Gail Collins: Bret, tenho a sensação de que passaremos muito tempo conversando sobre as aventuras de Donald Trump.

Bret: Por “aventuras” você quer dizer “casos”.

Gal: Mas só para começar com algo sobre o qual discordamos, Joe Biden tem, na minha opinião, feito um excelente trabalho na construção da sua campanha de reeleição. Ele tem sido forte no meio ambiente, na criação de empregos – há muito tempo uma mancha cinzenta em seu histórico – e na tentativa de apoiar os direitos dos trabalhadores, homens e mulheres, de obterem salários e benefícios decentes.

Vai, Joe!

E – leve isso embora, Bret!

Bret: Bem, para citar o comandante-chefe: “Mais quatro anos – pausa.”

Presumo que você tenha ouvido falar dessa gafe ao estilo de Ron Burgundy em seu discurso na última quarta-feira em Washington, onde ele pareceu ler um pouco demais o teleprompter. Não seria grande coisa, exceto pelo fato de ser um lembrete de que as coisas que nos preocupavam em relação ao presidente no início do ano continuarão a nos preocupar. Como sua acuidade mental. Ou um taxa de inflação que permanece teimosamente alto, mesmo quando a economia parece estar desacelerando. Ou eleitores mais jovens que parecem estar se aproximando de Trump ou perdendo completamente o interesse pela política. Ou um crise fronteiriça isso mudou do Texas para a Califórnia e Nova York, mas não desapareceu. Ou o fato de que ele continua contando contos altos sobre seu passado. Ou a sua repetida recusa em sentar-se para entrevistas formais com jornalistas sérios – isto é, além Howard Stern.

Tudo isso para pedir que você me dê algumas razões concretas para não entrar em pânico total.

Gal: Vamos ver. Os americanos têm melhor acesso a cuidados de saúde acessíveis, com o número de não segurados a atingir o nível mais baixo de sempre este ano. O número de empregos aumentou quase 15 milhões durante seus primeiros três anos no cargo. E embora ele certamente não tenha resolvido a questão fronteiriça, a taxa geral de criminalidade é mais baixo – houve uma queda de quase 12% nas taxas de homicídio de 2022 a 2023.

Bret: Bem, espero que seja o suficiente. Parece um pouco com a cavalaria polonesa enfrentando a blitzkrieg alemã. A causa é justa, a luta é corajosa, mas os meios são… insuficientes.

Gal: Biden tem muitas coisas boas para falar. Embora eu admita que o aspecto falante nem sempre foi seu longo caminho.

Então – hora de Trump. Ele tem tido um desempenho razoavelmente bom em seus numerosos processos judiciais. Parece que a saga de Stormy Daniels em Nova York pode ser a única decidida antes das eleições.

Bret: Vou arriscar e prever um júri empatado. De todos os casos contra ele, este é o mais fraco. Pagar dinheiro secreto, também conhecido como acordo de sigilo, não é crime. Falsificar registros comerciais é quase sempre uma contravenção, não um crime. E, como meus ex-colegas do The Wall Street Journal apontaramnão eram os democratas que costumavam dizer, quando defendiam Bill Clinton no seu impeachment, que toda a gente mente sobre sexo?

Gal: Aconteça o que acontecer, é importante que o país veja este retrato da tão alardeada carreira empresarial do presidente. O que, no mundo real, sempre foi uma bagunça desleixada e dependente de amigos ricos.

Bret: O que realmente me preocupa neste caso é que, se Trump não for condenado, isso irá turbinar a sua campanha. Trump poderá dizer, com alguma credibilidade, que o Estado Profundo realmente queria apanhá-lo.

Gal: OK, Bret, você me deprimiu durante o dia. Vamos passar para – Congresso! Não acredito que estou dizendo isso, mas o Congresso tem se saído muito bem. Para o corpo patético que tem sido ultimamente, claro. Você concorda?

Bret: O governo não fechou e Mike Johnson criou coragem, além de votos, para conseguir que fossem aprovados aqueles projetos cruciais de ajuda externa à Ucrânia, Israel e Taiwan. Mais alguma coisa que eu perdi?

Gal: Fez o básico, desistiu de tentar impeachment de Biden, teve alguns votos bastante bipartidários.

Bret: Rejeitou as acusações contra Alejandro Mayorkas no Senado após sua simulação de impeachment na Câmara.

Gal: Eu diria que pelos padrões atuais isso é muito bom. Espero que seja porque os políticos estão começando a perceber que ser funcional é o tipo de coisa que a maioria dos seus eleitores gosta.

Mas ei, eu te perdôo por não querer pensar muito na performance de Mike Johnson. Vamos a algum lugar que eu sei que você está interessado. Fica a apenas alguns quarteirões de onde moro – Columbia.

