Kirby também tentou atenuar as preocupações de que os Estados Unidos estivessem a romper com o seu aliado mais próximo no Médio Oriente.

“O argumento de que de alguma forma estamos nos afastando de Israel vai contra os fatos”, disse Kirby na quinta-feira, citando a visita de Biden a Israel nos dias do ataque de 7 de outubro, fornecendo dinheiro e experiência militar para sua guerra e colocar pilotos de caça americanos no céu para abater drones iranianos.

Ele disse que os Estados Unidos acreditam que Israel “colocou uma enorme pressão sobre o Hamas e que há maneiras melhores de perseguir o que resta do Hamas em Rafah do que uma grande operação terrestre”.

Kirby disse que os Estados Unidos ainda estão trabalhando com Israel em maneiras de ajudá-lo a derrotar o Hamas, como garantir que a fronteira entre Gaza e o Egito não possa ser usada para contrabando de armas e atingir os líderes do Hamas.

Ele também observou que, embora os Estados Unidos tenham suspendido temporariamente a transferência de bombas, Israel “ainda estava recebendo a vasta, vasta maioria de tudo que precisa para se defender”, e que um recente pacote de financiamento aprovado pelo Congresso continuará a enviar bilhões para Israel.

A decisão de Biden de interromper certos envios de armas para Israel ressaltou as frustrações crescentes entre Biden e o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, de Israel.

Netanyahu disse que Israel avançaria com a sua invasão em Rafah mesmo sem apoio global. Na última semana, as forças israelitas realizaram uma série de ataques direccionados em Rafah e mostraram outros sinais de uma grande invasão terrestre, incluindo a evacuação de mais de 100.000 pessoas.

Na quinta feira, o líder israelense disse: “Se precisarmos ficar sozinhos, ficaremos sozinhos. Eu disse que, se necessário, lutaremos com as unhas. Mas temos muito mais do que unhas e com essa mesma força de espírito, com a ajuda de Deus, juntos venceremos”.