As companhias marítimas globais estão cada vez mais tensas à medida que a milícia Houthi no Iémen amplia os seus ataques a navios de carga, alertou uma das maiores empresas do setor na segunda-feira.

“A zona de risco expandiu-se”, disse a Maersk, a segunda maior transportadora marítima, numa nota aos clientes, acrescentando que o stress estava a causar mais atrasos e custos mais elevados.

Desde o final do ano passado, os Houthis têm atacado navios no Mar Vermelho, por onde os navios de carga vindos da Ásia têm de passar para chegar ao Canal de Suez. Isto forçou os transportadores marítimos a evitar o mar e a seguir uma rota muito mais longa para a Europa, contornando o extremo sul de África. Mas nas últimas semanas, os Houthis têm tentado atacar navios fazendo aquela viagem mais longa no Oceano Índico.

Dado que percorrer África é mais demorado, as companhias marítimas tiveram de adicionar mais navios para garantir que podem transportar mercadorias a tempo e sem reduzir os volumes.

A ameaça aos navios no Oceano Índico só veio agravar as dificuldades. “Isso forçou nossos navios a prolongar ainda mais sua jornada, resultando em tempo e custos adicionais para levar sua carga ao destino por enquanto”, disse Maersk.

A empresa estimou que a colocação de navios e equipamentos adicionais na rota Ásia-Europa resultaria numa queda de 15% a 20% na capacidade da indústria nos três meses até ao final de Junho.

Dito isto, as companhias de navegação tem bastante capacidade disponíveis porque encomendaram muitos navios novos nos últimos anos.

A Maersk disse na segunda-feira que os clientes devem esperar sobretaxas mais elevadas nas faturas de transporte como resultado dos custos mais elevados suportados pela companhia marítima, que incluem um aumento de 40 por cento no uso de combustível por viagem.

O custo de envio de um contêiner da Ásia para um porto do norte da Europa foi de US$ 3.550 na semana passada, de acordo com o Freightos, um mercado digital de remessas, abaixo da alta recente de US$ 5.492 em janeiro e bem abaixo das taxas que subiram para mais de US$ 14.000 quando o transporte global ficou complicado durante a pandemia do coronavírus.

Os Houthis, que são apoiados pelo Irão, disseram que os seus ataques são uma resposta à guerra de Israel em Gaza.