Bret: Recentemente, debati com um professor de Columbia que era politicamente simpático aos protestos e sugeri que a retórica anti-semita que chamava a atenção nos meios de comunicação vinha de agitadores externos e não dos próprios estudantes de Columbia. No dia seguinte, descobri que um dos líderes estudantis havia comentou“Os sionistas não merecem viver” e “Seja grato por não estar apenas saindo e assassinando sionistas”.

Minha pergunta para a Columbia é como ela se tornou uma universidade que aceita e educa o tipo de aluno que diz algo assim – e, ainda por cima, se torna um líder do campus. Muito Edward Said e pouco Jacques Barzun, eu diria.

Gal: Tive simpatia pelos manifestantes como um símbolo dos estudantes que defendem um ponto de vista comprometido sobre uma questão nacional e internacional séria. Manifestações não-violentas como protestos são minhas favoritas porque são francamente muito chatas, e parabéns às crianças dispostas a dedicar dias e até semanas de suas vidas para apoiar movimentos de protesto simplesmente não indo a lugar nenhum.

Mas à medida que a mídia avança e começa a divulgar os comentários individuais dos alunos, em vez de uma posição política geral, as coisas podem ficar desagradáveis. A tendência anti-semita de parte do palavreado em Columbia é um bom exemplo do que pode acontecer.

Bret: Eu realmente não me oporia aos protestos se no fundo eles simplesmente se opusessem às políticas do governo israelita em Gaza. As pessoas podem ter diferenças de opinião fortes e honestas sobre esse assunto. A minha objecção é que muitos desses manifestantes opõem-se à existência de um país inteiro e de qualquer pessoa que de alguma forma faça parte dele – incluindo os muitos estudantes israelitas no campus. O idealismo dos manifestantes transformou-se em ódio, e o seu ódio está a encontrar alvo em muitas pessoas que, como eu, são judeus.

Gal: Seu ponto de vista é definitivamente importante – e torna os protestos preocupantes. Mas o debate aberto que estes protestos desencadeiam também ajuda o público a apreciar os perigos de alguns dos comentários obscuros que envolvem a crise de Israel.

Mas vamos falar de primavera – definitivamente nasceu! Algum novo livro, programa de TV, bulbo de tulipa favorito?

Bret: Boa mudança de assunto!

Eu queria assistir “Shogun” porque adorei o romance original de James Clavell quando o li quando criança. Também tenho lido “Novas Guerras Frias”, do nosso colega David Sanger, sobre os esforços da administração Biden para conter e confrontar a agressão russa e chinesa. David é provavelmente meu repórter favorito do Times — exceto pelos redatores de óbitos, é claro — em parte porque ele cobre as histórias que mais me interessam, em parte porque ele as cobre muito bem. O livro parece um thriller brilhante sobre um futuro próximo distópico que por acaso é nosso passado recente. Também fará com que você se sinta um pouco melhor em relação ao governo americano.

E você?

Gal: Você é definitivamente nosso encantador de livros. E parabéns a David Sanger, é claro – apenas o nome do autor na capa é suficiente para garantir que há algo de bom ali.

Bret: David nem nos pagou para dizer isso. Juro por Deus.

Gal: Meu trabalho é ir para o extremo oposto do continuum cultural, a TV, por isso recomendo “The Sympathizer”, uma nova minissérie da HBO. É baseado em um romance de Viet Thanh Nguyen sobre um agente duplo do Viet Cong que acaba na América.

É legal ter um entretenimento envolvente sobre a guerra do Vietnã, da qual ninguém mais fala.

Bret: A Guerra do Vietname está tão distante de nós agora como a Primeira Guerra Mundial estava distante da geração do Vietname.

Gal: Sim, devo admitir, se você tivesse me feito uma pergunta sobre a Primeira Guerra Mundial na faculdade, eu estaria totalmente perdido. Conhecia algumas das músicas, é claro.

Algo que você espera que as pessoas se lembrem sobre nossa época? Presumo que, a menos que haja um desastre nacional ou internacional ainda maior que tenhamos de enfrentar, não se falará muito sobre a Era Biden. Trump, por outro lado, é alguém que você espera que consigamos esquecer. Mas as chances não são grandes.

Bret: Para mim, será a erosão das normas democráticas na era Trump. Para os meus filhos, provavelmente será a pandemia: a forma como interrompeu a sua infância e deixou cicatrizes psíquicas permanentes em muitos dos seus amigos. Mas talvez os meus netos se lembrem destes anos da mesma forma que nos lembramos agora das décadas de 1930 ou 1850: como anos de raiva, polarizados e deprimentes que precederam os nossos melhores e mais redentores momentos. Desta vez, rezo, sem as provações sangrentas que se seguiram.



Source link