Um escritório de advocacia que há muito defende a campanha e as empresas de Donald J. Trump de ações judiciais trabalhistas pediu abruptamente a retirada de um caso de anos sobre o que chama de “colapso irreparável na relação advogado-cliente”.

A empresa – LaRocca, Hornik, Greenberg, Rosen, Kittridge, Carlin e McPartland – representou a operação política de Trump em vários processos que datam de sua primeira corrida presidencial, ajudando a garantir vários acordos e demissões e faturando quase US$ 3 milhões no processo.

Mas na noite de sexta-feira, pediu a um juiz federal que lhe permitisse desistir de uma ação movida por uma ex-substituta de campanha, AJ Delgado, que diz ter sido marginalizada pela campanha em 2016 depois de revelar que estava grávida. O momento da moção foi notável, apenas dois dias depois o mesmo tribunal federal ordenou a campanha entregar todas as queixas de assédio sexual e discriminação de género ou gravidez das campanhas de 2016 e 2020 – materiais que os arguidos há muito resistem em entregar.

AJ Delgado em 2016.Crédito…através do YouTube

Em o pedido, protocolado no tribunal federal de Manhattan, o advogado principal, Jared Blumetti, não forneceu detalhes sobre a disputa, pedindo permissão para “explicar” o assunto em particular com o juiz. O Sr. Blumetti não respondeu a um pedido de comentário.

A aparente ruptura com uma empresa de longa confiança ocorre num momento movimentado, legalmente falando, para o ex-presidente.

Ele está na terceira semana de um julgamento criminal em um caso de encobrimento de escândalo sexual de campanha de 2016 envolvendo a estrela pornô Stormy Daniels, e enfrenta acusações criminais adicionais na Geórgia, bem como em dois conjuntos separados de acusações federais. Na semana passada, a Suprema Corte ouviu argumentos sobre se Trump está absolutamente imune a acusações criminais por ações que cometeu enquanto estava na Casa Branca. E ele está apelando de sentenças que totalizam mais de US$ 500 milhões em dois veredictos civis do ano passado.

Não ficou imediatamente claro se LaRocca Hornik, que tem escritórios no 40 Wall Street, um edifício no centro de Manhattan que pertence a Trump, pretende cortar todos os laços com ele. Mas tal ruptura dificilmente seria nova. Em janeiro, um dos advogados de defesa de Trump, Joe Tacopina, disse que não o representaria mais. No ano passado, pelo menos quatro de seus outros advogados, que o representavam em diversos casos civis e criminais, se afastaram.

Delgado, que se representa no assunto, se opôs à retirada em um processo na segunda-feira, argumentando que não deveria ser permitida até que o processo de descoberta fosse concluído e chamando o pedido de “esquema para evitar o cumprimento”.

A juíza Katharine H. Parker disse que LaRocca Hornik teria que continuar a representar a campanha por enquanto e que agendaria uma conferência com o escritório de advocacia e a campanha para discutir o assunto.

A empresa representa os interesses comerciais de Trump há pelo menos uma década, defendendo a Trump Model Management num processo salarial aberto em 2014, por exemplo. Também representou a campanha em ambas as candidaturas anteriores de Trump à Casa Branca e recebeu US$ 1,8 milhão entre setembro de 2016 e dezembro de 2020, mostram os registros da Comissão Eleitoral Federal. Desde então, o super PAC do ex-presidente, Make America Great Again Inc., pagou a LaRocca Hornik um adicional de US$ 990.000, incluindo um pagamento de US$ 15.103,90 em 25 de março.

Além do caso movido por Delgado, a empresa ainda representa a campanha em um processo de discriminação e abuso sexual movido por Jessica Denson, ex-administradora de banco telefônico e coordenadora de divulgação hispânica para a campanha de 2016. A ação mais recente nesse processo, em um tribunal do estado de Nova York, foi feita em 16 de abril e não faz menção ao desejo de encerrar o relacionamento jurídico.

No ano passado, a empresa ajudou a campanha de Trump a negociar um Liquidação de $ 450.000 em uma ação separada movida pela Sra. Denson que contestou a validade dos acordos de sigilo que os trabalhadores da campanha foram obrigados a assinar durante a corrida de 2016.

E em 2022, ajudou a negociar um acordo em um processo trazido pelos manifestantes que alegou que o guarda-costas de Trump, Keith Schiller, em 2015, rasgou uma placa que dizia “Trump: Torne a América racista novamente” e depois bateu na cabeça de um deles.

Delgado moveu uma ação contra a campanha, bem como contra os ex-assessores Reince Priebus e Sean Spicer, em 2019, alegando discriminação sexual e de gravidez.

Ela disse que, enquanto trabalhava para a campanha, teve um breve relacionamento sexual com um consultor e porta-voz sênior de comunicações, Jason Miller, e engravidou. Quando ela revelou sua gravidez logo após as eleições de 2016, segundo sua denúncia, ela foi dispensada da maioria de suas funções e “deixou de receber e-mails e outras comunicações imediata e inexplicavelmente”.

Como parte do litígio, ela tem buscado todas as demais denúncias de discriminação de gênero envolvendo a campanha.