Hillary Clinton criticou na quinta-feira os manifestantes no campus, dizendo que os jovens “não sabem muito” sobre a história do Médio Oriente.

“Tive muitas conversas, como você, com muitos jovens nos últimos meses”, disse ela no programa MSNBC “Bom dia, Joe” na quinta feira. “Eles não sabem muito sobre a história do Médio Oriente, ou, francamente, sobre a história, em muitas áreas do mundo, incluindo no nosso próprio país.”

Clinton então sugeriu que os jovens “não sabem” que se Yasser Arafat, o ex-líder da Autoridade Palestina, tivesse aceitado um acordo intermediado por seu marido, o presidente Bill Clinton, os palestinos já teriam um estado de paz. seus próprios. “É uma das grandes tragédias da história que ele não tenha conseguido dizer sim”, disse ela.

Os comentários, feitos em resposta a uma extensa pergunta sobre a radicalização nos campi universitários feita pelo anfitrião, Joe Scarborough, foram criticados nas redes sociais por aqueles que disseram que Clinton, professora de relações públicas e internacionais na Universidade de Columbia, estava subestimando os alunos capacidade.

Enquanto alguns disseram que concordavam com a Sra. Clinton, outros descreveram a sua caracterização do fracasso do Processo de paz de Oslo — uma tentativa de anos de negociação da paz entre Israel e a Palestina, que começou em 1993, mas acabou por falhar — como uma simplificação excessiva.

“Para Clinton dizer isto é realmente hipócrita”, disse Osamah F. Khalil, professor de história e especialista em Médio Oriente na Universidade de Syracuse, numa entrevista. Ele observou que na preparação para a cimeira de Camp David em 2000, onde as negociações finalmente vacilou, Arafat alertou o ex-presidente Bill Clinton que “os dois lados não estavam prontos”. Atribuir a culpa diretamente aos palestinos era injusto, acrescentou, observando que houve outras oportunidades perdidas para uma solução. “Diplomacia não é uma venda única de colchões”, disse o professor Khalil.

Os comentários de Clinton sobre os estudantes não conseguiram dar a eles, ou às instituições de elite contra as quais muitos estão protestando, o devido crédito, disse ele.

Os comentários vêm depois dos alunos saiu da turma da Sra. Clinton em Novembro para protestar contra o que consideravam ser o papel da escola em envergonhar publicamente os estudantes que tinham assinado uma declaração dizendo que o governo israelita era responsável pela guerra. No mês passado, outros interrompeu a visita da Sra. Clinton para sua alma mater, Wellesley College.