O presidente Emmanuel Macron, da França, convocou uma reunião de crise na quarta-feira e decidiu declarar estado de emergência na Nova Caledônia, após tumultos mortais no território semiautônomo do Pacífico francês, que há muito busca a independência.

As autoridades francesas empreenderam o que chamaram de “enorme” mobilização das forças de segurança desde que eclodiram protestos violentos na Nova Caledônia esta semana sobre uma proposta de emenda à Constituição francesa que mudaria as regras de votação no território. Uma votação no Parlamento francês que aprovou a alteração na terça-feira provocou tumultos durante a noite que deixaram três pessoas mortas.

Macron reuniu-se na quarta-feira com o seu Conselho de Defesa e Segurança Nacional sobre a situação, de acordo com um comunicado do seu gabinete. Afirmou que ele expressou “forte emoção” pelas mortes e gratidão às forças de segurança francesas. Disse também que solicitou que o estado de emergência fosse declarado para o território na reunião de gabinete da tarde.

“Toda violência é intolerável e estará sujeita a uma resposta implacável” para garantir que a ordem seja restaurada, afirma o comunicado, acrescentando que Macron acolheu favoravelmente os apelos de calma por parte das autoridades.

A França anexou a Nova Caledónia, um conjunto de ilhas com uma população de cerca de 270.000 habitantes, em 1853. A perspectiva de independência alimentou décadas de tensões no território.

Depois de o conflito armado ter ceifado dezenas de vidas na década de 1980 – uma revolta conhecida como “os Eventos” – o governo francês mudança prometida. O território realizou três referendos de independência desde 2018; todos foram rejeitados.

A mudança constitucional proposta – que alarga a elegibilidade dos cidadãos franceses para votar nas eleições provinciais – tocou num novo ponto nevrálgico. Os activistas pró-independência na Nova Caledónia expressaram receios de que isso enfraquecesse o seu movimento e reflectiram uma tentativa mais agressiva do governo francês de afirmar a sua vontade sobre o território.

Os cadernos eleitorais da Nova Caledónia estão efectivamente congelados desde 2007, e apenas aqueles que foram listados em 1998 são elegíveis para votar nas eleições subsequentes. A alteração dá direito de voto a todos os cidadãos franceses que viveram no território durante 10 anos, aumentando efectivamente as listas em cerca de 20.000 a 25.000 pessoas, de acordo com Adrian Muckle, professor sénior de história na Universidade Victoria de Wellington, na Nova Zelândia, que é um especialista na Nova Caledônia.

As tensões aumentaram nas últimas semanas, com os protestos se tornando violentos na noite de segunda-feira. Apesar dos apelos de calma das autoridades, a violência aumentou desde então.

O Ministério do Interior francês disse na quarta-feira que mais de 1.800 policiais já estavam no território e que 500 reforços chegariam nas próximas 24 horas. Gérald Darmanin, ministro do Interior, disse à emissora RTL que “centenas” de pessoas ficaram feridas nos distúrbios.

Várias empresas e edifícios públicos, incluindo escolas, foram saqueados ou incendiados – com mais de 130 pessoas presas, segundo o Alto Comissariado francês.

Afirmou que o toque de recolher imposto na capital, Noumea, na terça-feira, permaneceria em vigor – assim como a proibição de todas as reuniões públicas. O aeroporto internacional de Noumea está fechado desde terça-feira, com todos os voos comerciais cancelados, e as autoridades locais disseram que as escolas permaneceriam fechadas até novo aviso.