A Administração Federal de Aviação abriu uma nova investigação sobre a Boeing depois que a fabricante de aviões disse ao regulador que poderia ter ignorado as inspeções exigidas envolvendo as asas de alguns 787 Dreamliners.

Em comunicado divulgado na segunda-feira, a FAA disse que soube do assunto pela Boeing no mês passado. Como parte da investigação, a agência disse que estava investigando se os funcionários da empresa poderiam ter falsificado registros de aeronaves.

A FAA disse que a Boeing estava reinspecionando todos os Dreamliners ainda em produção e que a empresa precisava criar um plano para atender às aeronaves já em serviço.

“À medida que a investigação continua, a FAA tomará todas as medidas necessárias – como sempre – para garantir a segurança do público que voa”, afirmou o comunicado.

A Boeing não comentou o comunicado da agência, mas a empresa compartilhou um e-mail sobre o assunto que um executivo enviou na semana passada aos funcionários da Carolina do Sul, onde fabrica o Dreamliner. Nessa mensagem, o executivo disse que a Boeing determinou que não havia risco imediato à segurança do voo.

A investigação se soma ao escrutínio que a Boeing tem enfrentado desde que um painel de porta explodiu um 737 Max durante o voo em janeiro, prejudicando a reputação da empresa e chamando a atenção dos reguladores federais. A FAA iniciou uma investigação separada após esse incidente, ocorrido durante um voo da Alaska Airlines, e o Departamento de Justiça abriu um inquérito criminal.

A FAA também disse que é investigando reivindicações de um denunciante da Boeing que afirma que a empresa tomou atalhos de produção com o Dreamliner que podem levar à falha prematura da estrutura do avião. O novo inquérito relativo às inspeções não tem relação com as alegações do denunciante, que testemunhou em uma audiência no Senado mês passado.

O problema que a FAA está investigando foi identificado pela primeira vez por um funcionário da Boeing, de acordo com o e-mail enviado na semana passada. O autor da mensagem, Scott Stocker, executivo que supervisiona a produção e a segurança, disse que uma investigação sobre as preocupações dos funcionários descobriu que “vários” trabalhadores pularam os testes exigidos, mas os registraram como concluídos.

Stocker disse que a Boeing estava tomando medidas “rápidas e sérias” para abordar a conduta dos trabalhadores e informou prontamente a FAA sobre suas conclusões. Ele também elogiou o funcionário por levantar a preocupação em primeiro lugar. “É fundamental que cada um de nós fale quando vemos algo que pode não parecer certo ou que precisa de atenção”, disse ele.

A Boeing procurou encorajar mais funcionários a falarem sobre questões de qualidade nos meses que se seguiram ao incidente com o voo da Alaska Airlines. Os pilotos pousaram o avião sem ferimentos graves para as pessoas a bordo, mas investigadores federais disseram mais tarde que parecia que o avião havia saído da fábrica da Boeing. sem os parafusos necessários para fixar o painel da porta no lugar.

O episódio levantou questões sobre as práticas de controle de qualidade da Boeing. A empresa tomou uma série de medidas em resposta, incluindo a adição de inspeções, o aumento do treinamento e o incentivo aos funcionários para se manifestarem. A fabricante de aviões disse recentemente que viu um aumento de cinco vezes nos envios para um portal interno onde os funcionários podem relatar preocupações.