Chrono Trigger é tido como um clássico absoluto entre os RPGs de Super Nintendo. Lançado em 1995 no videogame da Nintendo, ele não demorou muito para ganhar a atenção do público por conta de seus vários recursos que não eram muito comuns à época, como múltiplos finais, técnicas combinadas e muito mais.

O passar do tempo fez com que ele ganhasse edições para outras plataformas, e em cada uma delas tivemos a chance de ver uma mudança ou outra. E aí, a dúvida que fica no ar é: o que de fato altera em cada uma delas? É o que você vai conferir nas linhas a seguir.

Super Nintendo

A edição de Super Nintendo foi o ponto de partida para o sucesso deste game que é tido como um dos melhores criados pela então Squaresoft. Muito disso se deve ao time de desenvolvimento envolvido no projeto, que contou com nomes como o designer Hironobu Sakaguchi, o diretor Yuji Hori e o artista Akira Toriyama.

A trama do game com suas viagens no tempo e personagens bem construídos fez com que o público se sentisse atraído pelo enredo, acompanhando a viagem de Crono, Marle, Lucca e companhia enquanto tentavam deter Lavos, o alienígena que tinha como plano destruir o planeta Terra no ano 1999.

Como resultado dessa jornada, fomos premiados com a possibilidade de acompanhar mais de uma dezena de finais, combinar os poderes dos personagens para gerar golpes duplos e triplos ainda mais fortes e realizar diversas missões paralelas como opcionais ao final da jornada. 

PS1

A versão para PS1 foi a segunda a chegar às lojas em uma coletânea com Final Fantasy III, e acabou ganhando a atenção do público por trazer como grande diferencial algumas animações assinadas pelo próprio Akira Toriyama, recriando momentos importantes da jornada com outra visão.

Entretanto, muitas pessoas torceram o nariz por ser uma versão que trazia loadings antes de cada batalha ou ao abrir os menus, o que certamente atrapalhava bastante a experiência ao longo da aventura.

Nintendo DS

Quando muitos imaginavam que a Square Enix não queria saber de mais nada com Chrono Trigger, tivemos a chance de jogar essa versão que chegou ao Nintendo DS com o dinamismo do jogo para Super Nintendo, as animações da edição destinada ao PS1 e, de quebra, conteúdo inédito.

Além de diálogos com tradução revisada, essa versão conta com alguns minigames extras, duas dungeons inéditas (The Dimensional Vortex e Lost Sanctum), novos equipamentos para os personagens (alguns que inclusive fazem Lucca ir de uma personagem levemente dispensável a uma das mais fortes da party) e, pasmem, um final novo que faz a ponto entre Chrono Trigger e Chrono Cross.

Android e iOS

A versão destinada aos dispositivos móveis toma como base o conteúdo presente na edição que chegou ao Nintendo DS, mas com algumas mudanças na fonte do texto do jogo (que não agradou algumas pessoas) e o uso da tela de toque para os controles. Porém, esse sistema não foi tão bem otimizado, e a proximidade entre os botões faz com que alguns comandos sejam repassados de maneira errônea.

PC

O PC também recebeu uma versão de Chrono Trigger que foi bastante criticada no começo por tomar como base o game lançado para Android e iOS e trazer alguns recursos que não faziam sentido (como fontes mal-otimizadas nos textos e até mesmo os controles por toque), forçando a Square Enix a lançar algumas atualizações até que ele ficasse decentemente jogável.

Outro ponto é que essa versão deixa de lado os minigames da Arena of Ages presente na edição para Nintendo DS, onde era possível treinar monstros para usar em confrontos que valiam itens e equipamentos.

Wii

A edição de Chrono Trigger para Wii é a mesma vista no Super Nintendo, com a diferença de que, tal como em outros games que foram disponibilizados via Virtual Console, dava para salvar o progresso parando a partida a qualquer momento e retomando de onde estava antes ao carregar o jogo novamente.

PS3, PSP e PS Vita

Por fim, temos a versão lançada para consoles mais recentes da Sony, que tomam como base a edição que chegou ao PS1. Os loadings ainda existem por aqui (apesar de haver uma maneira de deixar eles um pouco mais rápidos), e o game também conta com filtros gráficos para suavizar os visuais.

Qual é a melhor versão de Chrono Trigger?

Caso esteja pensando em adquirir apenas uma versão do game, podemos dizer sem sombra de dúvidas que, no momento, a edição destinada ao Nintendo DS é a melhor por tudo que apresenta em seu pacote. Pode ser que isso mude caso a Square Enix lance um remake do game, mas enquanto isso não acontece o favorito já foi escolhido por muitos.

E para você, qual é a melhor versão de Chrono Trigger? Compartilhe a sua opinião com os leitores do Voxel usando nossas redes sociais.



Source link