Autoridades norte-americanas estão tentando aumentar a pressão internacional sobre a Rússia para que não implante uma arma nuclear antissatélite no espaço e obtiveram informações que minam a explicação de Moscou de que o dispositivo que está desenvolvendo é para fins científicos pacíficos, disse um alto funcionário do Departamento de Estado na sexta-feira.

A preocupação com o desenvolvimento russo de uma nova geração de armas nucleares espaciais vem crescendo em Washington, especialmente desde Veto de Moscou no mês passado de uma medida da ONU destinada a manter o espaço livre de tais armas. Alguns republicanos acreditam que a administração Biden não está a fazer o suficiente para dissuadir o trabalho russo no dispositivo, e outros estão preocupados com a aparente decisão da China de não pressionar Moscovo para parar.

Na sexta-feira, Mallory Stewart, secretário de Estado adjunto para o controle de armas, disse que, embora os Estados Unidos estivessem cientes da busca por tal dispositivo por parte da Rússia há anos, “só recentemente fomos capazes de fazer uma avaliação mais precisa do seu progresso”. .”

Sra. falando no apartidário Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais em Washington, disse que a órbita que o satélite russo ocuparia está numa região de alta radiação não utilizada por outros satélites, informação que prejudica a defesa da Rússia de que não está a desenvolver uma arma.

Ela condenou o veto da Rússia a uma resolução do Conselho de Segurança da ONU promovida pelos Estados Unidos e pelo Japão com o objetivo de reafirmar a proibição da implantação de armas nucleares em órbita. Ela argumentou que todos os países deveriam pressionar a Rússia a não implantar um satélite com armas nucleares.

“Tudo o que estamos a fazer na arena diplomática serve para impedir que os russos avancem com este programa”, disse ela. “A resposta internacional deveria ser de indignação se isto realmente avançasse, porque afeta a todos, certo? Cada país. É indiscriminado em seu efeito potencial.”

Ao contrário dos arsenais nucleares tradicionais, a arma não seria concebida para atingir a Terra. Em vez disso, poderia destruir enxames de satélites comerciais e militares, incluindo aqueles que estão a refazer as comunicações globais.

Stewart disse que embora o dispositivo não tenha sido implantado e não representasse uma ameaça iminente, ele, se lançado e usado, “tornaria a órbita terrestre inferior inutilizável, por um certo período de tempo”. A órbita terrestre inferior está repleta de satélites de entidades como o governo dos EUA e empresas de comunicações como a Starlink, o que significa que a arma pode perturbar muitos satélites além daqueles visados.

A Rússia deverá defender o seu veto perante a Assembleia Geral da ONU na segunda-feira.

A China absteve-se na votação do Conselho de Segurança e apoiou uma alteração russa que nominalmente procurava criar uma proibição ampla de armas no espaço e de ameaças aos recursos espaciais. A Sra. Stewart disse que embora esse tópico tenha sido discutido há anos, não houve um amplo acordo na comunidade internacional para uma proibição mais ampla.

As autoridades norte-americanas estão preocupadas com a decisão da China de se abster na votação e apoiar a posição russa. No início deste ano, o Secretário de Estado Antony J. Blinken fez um apelo às autoridades chinesas usar a sua influência junto do Sr. Putin para não utilizar a arma.

Após o veto, Jake Sullivan, conselheiro de segurança nacional da Casa Branca, disse que os Estados Unidos acreditavam que A Rússia estava se desenvolvendo um novo satélite capaz de transportar um dispositivo nuclear. Sullivan disse que a colocação de qualquer arma desse tipo em órbita ameaçaria uma ampla gama de comunicações, serviços científicos e de segurança nacional que dependem de satélites.

O Tratado do Espaço Exterior de 1967 proíbe a implantação de armas nucleares no espaço. Mas os tratados de controlo de armas da era da Guerra Fria foram deixados de lado nos últimos anos e as autoridades americanas acreditam que o Tratado do Espaço Exterior poderá ser o próximo a ser eliminado.

“A Federação Russa abandonou numerosos, se não todos, tratados de controle de armas existentes”, disse Stewart. “Isso reflete o seu desejo de colocar a sua ambição pessoal acima do direito internacional.”

O presidente Vladimir V. Putin, da Rússia, disse que não pretende implantar uma arma nuclear no espaço, mas as autoridades dos EUA estão céticas, dizendo que viram o trabalho russo no dispositivo e os preparativos para potencialmente colocá-lo em órbita. E Sullivan, na sua declaração, disse que se a Rússia não tivesse intenção de implantar um dispositivo nuclear, não teria vetado a resolução.

O deputado Michael R. Turner, um republicano de Ohio que é presidente do Comitê de Inteligência da Câmara, deu alarme sobre o novo dispositivo russo. Numa audiência no Congresso na semana passada, ele perguntou ao secretário da Defesa, Lloyd J. Austin III, sobre os efeitos de uma arma antissatélite com armas nucleares.

“Isso teria consequências devastadoras em muitas das nossas capacidades no espaço – não apenas nas nossas capacidades, mas nas capacidades de outros países”, disse Austin. “E então, por essa razão, achamos que é irresponsável alguém considerar a implantação ou emprego de um dispositivo nuclear no espaço.”

Na audiência, o Sr. Turner argumentou que a administração Biden estava fazendo muito pouco para realçar a ameaça de uma arma russa e precisava de se concentrar mais em dissuadir a Rússia de a utilizar.

“Acredito que esta é uma crise dos mísseis cubanos no espaço, e esta administração está caminhando sonâmbula para uma crise internacional”, disse Turner.