As coisas começaram com uma briga e dificilmente melhoraram a partir daí. Ao longo dos últimos cinco meses, houve uma série de prisões; alegações de tráfico de drogas e lavagem de dinheiro; rumores sombrios de violações ilegais de dados; acusações vagas de intimidação; e várias acusações de injúrias sobre impropriedade financeira, desonestidade e traição.

Este ano, em todo o mundo, pelo menos 64 países realizarão eleições. O mesmo acontecerá com a União Europeia. As campanhas serão acirradas. Freqüentemente, eles podem ser tóxicos. Poucos, porém, se mostrarão tão virulentos – ou oferecerão um estudo de caso tão instrutivo sobre o estado da democracia em 2024 – como aquele que decidirá quem será o presidente do FC Porto.

Tal como dezenas de clubes em toda a Europa, o Porto – uma das três grandes casas do futebol português – é propriedade dos seus associados. Seu número está atualmente em algum lugar ao norte de 140.000. A cada poucos anos, o clube realiza eleições, tanto para o presidente quanto para a diretoria executiva, para determinar quem deve dirigir o clube em seu nome.

Normalmente, isso equivale a pouco mais que papelada. Apenas uma pequena porcentagem dos membros vota. A escolha geralmente é entre dois velhos essencialmente indistinguíveis, quando existe alguma escolha. Até à última volta das eleições, em 2020, o Porto era uma democracia apenas no sentido mais nominal.

Desde 1982, Jorge Nuno Pinto da Costa é presidente do Porto. Nesse período, viu a equipa ser coroada campeã da Europa duas vezes – 1987 e 2004, fãs de curiosidades – e estabeleceu-a como a força preeminente de Portugal. O Porto conquistou 23 títulos portugueses sob o comando de Pinto da Costa, nove a mais que o Benfica, seu rival mais próximo na época.

Havia, então, geralmente pouco apetite por mudanças. Frequentemente, as eleições do clube eram do tipo que poderia agradar a um homem forte em algum lugar do antigo bloco soviético. Pinto da Costa foi reeleito em grande parte sem oposição, e as votações pouco mais do que um exercício de marcação, um desfile de burocracia, com todo o entusiasmo que isso implica.

Este ano foi bem diferente. Espera-se que cerca de 35 mil membros votem no sábado, uma participação muito maior do que o normal. Eles serão solicitados a escolher um dos três candidatos presidenciais nas urnas.

Há Pinto da Costa, hoje com 82 anos, e Nuno Lobo, empresário de 54 anos e desafiante derrotado em 2020. Mais chamativo, porém, é André Villas-Boas, ainda juvenil aos 46, reverenciado não só como o jovem novato que treinou o Chelsea e o Tottenham, mas também como o treinador que levou o próprio Porto a um triplo em 2011. Tinha sido nomeado, com apenas 31 anos, sob a égide de Pinto da Costa.

Villas-Boas anunciou a sua candidatura – como membro vitalício, disse ele, sempre foi o seu sonho ser presidente do clube – numa luxuosa apresentação em novembro que contou com a presença de uma falange de ex-jogadores do Porto.

Depois tentou adotar uma abordagem diplomática com o homem que lhe dera a oportunidade. A mensagem era — em parte, reconhecidamente, por conveniência política — que, apesar de toda a gratidão devida a Pinto da Costa, era tempo de mudar. (Villas-Boas foi menos gentil com o treinador sob o qual fez o seu nome: numa emocionante montagem dos maiores triunfos do Porto, José Mourinho destacou-se pela sua ausência.)

Porém, ao desafiar um poderoso titular, Villas-Boas rapidamente descobriu que era cada vez mais difícil manter essa linha específica. Na assembleia geral do clube, em Novembro, os membros dos Super Dragões, a maior facção ultra do Porto, foram relatou ter atacado aqueles que se manifestaram contra a liderança do clube. Uma dúzia de pessoas estavam posteriormente preso, entre eles o líder do grupo, Fernando Madureira. Posteriormente, uma operação policial em sua casa encontrou drogas, armas e vários milhares de euros em dinheiro. (Madureira continua preso, aguardando julgamento.)

Isso deu o tom. Os três candidatos passaram os últimos meses percorrendo vários locais da cidade, visitando grupos de fãs e angariando votos, como faria qualquer candidato presidencial que se preze. A retórica tornou-se cada vez mais esplenética. “Quase todos os dias parece uma lavanderia, lavando roupa suja”, disse Lobo.

Pinto da Costa, claramente magoado com o que considera ser a traição de um antigo protegido, a certa altura comparou Villas-Boas ao seu cão. Acusou Villas-Boas de se rodear de “inimigos do FC Porto”, dando a entender que é apenas um fantoche dos outros. Ele destacou a linhagem de classe média alta de Villas-Boas, classificando-o como um esnobe elitista, e sugeriu que sua campanha obteve ilegalmente os números de telefone dos membros votantes.

