A diretora do Programa Alimentar Mundial, Cindy McCain, afirma que partes da Faixa de Gaza vivem uma “fome total” que se espalha rapidamente por todo o território após quase sete meses de guerra.

A Sra. McCain é a segunda norte-americana de destaque a liderar um governo dos EUA ou um esforço de ajuda da ONU que afirmou que há fome no norte de Gaza, embora as suas observações não constituam uma declaração oficial, o que é um processo burocrático complexo.

“Há fome – fome total no norte, e está se movendo para o sul”, disse McCain em uma entrevista no Meet The Press na sexta. A entrevistadora, Kristen Welker, pediu à Sra. McCain que repetisse.

“O que você está dizendo é significativo”, disse Welker. “Você está dizendo que há fome total no norte de Gaza?”

“Sim, estou”, respondeu McCain. “Sim eu sou.”

A primeira autoridade americana a dizer que havia fome em Gaza durante o conflito foi Samantha Power, diretora da Agência dos EUA para o Desenvolvimento Internacional, que fez os seus comentários em depoimento no Congresso no mês passado.

McCain foi nomeada pelo presidente Biden como embaixadora americana nas Agências da ONU para Alimentação e Agricultura em 2021 e tornou-se chefe do PAM, uma agência da ONU, no ano passado.

Uma declaração oficial de fome normalmente envolve as Nações Unidas e o governo do país onde a fome está ocorrendo, e não está claro qual autoridade local poderá ter o poder para fazer isso em Gaza.

Na entrevista, a Sra. McCain não explicou por que não foi feita uma declaração oficial de fome. Mas ela disse que a sua avaliação foi “baseada no que vimos e no que vivemos no terreno”.

“É um horror”, disse ela. “É tão difícil de olhar e tão difícil de ouvir também. Espero que consigamos um cessar-fogo e comecemos a alimentar estas pessoas, especialmente no norte, de uma forma muito mais rápida.”

Gaza foi dominada pelo que os especialistas chamam de grave crise de fome provocada pelo homem como resultado do bombardeamento israelita e das restrições que tornaram a entrega de ajuda ao território extremamente desafiadora. A quantidade de ajuda que entra em Gaza aumentou recentemente, mas os grupos de ajuda dizem que está longe de ser adequada.

Durante as primeiras semanas da guerra, Israel manteve o que chamou de “cerco completo” de Gaza, com o Ministro da Defesa, Yoav Gallant, a dizer que “nenhuma electricidade, nenhum alimento, nenhuma água, nenhum combustível” seria permitida no território. Os militares israelenses também destruiu o porto de Gazarestrito pescaria e bombardeou muitas de suas fazendas.

Israel acabou por afrouxar o cerco, mas instituiu um processo de inspeção meticuloso que diz ser necessário para garantir que os suprimentos não caiam nas mãos do Hamas. Grupos de ajuda humanitária e diplomatas estrangeiros afirmaram que as inspeções criar gargalose acusaram Israel de usá-los para recusar ajuda por razões espúriasincluindo filtros de água, luz solar e kits médicos que contêm tesouras.

Volker Türk, chefe dos direitos humanos da ONU, disse em um comunicado no mês passado que as políticas de Israel em matéria de ajuda a Gaza poderia constituir um crime de guerra.

Israel tem enfrentado pressão crescente nas últimas semanas para permitir a entrada de ajuda em Gaza depois que os seus militares mataram sete trabalhadores humanitários internacionais de Cozinha Central Mundial em um ataque aéreo.