele.

Putin não fez quaisquer comentários públicos sobre os exercícios. Na terça-feira, ele tomará posse para seu quinto mandato como presidente.

Ivan Nechepurenko contribuiu com reportagens de Batumi, Geórgia.