Villas-Boas, por outro lado, tem sido implacável sobre o que considera uma má gestão do clube por parte de Pinto da Costa. Os últimos números financeiros do Porto mostraram dívidas e passivos superiores a 700 milhões de dólares, prova do que ele chamou de “estrutura disfuncional”. O clube, disse ele, está essencialmente em “falência operacional”.

Pinto da Costa, afirma, permitiu que o Porto, outrora um modelo de como os clubes podiam navegar no mercado de transferências, fosse usado como um “armazém de negociações”, com o controlo da sua estratégia de transferências essencialmente cedido a um punhado de agentes favorecidos. “A autoridade do clube foi dissipada em favor dos interesses de certos intermediários”, disse Villas-Boas.

Ele buscou garantias de transparência nas eleições e descreveu a violência de novembro – que levou a acusações de que os ultras estavam protegendo o que consideram uma relação benéfica com os atuais dirigentes do clube – como um dos “dias mais sombrios da história do Porto”. Tudo isso, afirma Villas-Boas, comprova a necessidade urgente de reforma.

Não está claro como será a eleição de sábado: o esperado comparecimento recorde é um bom presságio para Villas-Boas, mas os times de futebol são lugares inerentemente conservadores, cautelosos com mudanças drásticas e rápidos em se agarrar ao conforto do que é familiar. O Porto é feudo de Pinto da Costa há quatro décadas; os fãs, os membros, podem achar difícil imaginar um mundo em que esse não seja o caso.

O que é mais aparente, e mais desanimador, é que não é especialmente difícil traçar uma linha entre tudo isto – as acusações e alegações, as conspirações de fácil alcance, a ameaça acre de violência real – e o que pode acontecer em vez disso. maiores etapas eleitorais nos próximos meses. Ao que parece, é assim que a democracia funciona em 2024, seja o futuro de um clube ou de um país que está em jogo.


É difícil argumentar que Arne Slot não merece a sua oportunidade. Nas três temporadas no Feyenoord, ele conquistou apenas o segundo campeonato do século para o clube, conquistou uma taça holandesa e levou o time à sua primeira final europeia desde 2002. E fez tudo isso com um elenco reunido em um orçamento muito mais apertado do que o dos seus rivais nacionais.

O fato de ele ter emergido como favorito para substituir Jürgen Klopp no ​​Liverpool não é nenhuma surpresa. (No momento em que este artigo foi escrito, o treinador e o clube estavam discutindo compensações; parece provável que o ímpeto terminará em uma nomeação.)

O Liverpool prometeu uma abordagem forense e baseada em dados para a busca pelo substituto de Klopp. Slot preenche a maioria das caixas. O Liverpool pode estar apostando que a maior lacuna em seu currículo – experiência em lidar com o calibre de jogador que encontraria em Anfield – se deve mais à falta de oportunidade do que à habilidade.

O maior desafio de Slot, porém, não seria o elenco. Serão os fãs. O fato de Slot parecer, para muitos, uma escolha nada assombrosa não se deve a ele, mas sim ao homem que ele seria encarregado de substituir: Klopp, que não apenas ganhou quase todos os troféus disponíveis em seus nove anos no Liverpool , mas também estabeleceu um vínculo de ferro com a multidão e com grande parte da cidade.

Se contratado e com tempo, o Slot poderá replicar isso e talvez até superá-lo. Mas é pouco provável que o tempo seja abundante. O grande desafio para Slot – como teria sido para quem substituiu Klopp – seria o que aconteceria se o Liverpool, alguns meses depois da próxima temporada, se encontrasse em oitavo lugar na Premier League, já lutando para manter o ritmo. Slot é uma escolha racional e lógica. A prova, depois de Klopp, é emocionante.

Não havia dúvida de que a vitória do Chelsea na primeira mão da semifinal da Liga dos Campeões Feminina, contra o Barcelona, ​​na semana passada, foi uma surpresa: afinal, o Barcelona Femení não perdia há um ano, não perdia em casa desde antes do pandemia e era o grande favorito para ser coroado campeão europeu mais uma vez.

Ainda assim, a ideia do Chelsea de Emma Hayes como uma espécie de azarão ao estilo dos Mighty Ducks não se enquadra na realidade. Afinal de contas, o Chelsea quebrou o recorde mundial de transferências pelo menos duas vezes, emprega várias das jogadoras mais bem pagas do mundo e venceu cada uma das últimas quatro edições da Superliga Feminina, o torneio feminino mais rico da Europa.

O Barcelona, ​​é claro, está sob pressão para superar a desvantagem de um gol e chegar à quinta final da Liga dos Campeões em seis anos, quando as equipes se enfrentarem no sábado, na partida de volta, em Londres. Mas o Chelsea também tem certas expectativas. O facto de ainda não ter conquistado um título europeu é uma espécie de omissão no currículo incontestável de Hayes. Ela certamente não quererá deixar a Inglaterra sem corrigir essa situação.



Source link