Quase 200 manifestantes foram presos no sábado na Northeastern University, na Arizona State University e na Indiana University, de acordo com autoridades, enquanto faculdades de todo o país lutam para reprimir as crescentes manifestações e acampamentos pró-palestinos no campus.

Mais do que 700 manifestantes foram presos em campi dos EUA desde 18 de abrilquando a Universidade de Columbia fez com que o Departamento de Polícia de Nova York limpasse um acampamento de protesto lá. Em vários casos, a maioria dos detidos foi libertada.

No Northeastern, em Boston, os manifestantes montaram um acampamento no Centennial Common do campus esta semana, que atraiu mais de 100 apoiadores. A administração pediu aos manifestantes que saíssem, mas muitos estudantes não o fizeram.

Por volta da madrugada de sábado, policiais do estado de Massachusetts chegaram ao acampamento e começaram a prender os manifestantes, algemando-os e desmontando várias tendas. Eles disseram que prenderam 102 manifestantes. Não ficou claro quantos dos presos eram estudantes, mas a universidade disse que os estudantes que mostrassem suas carteiras de identidade universitárias estavam sendo libertados.

Uma porta-voz do Nordeste, Renata Nyul, disse que a manifestação foi “infiltrada por organizadores profissionais” e que o “uso de insultos antissemitas virulentos, incluindo ‘Matar os Judeus’, ultrapassou os limites”.

Os manifestantes negaram ambas as alegações, e um vídeo apareceu para mostrar que foi um contramanifestante pró-Israel quem usou a frase, como parte de sua crítica aos cantos dos manifestantes pró-Palestina. Em resposta a esse vídeo, a Sra. Nyul manteve os seus comentários iniciais, acrescentando que “qualquer sugestão de que comentários repulsivos e anti-semitas são por vezes aceitáveis, dependendo do contexto, é repreensível”.

Depois de os manifestantes terem sido retirados do acampamento pela polícia e depois algemados e levados para um edifício próximo, eles bloquearam um beco próximo onde estavam estacionados veículos da polícia. Eles aplaudiram em apoio quando um dos manifestantes presos – vestindo um moletom nordestino – acenou pelas janelas do prédio com as mãos amarradas com zíper.

Alina Caudle, estudante do segundo ano da Northeastern University, reiterou as exigências dos manifestantes para que a universidade divulgue os seus investimentos e se desfaça de empresas que os manifestantes consideram apoiarem a guerra de Israel em Gaza.

“Queremos que eles se desfaçam do dinheiro que estamos pagando pelas nossas mensalidades”, disse Caudle. “Nossa administração não está nos ouvindo.”

Caudle disse acreditar que a grande maioria dos estudantes no acampamento eram estudantes do Nordeste, juntamente com uma grande quantidade de estudantes e professores judeus que apoiavam o protesto.

Às 11h de sábado, a maior parte do acampamento foi liberada. Uma empresa de mudanças foi acionada para carregar as barracas, lanches e outros itens que estavam espalhados pelo local.

A prisão em massa em Northeastern foi a segunda repressão matinal contra manifestantes em um campus de Boston em menos de uma semana. Na manhã de quinta-feira, policiais de Boston prenderam 118 pessoas no Emerson College depois que os manifestantes se recusaram a se mover e formaram uma barricada.

A mais de 4.000 quilômetros de distância, na Universidade Estadual do Arizona, a polícia escolar prendeu 69 pessoas na manhã de sábado depois que elas montaram um acampamento não autorizado, o que violava a política da universidade, disseram funcionários da escola.

A escola disse que os manifestantes criaram um acampamento e que o grupo foi instruído várias vezes a se dispersar.

“Embora a universidade continue a ser um ambiente que abraça a liberdade de expressão, a primeira prioridade da ASU é criar um ambiente seguro e protegido que apoie o ensino e a aprendizagem”, disseram funcionários da escola em um comunicado.

Três pessoas também foram presas na escola em relação a um protesto na sexta-feira, autoridades disse.

Na Indiana University Bloomington, onde a polícia universitária prendeu 33 pessoas em um acampamento no início desta semana, a polícia do campus e do estado prendeu mais 23 manifestantes no sábado. As autoridades disseram que um grupo “ergueu inúmeras tendas e toldos na noite de sexta-feira com a intenção declarada de ocupar o espaço universitário indefinidamente”.

Halina Bennet contribuiu com reportagens.



Source link