No Instagram, o designer compartilhou uma mensagem longa em italiano:

“Nem todas as histórias têm um começo e um fim, algumas vivem uma espécie de presente eterno que brilha com uma luz intensa, tão forte que não deixa sombras. Estive nesta empresa por 25 anos e, por 25 anos, existi e vivi junto com as pessoas que, comigo, teceram os fios desta bela história que é minha e nossa. Tudo existiu e existe graças às pessoas que conheci, com quem trabalhei, com quem compartilhei sonhos e criei beleza, com quem construí algo que pertence a todos e que permanece imutável e tangível. Carrego este patrimônio de amor, sonhos, beleza e humanidade comigo, hoje e para sempre.”

Ele também agradeceu a Valentino Garavani, Giancarlo Giammetti e sua equipe, escrevendo: “Foi um privilégio e uma honra compartilhar minha jornada e meus sonhos com vocês”.

Piccioli ingressou na Valentino em 1999 com Maria Grazia Chiuri, sua ex-colaboradora, após quase uma década projetando acessórios na Fendi. Uma vez lá, a dupla atraiu atenção por seu trabalho em bolsas e óculos na marca, especificamente, e eventualmente assumiu a liderança da Red Valentino em 2003.

Em 2009, eles sucederam Alessandra Facchinetti como co-diretores criativos da Valentino. Durante o tempo de colaboração, Chiuri e Piccioli tiveram muitos sucessos (a linha Rockstud era inevitável no início dos anos 2010), bem como alguns fracassos – especialmente acusações de apropriação cultural. Chiuri saiu em 2016 para assumir a Dior.

Desde que assumiu a direção criativa da casa sozinho, Piccioli e Valentino têm recebido grande aclamação. Suas criações de alta costura se tornaram favoritas no tapete vermelho, e ele foi fundamental na invasão do Barbiecore na moda com seu Pink PP. Ele foi homenageado na lista Time 100, foi capa da edição BoF 500 do Business of Fashion e ganhou um prêmio de moda de Designer do Ano.

A coleção mais recente de Piccioli para a casa, para o Outono de 2024, foi inteiramente em preto – uma partida de sua abordagem usual vibrante e colorida, mas também talvez uma despedida solene do cargo que ocupou por 25 anos.

Em comunicado, o CEO da Valentino, Jacopo Venturini, disse: “Sou grato a Pierpaolo por seu papel como diretor criativo e por sua visão, comprometimento e criatividade que trouxeram à Maison Valentino o que ela representa hoje”.

O presidente, Rachid Mohamed Rachid, acrescentou: “Estendemos nossa mais profunda gratidão a Pierpaolo por escrever um capítulo importante na história da Maison Valentino. Sua contribuição ao longo dos últimos 25 anos deixará uma marca indelével.”

Nenhum sucessor foi nomeado. Um comunicado à imprensa anunciando a saída de Piccioli disse: “Uma nova organização criativa para a Maison será anunciada em breve.”