O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, de Israel, rejeitou no domingo a pressão internacional para controlar a sua campanha militar em Gaza e, falando num memorial do Holocausto, afirmou o direito de Israel de lutar contra os seus “inimigos genocidas”.

Quase sete meses após o início da guerra, Netanyahu tem sido firme no seu objectivo de destruir o Hamas. Isto, e a insistência de Netanyahu em enviar tropas para Rafah, a cidade mais a sul da Faixa de Gaza, complicou os esforços para acabar com os combates e levantou preocupações sobre o futuro dos reféns detidos pelo Hamas.

Mas Netanyahu permaneceu desafiador.

No domingo, ele falou no Yad Vashem, Memorial do Holocausto de Israel em Jerusalém, para marcar o dia nacional em memória do Holocausto. O ataque do Hamas em 7 de Outubro, disse ele, não foi um “Holocausto” – não porque o Hamas não tivesse a intenção de destruir Israel, mas devido à sua incapacidade de o fazer. Cerca de 1.200 pessoas foram mortas e mais de 200 foram feitas reféns naquele dia, dizem as autoridades israelenses. A intenção do Hamas, disse Netanyahu, era a mesma dos nazistas.

Em seu discurso, que durou cerca de 15 minutos e foi em grande parte em hebraico, Netanyahu rejeitou as acusações de que Israel estava cometendo genocídio na Faixa de Gaza. Desde o início da guerra, as autoridades de Gaza afirmam que as tropas israelitas mataram mais de 34 mil pessoas, muitas delas mulheres e crianças, embora as estatísticas não façam distinção entre civis e combatentes.

Netanyahu disse que os militares de Israel fazem tudo o que podem para evitar danos aos civis e que permitiram que a ajuda fluísse para Gaza para evitar uma crise humanitária. Um funcionário das Nações Unidas disse recentemente que partes de Gaza estão a passar por “fome total.”

Netanyahu fez questão de dizer algumas palavras em inglês dirigidas à comunidade internacional. Invocou o Holocausto ao afirmar o direito de Israel a defender-se, com ou sem apoio internacional.

“Se Israel for forçado a ficar sozinho, Israel ficará sozinho”, disse ele. “Mas sabemos que não estamos sozinhos porque inúmeras pessoas decentes em todo o mundo apoiam a nossa causa justa. E eu digo a vocês que derrotaremos nossos inimigos genocidas. Nunca mais é agora!”

Na manhã de segunda-feira, após o seu discurso, os militares israelitas deram o sinal mais forte de que iriam invadir Rafah, ao pedirem a dezenas de milhares de habitantes de Gaza que evacuassem a cidade.