A inteligência artificial está dando às máquinas o poder de gerar vídeos, escrever código de computador e até mesmo manter uma conversa.

Está também a acelerar os esforços para compreender o corpo humano e combater as doenças.

Na quarta-feira, o Google DeepMind, o laboratório central de inteligência artificial da gigante da tecnologia, e a Isomorphic Labs, uma empresa irmã, revelaram uma versão mais poderosa do AlphaFold, uma tecnologia de inteligência artificial que ajuda os cientistas a compreender o comportamento do mecanismos microscópicos que impulsionam as células do corpo humano.

Uma versão inicial do AlphaFold, lançado em 2020, resolveu um quebra-cabeça que atormentou os cientistas por mais de 50 anos. Foi chamado de “problema de dobramento de proteínas”.

As proteínas são as moléculas microscópicas que impulsionam o comportamento de todos os seres vivos. Estas moléculas começam como cadeias de compostos químicos antes de se torcerem e se dobrarem em formas tridimensionais que definem como interagem com outros mecanismos microscópicos do corpo.

Os biólogos passaram anos ou mesmo décadas tentando identificar a forma de proteínas individuais. Então AlphaFold apareceu. Quando um cientista alimentou essa tecnologia com uma série de aminoácidos que constituem uma proteína, ela conseguiu prever a forma tridimensional em minutos.

Quando DeepMind lançou publicamente AlphaFold um ano depois, os biólogos começaram a usá-lo para acelerar a descoberta de medicamentos. Pesquisadores da Universidade da Califórnia, em São Francisco, usaram a tecnologia enquanto trabalhavam para compreender o coronavírus e se preparar para pandemias semelhantes. Outros usaram-no enquanto lutavam para encontrar remédios para a malária e a doença de Parkinson.

A esperança é que este tipo de tecnologia agilize significativamente a criação de novos medicamentos e vacinas.

“Isso nos diz muito mais sobre como as máquinas da célula interagem”, disse John Jumper, pesquisador do Google DeepMind. “Isso nos diz como isso deve funcionar e o que acontece quando ficamos doentes.”

A nova versão do AlphaFold – AlphaFold3 – estende a tecnologia além do enovelamento de proteínas. Além de prever o formato das proteínas, pode prever o comportamento de outros mecanismos biológicos microscópicos, incluindo o DNA, onde o corpo armazena informações genéticas, e o RNA, que transfere informações do DNA para as proteínas.

“A biologia é um sistema dinâmico. É preciso compreender as interações entre diferentes moléculas e estruturas”, disse Demis Hassabis, presidente-executivo do Google DeepMind e fundador do Isommorphic Labs, do qual o Google também é proprietário. “Este é um passo nessa direção.”

A empresa está oferecendo um site onde os cientistas podem usar o AlphaFold3. Outros laboratórios, principalmente um da Universidade de Washington, oferecem tecnologia semelhante. Num artigo publicado na terça-feira na revista científica Nature, o Dr. Jumper e os seus colegas investigadores mostram que o método atinge um nível de precisão muito além do estado da arte.

A tecnologia poderia “economizar meses de trabalho experimental e permitir pesquisas que antes eram impossíveis”, disse Deniz Kavi, cofundador e presidente-executivo da Tamarind Bio, uma start-up que desenvolve tecnologia para acelerar a descoberta de medicamentos. “Isso representa uma tremenda promessa.”