A inflação global está a começar a arrefecer após campanhas agressivas dos bancos centrais para controlar os preços elevados, e as perspectivas económicas estão a melhorar após um período turbulento, mas as nuvens pairam sobre a recuperação, de acordo com uma previsão divulgada na quinta-feira.

A recuperação está a desenrolar-se a uma velocidade desigual em todo o mundo e as tensões geopolíticas podem representar um grande risco para o crescimento e a inflação — especialmente se o conflito no Médio Oriente e ataques no Mar Vermelhouma zona marítima crítica para o comércio, se alargasse, o Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económicoum think tank em Paris, na sua última pesquisa económica.

“A economia global provou ser resiliente, a inflação diminuiu à vista das metas do banco central e os riscos para as perspectivas estão a tornar-se mais equilibrados”, disse o secretário-geral da organização, Mathias Cormann, durante uma conferência de imprensa quinta-feira em Paris. “Mas a incerteza permanece.”

A inflação entre os 38 países membros da OCDE deverá cair para 4,8 por cento este ano e 3,5 por cento em 2025, depois de ter atingido 9,4 por cento em 2022, quando a invasão da Ucrânia pela Rússia ajudou a desencadear uma crise energética. A inflação nos Estados Unidos e na área do euro deverá cair este ano e no próximo em direcção a uma meta de 2 por cento que os decisores políticos consideram essencial para a manutenção da estabilidade dos preços.

“Passamos por um choque inflacionário de uma geração”, disse a economista-chefe da organização, Clare Lombardelli, durante o briefing. Os maiores aumentos de preços ocorreram em produtos essenciais como alimentos e energia, disse ela, acrescentando: “Aqueles com rendimentos mais baixos foram pressionados”.

As altas taxas de juros ajudaram a reduzir os preços, mas ainda existe o risco de a inflação permanecer mais alta por mais tempo do que o esperado, disse Lombardelli.

Nos Estados Unidos, a Reserva Federal deixou as taxas de juros estáveis na quarta-feira, citando cautela sobre o quão teimosa a inflação estava se mostrando. Mesmo assim, espera-se que os Estados Unidos continuem a ser um motor do crescimento global este ano, expandindo-se a um ritmo de 2,6%, prevê a OCDE. Mas a economia começará a arrefecer no próximo ano, abrandando para 1,8 por cento do crescimento, à medida que as empresas e as famílias se adaptam aos elevados custos dos empréstimos e começam a reduzir os gastos, afirma o relatório.

A Europa está muito atrasada em comparação, uma vez que o aumento dos preços da energia restringiu a produção e uma crise no custo de vida impediu os consumidores de gastar. Tanto o bloco monetário do euro como a Grã-Bretanha terminaram 2023 em recessão, agravada pelas taxas de juro recordes aplicadas pelo Banco Central Europeu e pelo Banco de Inglaterra para ajudar a combater a inflação.

A Alemanha foi especialmente atingida pelo choque energético, embora a recessão na zona euro tenha sido compensada, em certa medida, por um crescimento mais forte. crescimento nos países do sul da Europa como Grécia e Espanha. As perspectivas deverão melhorar no próximo ano, à medida que as taxas de juro elevadas diminuírem, desencadeando mais gastos por parte das empresas e das famílias. A OCDE prevê que a economia da zona euro se expanda 1,5% em 2025, mais do dobro da taxa de crescimento esperada para este ano.

No entanto, na Grã-Bretanha, o crescimento permanecerá lento em 0,4 por cento em 2024, antes de melhorar para apenas 1 por cento em 2025, uma vez que as taxas de juro permanecem elevadas, tornando-a a economia mais fraca entre as nações do Grupo dos 7.

Na China, um boom nas exportações, desde painéis solares a veículos eléctricos, impulsionou o sector industrial e está a ajudar a compensar uma queda devastadora no mercado imobiliário, que representa cerca de um quarto da economia. Um desdobramento rápido crise imobiliária minou a riqueza de milhões de chineses e não atingiu o fundo do poço, levando o governo a implementar gastos de estímulo. O crescimento da China deverá desacelerar moderadamente, para 4,9% em 2024 e 4,5% no próximo ano, disse a OCDE.

A organização apontou outros riscos, incluindo a possibilidade de as taxas de juro nas maiores economias terem de permanecer elevadas se a inflação não arrefecer tanto quanto o esperado. Isto poderá dar origem a novas vulnerabilidades financeiras, especialmente nos países emergentes, onde grandes montantes de dívidas com vencimento nos próximos três anos poderão ter de ser prorrogados a custos mais elevados.

Num cenário incerto, a organização admoestou os governos a fazerem um melhor trabalho na gestão do aumento geral da dívida a nível mundial – um problema que deverá agravar-se especialmente em países que em breve enfrentarão pressões adicionais de despesas decorrentes do envelhecimento da população.