O Vaticano anunciou hoje, em uma decisão histórica aprovada pelo Papa Francisco, que padres católicos podem conceder bênçãos a casais do mesmo sexo, desde que não façam parte de rituais ou liturgias regulares da Igreja.

Um documento do escritório doutrinário do Vaticano afirmou que tais bênçãos não legitimariam situações irregulares, mas seriam um sinal de que Deus acolhe a todos.

Isso não deve ser de forma alguma confundido com o sacramento do casamento heterossexual.

O documento destacou que os padres devem decidir caso a caso e “não devem impedir ou proibir a proximidade da Igreja às pessoas em todas as situações em que buscam a ajuda de Deus por meio de uma bênção simples”.

O papa sugeriu em outubro que uma mudança oficial estava em andamento em resposta a perguntas feitas por cinco cardeais conservadores no início de um sínodo de bispos no Vaticano.

Enquanto a resposta em outubro foi mais matizada, o documento de oito páginas desta segunda-feira, intitulado “Sobre o Significado Pastoral das Bênçãos”, detalhou situações específicas. Uma seção de 11 pontos foi intitulada “Bênçãos de Casais em Situações Irregulares e de Casais do Mesmo Sexo”.

A Igreja ensina que a atração pelo mesmo sexo não é pecaminosa, mas os atos homossexuais são. Desde sua eleição em 2013, Francisco tentou tornar a Igreja, com seus 1,3 bilhão de membros, mais acolhedora para pessoas LGBTQ+ sem alterar a doutrina moral sobre a atividade homossexual.