Estudantes do estado de Kent protestaram contra a guerra em Gaza no sábado, durante a comemoração anual em homenagem aos quatro estudantes que foram mortos pela Guarda Nacional em 4 de maio de 1970.Crédito…Daniel Lozada para o New York Times

Centenas de manifestantes pró-palestinos reuniram-se na Universidade Estadual de Kent, em Ohio, no sábado, para protestar contra a guerra em Gaza, exactamente 54 anos depois de uma manifestação semelhante no campus ter terminado com quatro mortes de estudantes.

Os ativistas ficaram em silêncio, mas era impossível não perceber. Eles se reuniram em semicírculo em torno de um palco nas áreas comuns do estado de Kent, onde os oradores comemoravam os acontecimentos de 4 de maio de 1970: James Rhodes, então governador de Ohio, convocou a Guarda Nacional para reprimir uma manifestação contra o envolvimento dos EUA na Guerra do Vietnã. . As tropas abriram fogo. Quatro pessoas – Allison Krause, William Schroeder, Sandra Scheuer e Jeffrey Miller – foram mortas. Vários outros ficaram feridos.

O campus ainda carrega as cicatrizes do tiroteio de 1970. Colunas iluminadas marcam os locais precisos onde os quatro estudantes foram mortos, e a tragédia foi imortalizada na música “Ohio” interpretada pelo quarteto folk-rock Crosby, Stills, Nash & Young.

Num discurso no sábado para homenagear as vítimas, Sophia Swengel, estudante do segundo ano e presidente da Força-Tarefa 4 de Maio, um grupo formado em 1975 para manter vivo o legado dos estudantes, também reconheceu os manifestantes. Muitos deles hasteavam cartazes pedindo à universidade que se desinvestisse em fabricantes de armas e empreiteiros militares.

“Mais uma vez os estudantes estão a tomar posição contra o derramamento de sangue no estrangeiro”, disse ela, referindo-se ao ataque de Israel a Gaza, que se seguiu ao ataque liderado pelo Hamas em 7 de Outubro. ”Sra. Swegel acrescentou.

Mary Ann Vecchio se ajoelha sobre o corpo de Jeffrey Miller, um estudante que foi morto pelas tropas da Guarda Nacional de Ohio durante uma manifestação anti-guerra na Universidade Estadual de Kent em 4 de maio de 1970.Crédito…Cortesia de John Filo/Getty Images

Entre as reivindicações dos estudantes em 1970 estavam a abolição do programa ROTC, o fim dos vínculos da universidade com os programas de treinamento policial e a suspensão da pesquisa e desenvolvimento do cristal líquido usado em detectores de calor que guiavam as bombas lançadas no Camboja.

Hoje, os manifestantes no estado de Kent pedem à universidade que se desfaça do seu portfólio de instrumentos de guerra. “A universidade está lucrando com a guerra, e eles argumentavam em 69 e 70 que a universidade também estava lucrando com a guerra”, disse Camille Tinnin, Ph.D. de 31 anos. estudante de ciências políticas que se reuniu com a administração da escola para discutir o desinvestimento.

Embora o Estado de Kent não possa acabar com a guerra em Gaza, “o que a universidade pode controlar é a sua própria carteira de investimentos”, disse Yaseen Shaikh, 19 anos, membro do Students for Justice in Palestine que está prestes a licenciar-se em ciências informáticas.

Shaikh, junto com outros dois estudantes, se reuniram com Mark Polatajko, vice-presidente sênior de finanças e administração do estado de Kent, em 4 de dezembro, reunião confirmada em um comunicado de Rebecca Murphy, porta-voz do estado de Kent. Polatajko compartilhou a carteira de investimentos da universidade com os quatro ativistas durante a reunião, disse Tinnin em entrevista antes do protesto de sábado. Ela disse que os ativistas que examinaram o portfólio descobriram que ele incluía investimentos em fabricantes de armas.

No sábado, num aceno às manifestações estudantis em todo o país contra a guerra em Gaza, a Sra. Swengel disse que os acampamentos e as manifestações “permanecem como monumentos vivos e respirantes da vontade dos estudantes de se levantarem contra o genocídio e por aquilo em que acreditam”.

Em um comunicado enviado por e-mail aos repórteres, Murphy disse que a universidade “defende os direitos da Primeira Emenda de liberdade de expressão e reunião pacífica para todos”.

“De forma consistente com os nossos valores fundamentais, encorajamos o diálogo aberto e o discurso civil respeitoso num ambiente inclusivo”, acrescentou.